carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Notícias > Internacional

Indústria de café alerta sobre preços voláteis

postado em 18/04/2017

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Os torrefadores de café e os compradores precisarão manter um olhar atento sobre os preços nos próximos meses, uma vez que uma queda acentuada nos estoques devido a uma escassez de oferta de quatro anos tornará o mercado mais volátil, de acordo com um credor líder para empresas agrícolas.

Foto: Érico Hiller/ Café Editora
Foto: Érico Hiller/ Café Editora

Com a produção brasileira de grãos arábica de alta qualidade prevista para cair 13% no ano-safra de 2017/2018, o indicador-chave do estoque disponível para consumo deverá cair para um mínimo de oito anos, de acordo com o Rabobank.

A "relação estoque-uso" para 2017/2018 deverá ser de 30%, o menor nível desde 2009/2010, de acordo com o financiador holandês. Os estoques mais baixos significarão que "qualquer problema climático que tenhamos terá um impacto de preço exacerbado", alertou Carlos Mera, analista de café do Rabobank.
O Brasil é o maior produtor mundial de café, com algumas das plantações mais eficientes. No entanto, os produtores têm sido afetados por alguns motivos como secas nos últimos anos, saída de arábica afetada em 2014 e as principais áreas de produção de robusta passando por uma seca severa.

Após a queda da produção de arábica do país, se seguiu uma safra excelente de 42 milhões de sacas 60kg no ano anterior. Os cafezais do Brasil alternam entre anos de alta produção, produzindo uma safra excelente e anos de baixa produção, quando as plantas se recuperam do estresse da grande produção do ano anterior.

Prevê-se que a queda da produção tenha sido exacerbada pela poda agressiva das plantas pelos produtores, e o banco espera que a colheita de arábica caia 36,7 milhões de sacas.

A demanda nos últimos anos tem sido alta, levando a um acúmulo de estoques em países não produtores de café. No entanto, com a produção em declínio, os compradores estarão se voltando para seus estoques. "Acreditamos que muito deste café vai ser necessário nos próximos 15 meses", disse Carlos Mera.

Alguns analistas questionaram se a queda acentuada dos suprimentos de arábica, que leva à escassez mundial de suprimentos para seu quarto ano, foi totalmente refletida nos preços no mercado de café.

O mercado de arábica está negociando a US$ 1,422 uma libra, que é 10% mais elevado do que no começo de 2016, mas bem menos que no último ano. Em 2016, o mercado subiu para quase US$ 1,80 devido à escassez no mercado do robusta.

"O preço é um reflexo justo das condições atuais e passadas", disse James Hearn, co-chefe de agricultura no corretor de commodities, Marex Spectron. No entanto, ele disse que o mercado de arábica subestimou as estimativas de escassez deste ano. "É um déficit material; todos podem ver que há um problema vindo.”

Uma questão que poderia afetar o mercado é a falta de ações do governo brasileiro após o leilão bem sucedido de seus estoques este mês.

O café de arábica de grau inferior tem sido usado como substituto para o grão robusta no Brasil, onde as principais regiões de cultivo de robusta foram atingidas pelo calor escaldante e falta de chuva.

"O fato de o governo ter conseguido vender suas ações sem que ninguém se queixasse mostra o quão apertado o mercado está", disse Hearn.

A compra do governo brasileiro tem apoiado os agricultores durante épocas de colheitas e preços baixos, mas pela primeira vez em 10 anos reduziu seus estoques para zero e o mercado está sem o amortecedor, disseram os analistas.

As informações são do The Financial Times / Tradução por Juliana Santin 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

willian goulart

Muzambinho - Minas Gerais - Produção de café
postado em 18/04/2017

o café tem mais é que subir mesmo, só não vê que haverá falta quem não quer. "ou não quer alardear lá fora"  mostrar a oportunidade para os fundos comprar muito contratos e pressionar o preço. o que em breve ocorrerá; deixa começar a colheita e ter algum problema qualquer, seja de frio, ou qualquer outro. esse mercado estoura. isso se a coréia não explodir a bomba antes é claro.

Elder G. Baldon

Nova Venécia - Espírito Santo - Produção de café
postado em 19/04/2017

Até que em fim uma matéria realista. Mas não quero alarmar mais. Só digo que sou do Es. O conilon vai produzir bem menos que o previsto pelas pesquisas, além do fato que estamos passando por uma crise hídrica, a maioria das represas estão vazias. As chuvas foram bem abaixo da média e irregulares. Muitas lavouras foram arrancadas é o produtor está com dívidas e sem capital para investir. Esse fato é a pura verdade.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade