ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Rede Social do Café completa 15 anos

POR SERGIO PARREIRAS PEREIRA

ESPAÇO ABERTO

EM 28/06/2021

5 MIN DE LEITURA

0
0

O ano era 2006 e a internet no Brasil ainda engatinhava. Vivia-se a lenta transição entre a internet discada e a banda larga. O movimento de redes sociais começava a despontar. O Myspace foi desenvolvido em 2003, o Facebook foi criado em 2004, o Twitter lançado em 2006 e o Instagram somente em 2010. Nenhuma dessas redes sociais tinha se destacado no Brasil e, na época, o que existia, ainda de forma embrionária, era o Orkut. O iOS - Sistema Operacional Móvel da Apple foi lançado, nos Estados Unidos, somente em 2007, e,  em 2008, surgiria o Android – sistema operacional que se tornou líder mundial. O WhatsApp, principal aplicativo multiplataforma de mensagens instantâneas e chamadas de voz para smartphones, foi lançado somente em 2009.  Nesse contexto de grandes transformações, surge a Rede Social do Café. 

Na virada do milênio, foi fundada a Radium Systems, da fusão de mentes inquietas, homens de negócio, professores universitários, jovens programadores e criadores ávidos pelo novo horizonte digital que começava a se abrir. A empresa nasceu com o DNA da inovação, colaboração e conexão, possibilitados pelos meios digitais. Os esforços se direcionaram para a construção da Plataforma de Mídia Social Peabirus. Desde sua gênese, a rede foi criada para conectar profissionais, instituições e empresas, de forma a incentivar o compartilhamento de informações, construção do conhecimento e desenvolvimento de oportunidades.

O Peabirus chegou ao setor cafeeiro por intermédio do então secretário executivo do Conselho Nacional do Café (CNC), Alberto Duque Portugal e do então gerente geral da Embrapa Café, Gabriel Ferreira Bartholo, que gerenciava o Consórcio Pesquisa Café. O café foi uma das pautas que sustentou o Peabirus desde o lançamento, dia 28 de junho de 2006, há 15 anos.  Daí em diante, desenhou-se uma revolução no modelo de comunicação entre as instituições participantes do Consórcio e os demais segmentos da cadeia café, numa troca dinâmica de informações para incentivar a incorporação das tecnologias geradas pela pesquisa e colocar a cadeia produtiva dentro do moderno contexto da sociedade da informação.

Desde os primórdios a RSC contou com articulação e mediação de Sérgio Parreiras Pereira, pesquisador cientifico do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), instituição vinculada à Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Com o passar dos anos, das comunidades de prática ligadas ao café existentes no Peabirus, sobreviveu apenas uma, a Comunidade Manejo da Lavoura Cafeeira, que evoluiu, em 2011, para a Rede Social do Café (RSC).

Ao completar 15 anos, a rede demonstra uma força surpreendente, com a marca de 24 milhões de acessos em mais de 65 mil tópicos com foco no sistema agroindustrial dos cafés do Brasil. Trata-se de um importante repositório de pesquisas, tecnologias, inovações, notícias, histórias, com acesso aberto e acessível a um conjunto cada vez mais diversificado de pessoas.

Monitoramento e evoluções

Desde sua concepção, a Rede é monitorada pela ferramenta Google Analytics, possibilitando o acompanhamento estatístico diário sobre as diferentes formas de acesso e engajamento. A Rede Social do Café se mantém em expansão com relação ao número de visitantes e acesso às postagens. Desde 2006, a Rede foi visitada por 187 países, com predominância no Brasil (87,39%), seguido por Estados Unidos (4,81%), além de Noruega, Portugal e Colômbia. No Brasil, a RSC já foi acessada de todos os estados, com destaque para Minas Gerais (42,89%), São Paulo (25,85%), Rio de Janeiro (5,43%), Espírito Santo (5,18%) e Paraná (4,46%). Dentre os municípios que mais acessam, destacam-se Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Campinas e Brasília.

Durante a pandemia do Covid-19, as conexões se tornaram ainda mais digitais no sistema agroindustrial dos cafés do Brasil, fenômeno que parece ser irreversível. No período, os números de acessos à RSC ampliaram significativamente. Comparando quinze meses de pandemia, de março de 2020 a maio de 2021, com o mesmo período anterior (3/2019 a 5/2020), acompanhado pelo Google Analytics, o número de usuários aumentou 27,27% e as visualizações de página 19,53%.

Nessa longa trajetória, muitos foram os apoiadores, com destaque para o Consórcio Pesquisa Café, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), o Polo de Excelência do Café, que deu origem à Inova Café – Agência de Inovação do Café na Universidade Federal de Lavras (Ufla) e ao Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia do Café (INCT Café). Em 15 anos de existência, a RSC nunca obteve aporte financeiro privado, o que favoreceu a gestão ética e idônea da curadoria dos conteúdos apresentados. Os destaques sempre foram apresentados por critérios de relevância e mérito, sobretudo com atenção às demandas de seus membros.

A RSC e o PEABIRUS foram objetos de vários estudos científicos, de resumos apresentados em congressos à teses de doutorado, tendo como ênfase a  conectividade, a comunicação, a difusão e a transferência de tecnologia. Estudo recente financiado pelo Consórcio Pesquisa Café traçou o perfil dos usuários da RSC, separando-os oito categorias: agroindústria (4,64%), Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) (16,12%), comercialização (13,93%), comunicação (6,01%), educação (4,71%), pesquisa (20,49%), produção agrícola (27,87%) e outra (6,55%). As três categorias de usuários mais presentes na RSC (Produção Agrícola, Pesquisa e ATER) perfazem quase 65%, permanecendo o foco da iniciativa. As demais categorias, com cerca de 35% do público, completam o sistema agroindustrial dos cafés do Brasil, incluindo os apaixonados pela bebida e por uma legião de amigos do café.

Dados ainda não publicados desse estudo analisam os impactos da RSC de forma global e em relação às diferentes categorias de usuários. Os indicadores avaliados foram qualidade, conhecimento, uso de tecnologia, gestão, network, produtividade, negócios e renda. Os resultados preliminares apontam que a RSC impactou positivamente seus membros, influenciando-os nos distintos indicadores, independente da categoria.

Para o futuro, um novo projeto aprovado pelo Consórcio Pesquisa Café está sendo desenhado para manter, reestruturar, ampliar e acompanhar a utilização e a comunicação via Rede Social do Café. Dentre as ações, destaca-se a reformulação completa da plataforma PEABIRUS, para atualização em termos de acessibilidade e novo visual gráfico, buscando oferecer conteúdo responsivo, que significa melhoria na adaptação aos aparelhos de celulares, que atualmente correspondem a mais de 60% dos acessos.

Pretende-se, com essa proposta, não apenas manter, mas expandir o modelo de comunicação inovador entre os diversos agentes que compõe os segmentos do agronegócio café. Seguimos com a convicção de que a informação, o conhecimento e a articulação são os fatores que tendem a levar os atores do sistema agroindustrial do café ao sucesso em seus empreendimentos.

Vida Longa à Rede Social do Café!!!

SERGIO PARREIRAS PEREIRA

Agrônomo - Mestre em Fitotecnia - Pesquisador Cientifico do IAC - Centro de Café - Mediador da Comunidade Manejo da Lavoura Cafeeira no PEABIRUS - Doutorando da Universidade Federal de Lavras - UFLA - Coordenador do Núcleo de Manejo do CBP&D/Café

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint