FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Técnicas qualitativas no auxílio à fidelização do consumidor brasileiro de café durante a covid-19

ESPAÇO ABERTO

EM 25/05/2020

5 MIN DE LEITURA

0
21

*Por Yasmin J. D. Sales1; Fernando J. B. Correa1; Paula Thaís S. Soares2; Adriano. G. Cruz3; Mônica M. Pagani1; Erick A. Esmerino1,2

O café é um dos alimentos mais importantes a nível mundial e, no Brasil, ainda é considerado um patrimônio nacional. O País é o segundo maior consumidor mundial da bebida, sendo o consumo per capita de 6,10kg de café em grão cru ou 4,88kg de café torrado, equivalente a 82 litros da bebida para cada brasileiro por ano. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Café – ABIC, nos últimos anos, observou-se um crescimento no consumo de aproximadamente 4,8%, e as previsões, anteriores a pandemia de COVID-19, era de que essa tendência se mantivesse constante até 2021, impulsionado principalmente pelas diferentes apresentações comerciais do café (pó, grãos e em cápsulas). Outro fator relevante é o título de maior exportador de café no mundo, sendo nossos principais compradores a Alemanha, Estados Unidos, Itália, Argentina e Japão.

Segundo estudo realizado pela consultoria Euromonitor, a venda de cafés premium no mercado brasileiro estava ascensão, tanto em partes dos setores de varejo, hotelaria e turismo, como domesticamente, embora o consumo do café tradicional permaneça predominante nas residências brasileiras. Dentre as espécies de café mais cultivadas e consumidas nacionalmente estão o café arábica (Coffea arabica), que apresenta um grão de melhor qualidade, que proporciona uma bebida de maior valor comercial, e o café robusta (Coffea canephora), mais utilizado em misturas ou blends.

Entretanto, devido aos esforços para conter o avanço da COVID-19, coffee shops e estabelecimentos especializados do ramo tiveram que interromper suas atividades, impactando o comportamento dos consumidores e o consumo da bebida.  Estudos recentes já apontam, neste momento, para um aumento no consumo doméstico, justamente por conta do isolamento social. Neste sentido, produtores, cafeterias e marcas precisam se reinventar e encontrar formas de entender as necessidades desses consumidores e viabilizar formas de corresponder às novas demandas. A percepção do consumidor é importante para o setor cafeeiro, pois evidencia a aceitação de novos produtos, opiniões, pontos de vista e motivações dos consumidores, além de criar oportunidades de mercado e auxiliar no desenvolvimento de novos conceitos e estratégias de marketing que podem garantir um diferencial competitivo com o acirramento do mercado.

Neste contexto, a pesquisadora e engenheira Agrônoma Yasmin Duarte, em trabalho intitulado “Aplicação de técnicas qualitativas como ferramentas de avaliação da percepção de consumidores de café em pó, em grãos e em cápsulas”, investigou através dos métodos de Completion Task e Hard Laddering, a percepção de consumidores brasileiros a respeito das principais apresentações comerciais do produto. O Completion Task, dentre as técnicas projetivas, permite o acesso a informações armazenadas em níveis mais profundos e inconscientes, não disponíveis quando se utiliza meios convencionais de entrevista. Adicionalmente, quando associada a imagens, orientam a concentração dos participantes para aspectos específicos de interesse sem perder a natureza ambígua e projetiva da ferramenta. Já a entrevista no formato Hard Laddering é baseada na teoria de Cadeias meios-fim, popularmente conhecida em pesquisas de marketing, e fundamenta-se na premissa de que as pessoas escolhem um produto porque ele contém atributos que levam às consequências e estados-fim pessoais esperados, percebidos pelo consumo do produto.

Similarmente, os resultados de ambas as técnicas apontam que o café em cápsula é percebido pelos consumidores, de forma geral, como um produto de alta praticidade e variedade de sabores disponíveis, contudo, o alto valor de mercado, a percepção de artificialidade e o impacto ambiental são percepções negativas do produto. Segundo a ABIC (2018), a apresentação em cápsula é demasiadamente atrelada à praticidade, sendo o principal fator estimulante do consumo dessa versão nos últimos cinco anos, embora questões relacionadas ao preço e sustentabilidade sejam igualmente relevantes na percepção dos consumidores. Contudo, ao passo que há um aumento da procura desse tipo de café pelos consumidores, nota-se também o interesse institucional das empresas e de start-ups que visam à destinação correta e reciclagem da cápsula.

O café em grãos, associado por muitos a premiunização do produto, é percebido como um produto superior em qualidade, especialmente sensorial, associado ao seu maior frescor, embora os consumidores relatem como empecilho para sua aquisição o alto preço do produto e a necessidade da compra de equipamentos apropriados, além da falta de praticidade. Ainda assim, nos últimos anos foi possível observar um notável crescimento do segmento por todo o mundo, movido pela expansão de pequenas cafeterias especializadas e microtorrefações que buscam atender a um público atento a produção, origem e seleção mais minuciosa dos grãos, e certificações. Entretanto, devido ao isolamento social ocasionado pela pandemia, a Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) avalia que seus associados tiveram queda média de 76,25% na venda do produto. Como o segmento possui estreita relação e fidelização dos consumidores que não abrem mão do costume, aposta-se que o consumo doméstico amortize parte destes prejuízos, o que tem levado alguns micro e pequenos empresários a apostar no e-commerce e em divulgações em mídias sociais para enfrentar os impactos econômicos.

Segundo o estudo ainda, o café em pó é associado pela maioria dos participantes a um produto tradicional, prático e barato, porém, de qualidade inferior, gerando menos prazer ao ser consumido quando comparado aos demais. Esse fato é de extrema importância em momentos como o atual, onde uma crise econômica é iminente. Apesar do mercado de café ter se mostrado bastante resiliente diante de outras adversidades econômicas, acredita-se que com a renda familiar reduzida possa ocorrer uma mudança no comportamento do consumidor, reduzindo a demanda por cafés de maior valor para variedades e marcas de menor valor, além de migrar para outras bebidas alternativas de menor custo.

Com o objetivo de evitar ou pelo menos minimizar essa mudança de consumo, torna-se fundamental que estratégias de marketing levem em consideração a profunda relação emocional que o alimento ou a bebida, e nesse caso mais especificamente, o café, pode despertar nos seus consumidores. As duas técnicas empregadas pela pesquisadora, serviram para coletar a percepção do consumidor, gerando resultados semelhantes e bastante satisfatórios, apesar das entrevistas no formato Hard Laddering terem alcançado valores pessoais mais profundos envolvidos na decisão de compra e consumo dos participantes.

Nesse contexto, a utilização das técnicas qualitativas pode permitir o conhecimento mais abrangente do publico alvo, tornando mais fácil e eficiente atingir às expectativas do consumidor, surpreendendo-o e tornando-o fiel à marca.

_______

1 Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Tecnologia, Departamento de Tecnologia de Alimentos, Seropédica, Rio de Janeiro

2 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, Departamento de Alimentos, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.