FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Ataque de cigarrinha pode prejudicar desenvolvimento da planta

POR EQUIPE CAFÉPOINT

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO

EM 25/09/2020

2 MIN DE LEITURA

0
0

Quando um produtor identifica em seu pasto uma espuma de origem estranha, a certeza é uma só: ataque de cigarrinhas. A praga que mais impacta os pastos, principalmente as braquiárias, é um inseto conhecido como sugador. Ele se alimenta da seiva da planta e, "ao picá-la", leva a mortalidade das células e do tecido vegetal que fora contaminado por sua toxina.

As pastagens sofrem ataques de várias espécies do gênero Deois e da espécie Notozulia entreriana. Juntas, essas espécies são conhecidas como complexo cigarrinha-das-pastagens. As pastagens ainda sofrem ataque de espécies do gênero Mahanarva, em especial a Mahanarva fimbriolata, também conhecidas como cigarrinhas das raízes.

"Tanto na fase adulta, quanto na fase ninfa, as cigarrinhas sugam a seiva da planta, reduzindo a disponibilidade de nutrientes e prejudicando o seu desenvolvimento, tanto nas raízes quanto na parte aérea", explica a pesquisadora assistente da Barenbrug do Brasil, Nathália da Costa Maia.

De acordo com a pesquisadora, geralmente nos meses de setembro e outubro ocorre a eclosão dos ovos, que ficam no solo e resistem às condições adversas do período da seca, dando origem às ninfas, a forma jovem da cigarrinha.

As ninfas, ao se alimentarem da seiva pelas raízes, destroem os vasos condutores, o que dificulta o transporte de água e nutrientes pela planta, gerando uma desordem fisiológica. Porém, os principais danos são causados pelas cigarrinhas na fase adulta, que se alimentam da parte aérea e, ao sugarem a seiva, injetam toxinas na planta.

Essas toxinas causam morte do tecido vegetal, gerando o sintoma de estria clorótica, que, posteriormente, evolui para o secamento foliar, reduzindo, assim, a capacidade fotossintética da planta. Ataques severos do inseto podem levar à morte da planta. Tudo isso gera uma redução significativa na produção e disponibilidade de forragem.

Hoje, no mercado, existem cultivares criadas com foco nas necessidades da produção agropecuária tropical, trazendo uma grande inovação que alia segurança e desempenho animal. De acordo com Nathália, as cultivares Cayana e Sabiá se mostraram com o mesmo nível de resistência e/ou superior aos cultivares resistentes do mercado.

Depois de anos de pesquisas em laboratório, as cultivares foram criadas para sofrerem menos danos pelas cigarrinhas e manter os altos índices de produtividade. "Outro ponto importante é a redução no uso de inseticidas, o que gera uma maior economia para o produtor e um manejo mais sustentável, reduzindo os impactos no meio ambiente", finaliza a pesquisadora.

As informações são da Climatempo.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint