ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Quebra no conilon: exportações capixabas tem pior desempenho em 30 anos

POR EQUIPE CAFÉPOINT

PRODUÇÃO

EM 21/10/2016

2
0
Por Thais Fernandes

A seca que castiga o Estado do Espírito Santo e teve seu ápice em 2015, quando o estado decretou restrição do uso da água na agricultura, segue impactando o setor do café conilon. A quebra na safra deste ano criou um ambiente inédito para o grão em seus diversos setores.

Vindo em uma escalada de preços há, pelo menos, três meses, quando passou a se manter acima de R$400, o café conilon atingiu essa semana um novo recorde ao bater os R$500 por saca no mercado interno. Ultrapassar esse último valor é considerado inédito pelo Centro do Comércio de Café de Vitória (CCCV). “Em reais, é recorde histórico”, afirma Jorge Luiz Nicchio, presidente da entidade.

Foto: Guilherme Gomes/ Café Editora
Foto: Guilherme Gomes/ Café Editora

Mas, o preço da variedade do café robusta, reflete também um movimento anterior. Em 2015, o CCCV registrou recorde de exportações do grão, com 4,02 milhões de sacas de 60 kg. O número representou o maior embarque do grão feito pelo Estado do Espírito Santo na história do Centro.

Já em 2016, os embarques totais, somando arábica e conilon, do Estado até agora estão em apenas 2,4 milhões de sacas. “É o pior volume desde 1986. Isso se deve, também, a ineficiência do Porto de Vitória, que não comporta grandes navios. Então, perdemos em exportação por falta de café no Espírito Santo e também por cafés que passaram a ser embarcados nos portos do Rio de Janeiro e Santos”, revela Nicchio.

Ainda assim, considerando apenas o café conilon, a quebra na produção se mostra como maior responsável. Os embarques devem despencar, com queda de 85%, comparado ao que foi exportado em 2015. “Para o conilon, nós projetamos exportar 600 mil sacas até o final do ano. Isso é apenas 15% do café do ano passado”, afirma.

O fator mercado externo não explica sozinho a constante alta nos preços da saca. “A quantidade produzida aqui foi muito pequena! E, em segundo lugar, a necessidade da indústria em utilizar conilon como blend”, analisa Jorge Luiz Nicchio. Para ele, a indústria já reduziu em boa parte a utilização do grão, mas não deve atingir uma redução mais brusca para não impactar a percepção do consumidor final.

“Há alguns anos, esse blend era estimado em torno de 40% de conilon. Então o consumo brasileiro estava nessa margem, até 2014. O valor do conilon começou a subir já em 2015, então a indústria passou a utilizar entre 30 ou 25%”, conta.

Diferencial entre arábica e conilon
“O conilon atingiu o preço de cafés trabalhados em nível de Sul de Minas, Cerrado Mineiro. E, ao mesmo tempo, com a maior procura do mercado interno”, destaca Nicchio. Segundo ele, nas cotações acompanhadas pelo CCCV já tinha se visto o conilon e o café arábica tipo rio em valores tão próximos, mas para café arábica fino é a primeira vez.

Para o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP, o diferencial de preço do robusta frente ao arábica é o menor já visto, considerando-se toda a série histórica. No último dia 18, a diferença entre os valores das variedades foi de apenas 8,07 reais/saca, com o Indicador Cepea/Esalq do tipo 6 bebida dura para melhor, posto na capital paulista, fechando a R$ 515,16/sc de 60 kg.

Gráfico: Cepea


Perspectivas para 2017
Para a próxima safra, produtores e técnicos informam diariamente que a quebra deve se repetir, em função dos efeitos da seca nos cafeeiros. “A perspectiva para 2017 também é muito ruim. Mesmo que chova agora a safra do ano que vem vai ficar altamente comprometida. A produtividade vai ser prejudicada”.

Os problemas na produção devem, portanto, seguir pautando o mercado interno, que recorreu a suas reservas nas últimas safras. “A expectativa é de preços bons, pelo menos nos próximos dois anos. No início da colheita deste ano, o Brasil passou com os estoques praticamente zerados. Esse ano a produção brasileira de arábica foi muito boa, mas a conta que se fez é que na chegada da safra 2017 a produção mineira do ano que vem não supera esse ano, então vamos chegar com o estoque zerado”.

Contudo, o presidente o CCCV lembra que a preocupação de produtores não se limita aos valores de suas sacas. “O preço está muito bom, mas o produtor precisa de uma conjuntura em que tenha preço e café bom. Mesmo em 2014 os cafeicultores já tiveram quebra superior a 50% no Espírito Santo”, finaliza Jorge Luiz Nicchio.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MAURI DESCHAMPS

EM 01/11/2016

quem deve estar muito contentes com essa noticia da saca do cafe a 500 reais, são os produtores de Rondonia. bahh
ALDO COSTA RODRIGUES

PLACIDO DE CASTRO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 24/10/2016

Acho que o governo tinha que compra 5 milhões de sacas de café arábica e 2 milhões de conilom para evitar desabasteçimento  !!!