ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

A importância da análise foliar na lavoura de café

POR EQUIPE CAFÉPOINT

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO

EM 26/04/2022

2 MIN DE LEITURA

0
0

Após a análise de solo e a interpretação dos resultados, é importante realizar a análise foliar dos cafeeiros. É nessa etapa que o produtor consegue avaliar o estado nutricional da planta e analisar se os níveis estão adequados, deficientes, tóxicos ou em desequilíbrio.

“É importante fazermos a análise foliar para monitorar qual é o fluxo de nutrientes que estamos colocando no solo e que estão chegando na planta, principalmente nas partes de dreno. Nessa fase de maturação e fim da granação, é muito importante fazermos uma análise foliar para analisarmos os pequenos detalhes, para que, no final, tenhamos uma maior homogeneidade de grãos ou de maturação, e uma melhor qualidade de bebida”, destaca o engenheiro agrônomo da Coocafé, Vinícius Fassarella.

De acordo com o “Manual do Café - Manejo de Cafezais Em Produção”, da Emater-MG, a amostragem para análise foliar em cafeicultura de sequeiro é realizada na fase de chumbinho/chumbão, antes da fase de expansão rápida dos frutos e da granação. Este período, normalmente, coincide com o mês de novembro até meados de dezembro. 

Deve-se observar um intervalo de, pelo menos, 30 dias após uma última adubação de solo ou via foliar. Para o caso de cafeicultura irrigada, a análise foliar torna-se uma ferramenta ainda mais importante, recomendando-se a sua realização em intervalos menores, por exemplo, bimestralmente. Nos dois casos, a análise foliar pode contribuir com o programa de adubação, suprindo, mantendo ou aumentando a quantidade de adubo nos próximos parcelamentos.

“É muito importante que a gente entenda que uma amostragem de folha deva ser feita em torno de 50 a 100 folhas coletadas em sacos de papel e encaminhadas para o laboratório”, explica Fassarella em vídeo. Segundo ele, é preciso coletar as folhas no terço médio da planta (meio da planta) e do quarto par de folha em diante. “É importante coletarmos duas folhas não tão velhas e nem tão novas. Nós fazemos isso o mais espaçado possível [na lavoura] para que tenhamos uma maior amostragem”, auxilia.

A partir disso, a análise foliar apresentará os índices de macro e micronutrientes, como Zinco, Boro e Ferro, e a relação entre eles. “Isso é muito importante para termos uma tomada de decisão de qual fertilizante foliar estaremos aplicando”, comenta o agrônomo. Recomenda-se acompanhar a mesma divisão em talhões feita para a amostragem de solos.

Identificação de amostras

Segundo a Emater-MG, para ser enviada ao laboratório, a amostra deve ser identificada com o nome do produtor, da propriedade e da lavoura ou talhão. Outras informações de interesse do agrônomo para interpretação e recomendações técnicas, como número de plantas, espaçamento e produção esperada, deverão complementar a identificação.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint