FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Dicas para manejo de irrigação pré-florada

POR EQUIPE CAFÉPOINT

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO

EM 20/09/2019

0
0

A primavera é um dos períodos mais cruciais para os cafeicultores, pois é nela que ocorre a florada, etapa onde será definido o potencial produtivo do cafezal. O volume de flores produzidas é decisivo, uma vez que são elas que darão origem ao fruto do cafeeiro e consequentemente ao grão.

Superar esses desafios, no entanto, exige cuidados que se iniciam antes mesmo da floração: na pré-florada. Neste período, o produtor rural precisa estar atendo a todas as necessidades que vão garantir o maior nível de pegamento possível das flores. No caso da irrigação, é preciso considerar alguns pontos fundamentais, como, por exemplo, a técnica de irrigação deficitária na pré-florada.

O engenheiro agrônomo da Netafim/Amanco e especialista em café, Iuri Santos, dá algumas dicas para realizar o correto manejo de irrigação pré-florada:

- Irrigação deficitária: a técnica consiste em oferecer um volume limitado de água às plantas, que garantirá a uniformização da florada e da produção dos frutos, facilitando a colheita e aumentando a qualidade da bebida.

- A planta necessita estar sob déficit hídrico, não estressada: no processo de irrigação deficitária, é fundamental manter o equilíbrio da umidade do solo na camada superficial, entre capacidade de campo (água facilmente disponível) e o ponto de murcha permanente (PMP), que é o teor de umidade no qual a planta não consegue mais retirar água do solo.

- Sintomas de mucha: embora o que queiramos seja deixar as plantas em condição de déficit, o produtor precisa estar atendo para não permitir sintomas de murcha, amarelecimento e quedas de folhas.

- Também é fundamental monitorar a tensão de água no solo (Tensiometria), para garantir o nível ideal da umidade do solo.

- Manter a planta sem estímulos vegetativos, em dormência, para sincronização floral e uniformidade da produção dos grãos.

- Não induzir floração (antese), pois são necessárias mudanças significativas no clima.

- Monitorar a temperatura, umidade relativa do ar, radiação e umidade do solo.

Para ajudar em safras mais produtivas, a Netafim/Amanco desenvolve sistemas de irrigação por gotejamento para o café. A solução atende produtores de todos os portes, e o retorno do capital investido pode ocorrer em até dois anos após a implantação.

Em Ibiraci, interior de Minas Gerais, o cafeicultor Fernando Ribeiro, proprietário do Sítio Santo Antônio, adotou o sistema de irrigação inteligente em 2011. Ele conta que os 22 hectares da fazenda eram praticamente improdutivos, devido ao solo extremamente arenoso. “Durante três anos tentei levar a produção de café arábica no sequeiro, mas a produtividade era muito baixa, por contato do solo extremamente arenoso. Depois que adotei a irrigação por gotejamento, passei a produzir uma média de 50 sacas por hectare. Consegui sair de uma condição lavoura ineficaz, para uma realidade de produção economicamente viável e em menos de dois anos paguei o investimento que fiz”, relata.

A irrigação inteligente também foi a tecnologia escolhida pelo cafeicultor Ricardo Santos, da Fazenda Bela Vista. Na propriedade, a proposta era implantar um cafezal com as melhores soluções disponíveis e garantir uma produção precoce. “A instalação da lavoura de arábica já com o sistema de gotejamento possibilitou antecipar em um ano a colheita da primeira safra”, conta. Além disso, a produtividade de 56 sacas por hectare, já nos primeiros anos, permitiu o pagamento rápido do investimento na irrigação. “Estou a cinco anos produzindo na área e já obtive o retorno total dos investimentos, tanto de infraestrutura da fazenda, quanto de implantação do cafezal”, destaca.  

Também em Minas Gerais, a Fazenda São Manoel, no município de Serra do Salitre, adotou a irrigação por gotejamento subterrâneo e nutrirrigação em 2013, conseguindo aumentar em 30% a produtividade, com uma média atual de 55 sacas por hectare. Mesmo nos períodos de menor preço do grão, os ganhos na produção refletiram em maior rendimento na atividade, como conta o cafeicultor José Antônio Vitral. “Quando o café está em baixa, pensar na produtividade torna-se ainda mais essencial para rentabilidade da atividade. Investir na irrigação inteligente é um passo importante nessa direção. Os ganhos de produtividade e as economias que tive me permitiram pagar o investimento em apenas quatro safras, sendo que terei mais de 15 anos para usufruir da tecnologia", diz.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.