ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Em meio à seca, cafeicultor de Alterosa (MG) investe em irrigação e recupera produtividade

POR EQUIPE CAFÉPOINT

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO

EM 06/05/2021

2 MIN DE LEITURA

0
0

O produtor Antônio Sílvio de Oliveira, proprietário do Sítio Córrego do Sapé, no município de Alterosa (MG), começou a colheita do café na última semana de abril. Ele é um dos participantes do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) Café, oferecido pelo Sistema FAEMG/SENAR/INAES em parceria com o Sindicato dos Produtores Rurais de Alterosa. A sua lavoura deve superar as expectativas, com a produção chegando a 400 sacas.

O técnico de campo Eugênio Andrade de Souza começou o acompanhamento em dezembro de 2020 e constatou que o manejo já impactaria positivamente a colheita deste ano. Enquanto alguns não aprovavam a decisão de irrigar a lavoura, o produtor seguiu firme. Para irrigar os 20 mil pés de café, o trabalho exigiu aluguel de um trator, contratação de mão de obra e busca de água no açude de um vizinho, a 1,5 km da propriedade.

“Como a seca foi prolongada, percebi que, se não irrigasse, não colheria nada. Durante 35 dias, observei que as plantas respondiam. A florada veio e a planta segurou os frutos”, contou o cafeicultor. Os resultados mostraram que ele estava certo: pelos cálculos do técnico, a produção não terá perdas na comparação com a última safra. O produtor também acredita que recuperou 30% da produtividade.

O valor investido foi de R$ 20 mil e o gasto com bombas e tanques, de acordo com o técnico, será diluído ao longo dos anos. A previsão da Emater é de que o produtor recupere esse recurso com o aumento da produção e a valorização do café, o que deve ocorrer diante do cenário de queda de até 40% na produção de café. A colheita, que é mecanizada, segue respeitando o limite do produtor para a secagem do café.

“A irrigação garantiu a produção da lavoura. Na região, com o impacto da seca, muitas lavouras terão perdas de até 50%. Já Antônio Sílvio, que registrou uma produção baixa em 2020, cerca de 200 sacas, deve colher até 400 sacas em 4,5 hectares”, disse o técnico de campo.

Para Eugênio, o investimento na irrigação gerou aumento da produtividade e ganho de escala em produção, reduzindo o custo fixo e aumentando a margem líquida do produtor em cada saca de café. “O reflexo vai além da colheita deste ano, vai diminuir a bienalidade e impactar positivamente a próxima safra, pois a lavoura não sentiu a seca”, afirma. O técnico segue ajustando os trabalhos de manejo e orientando o produtor para melhores resultados tanto na parte técnica como na parte gerencial.

As informações são da Assessoria de Comunicação Senar Minas – Regional Passos.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint