carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Notícias > Produção

Enquanto tiver preço diferenciado vamos fazer qualidade: Edgard Bastianello

Por Equipe CaféPoint (CaféPoint)
postado em 15/02/2017

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Por Thais Fernandes

Na primeira edição do Concurso Coffee of the Year (COY), que acontece com participação do público na Semana Internacional do Café, em que os cafés conilon foram incluídos na fase de degustação final, a Cooabriel se destacou em número de cafés inscritos por seus cooperados.

Entre os concorrentes, Edgard Bastianello levou a melhor posição com seu café do Sítio Chapadinho. A produção venceu uma das secas mais intensas que já se abateu sobre o norte do estado, mais precisamente no município produtor de Nova Venécia (ES).

Foto: Cooabriel / Divulgação
Foto: Cooabriel / Divulgação


Crescimento em meio ao café
“Estou no meio do café desde pequeno, ainda era criança”, relembra ele sobre as mudanças do cultivo que acompanharam seu crescimento pessoal. “Meus avós produziam um pouco arábica. Mas deu muito custo”, lembra. Então, com o incentivo da própria Cooabriel, as famílias começaram a pensar no conilon com mais carinho. “Foi através de pessoas como o seu Dário Martinelli, que acompanhamos desde o início, que tivemos mais informação sobre como cultivar”.

Desde 2014 o clima vem trazendo preocupação ao produtor. “A seca nos fez perder muito em volume de sacas produzidas”. O rendimento em 2016, por exemplo, foi de apenas 45 sacas por hectare, contra as 70 sacas/ hectare que são colhidas em anos típicos da região.

Participantes desde os primeiros concursos voltados para o grão capixaba, os Bastianello viram sua forma de produzir acompanhar cada progresso da cafeicultura. “A gente secava café na pedra, então começamos também a despolpar”.

Para enfrentar essa quebra, a sustentabilidade foi um trunfo na propriedade. “Nós temos um poço bom de água, e conseguimos manter. Reaproveitamos a água para despolpar o café, fazemos filtragem para despolpar”, revela o produtor, que chega a despolpar uma média de 40 sacas por hora na época alta da safra. “Temos um filtro. Nós trabalhamos umas 3 a 4 horas com a mesma água”, explica o produtor.

Na propriedade, ele mantém uma pequena reserva, próxima da área mais úmida, de brejos. “Tudo que você planta na terra e é nativo da região ajuda a manter o meio ambiente equilibrado”.

Processos
Uma colheita manual e de maio a junho – assim mesmo, bem rápido, Edgard colhe seus frutos. “Para estar bem maduro precisa colhido em um mês”, explica.

O clima na safra de 2016 foi de altas temperaturas, conta o produtor que cultiva seu conilon a 200 metros de altitude. A irrigação foi extremamente restrita, já que o racionamento de água no estado seguiu por meses a fio. “Não foi o suficiente. Deu apenas para manter a lavoura viva”, conta Edgard.

A chuva regressou no último mês de novembro, mas foi por pouco tempo. “Pra recuperar bem tem que dar uns três meses com chuvas e clima ameno”. A propriedade de 60 hectares tem 40 deles em café plantado, contudo, já vai sentir o problema também na próxima safra. “Agora já está granando. O que tinha que florar já florou. Agora tem que trabalhar na granação”, pondera.

O desenvolvimento comprometido do fruto já gera insegurança com relação ao volume deste ano. “Aqui na região, na nossa propriedade deve cair um pouco o volume em 2017, em relação ao que foi em 2016. Deve cair para uns 35 sacas/hectare”.

Mas o bom valor da saca não evitou que o que mercado temia. “Ih, quando acabei de ‘panhar’ já tinha acabado o café disponível para venda. Se você for olhar pros produtores apenas 10% ou 15% tem café guardado”, afirma Edgard.

Segundo o cafeicultor, o apoio da Cooabriel, que paga dependendo da qualidade do café de 10 a 15% acima do valor do mercado, o investimento no secador de fogo indireto reflete diretamente na qualidade dos grãos. “Nesse método, a fumaça não interfere. No fogo direto o café pode ‘pegar’ o cheiro”, comenta.

“O que me pagou esse ano ainda compensa, porque pra mexer com fogo indireto de 22 a 25 horas, o outro com 13 horas e 12 já consegue secar”. O trabalho para cuidar do cafezal segue árduo, mas a produção, ao que tudo indica, deve continuar florescendo junto a história da família. Dos três filhos de Edgard, dois estão trabalhando na lavoura junto a família e a terceira também tem seu próprio pedaço de terra, que foi dividida para cada um. “Enquanto a gente tiver preço diferenciado vamos tentar fazer com cada vez mais qualidade”, aponta o produtor.

 

Direitos reservados

Este artigo é de uso exclusivo do CaféPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Equipe CaféPoint    São Paulo - São Paulo

Mídia especializada/imprensa

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

Renato Strelow

São Gabriel da Palha - Espírito Santo - Consultoria/extensão rural
postado em 16/02/2017

Qualidade e sustentabilidade na propriedade e com o apoio da COOABRIEL,os produtores estão conseguindo enfrentar as dificuldades que a estiagem proporcionou!

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade