ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Demanda por cafés especiais da África se aquece

INTERNACIONAL

EM 01/03/2016

0
0
De Ruanda ao Sudão do Sul, à Zâmbia e ao Congo, os produtores de café da África estão vendo tendências de mercado a seu favor, à medida que os gigantes varejistas mudam para altos volumes de grãos com excelente sabor.

O aumento na demanda por cafés especiais, que agora representam uma em cada duas xícaras de café na América, tem levado os varejistas a buscar mais na África, trazendo a bordo produtores em mercados mais arriscados, como Sudão do Sul, Burundi e Congo. A demanda por cafés especiais na Europa também está aumentando e agora representa pelo menos 40% da oferta, disseram os comerciantes.

Como resultado, os volumes de cafés especiais na região estão aumentando, agora representando quase 30% da produção total na África de menos de 15% há três anos, de acordo com a Associação Africana de Cafés Finos.

“O que importa mais agora é a qualidade do café para a maioria dos consumidores”, disse o chefe da companhia suíça de comércio de café, Schluter Ltd., Phil Schluter. “Os produtores africanos não podem continuar olhando para o tamanho dos grãos de café [que é como os mercados locais os classificam]”.

Apesar de o café da África agora somente ser responsável por cerca de 10% do mercado internacional, os grãos do continente estão bastante demandados devido a suas qualidades únicas e desejáveis. Esses grãos são frequentemente usados para dar sabor aos blends de grãos de várias origens.

Isso também ajudou a distorcer o mercado. Schluter disse que frequentemente os produtores recebem uma oferta de cerca de US$ 1,50 a libra por seus grãos, enquanto seu vizinho recebe US$ 4,50 por libra, mesmo se o café tiver qualidade quase idêntica. Isso porque os diferentes tipos de torrefadores especiais, apesar de seu desejo mútuo por grãos de qualidade, frequentemente estão comprando para mercados completamente diferentes – alguns cheios de blends e outros que vendem copos de café a US$ 6 com uma só origem.

“Ambos os mercados estão lá. Ambos os mercados são reais”, disse Schluter. O atual preço no mercado mundial para o café arábica no ICE Futures dos Estados Unidos é de cerca de US$ 1,20 a libra.

Os prêmios pelos grãos de cafés especiais estão protegendo os produtores africanos dos baixos preços internacionais e os ajudando a se manter à tona, disse o presidente da Associação Africana de Cafés Finos, Abdullah Bagersh. “Essas abordagens que focam na rentabilidade do produtor são a única forma de sustentar a indústria. Com grãos de qualidade, os produtores africanos têm vantagens competitivas”, disse ele.

Os preços do café arábica perderam 23% de valor no ano passado, enquanto o de café robusta caiu em 17%. As fortes exportações do Brasil, onde o Real mais fraco estimulou os exportadores a colocar mais grãos no mercado global, ajudaram a reduzir os preços.

Analistas disseram que produzir mais cafés especiais dá aos pequenos produtores africanos uma vantagem comparativa sobre os produtores de grande escala na Ásia e na América Latina. “Mais produtores podem agora alcançar mercados nicho para café que oferecem retornos mais fortes – isso é muito encorajador para nossos produtores”, disse o presidente do órgão de regulamentação de café e cacau de Camarões, Michael Ndoping.

Além disso, a participação da África nos mercados globais de café caiu de 30% da produção nos anos setenta para os atuais 10%, devido à volatilidade nos mercados, que estimulou muitos produtores a mudar para outras colheitas.

Como resultado, as exportações de café africano continuam com tendência de baixa, disse o diretor da Café África, John Schluter. “Há muita competição pelo café, pela terra e pela mão de obra”. Para tornar a indústria mais resiliente, os cafeicultores africanos devem emular os produtores como os da Etiópia, que consomem mais de seu café, disse o diretor gerente da Kyagalanyi Coffee Ltd., um exportador de café de Uganda, David Barry.

O rendimento das colheitas de café da África é o menor do planeta, devido em grande parte às plantas velhas em solo ruim, disse o presidente da World Coffee Research, Tim Schilling. A mudança climática aumentará os desafios, incluindo insetos e doenças. Entretanto, um modelo preditivo mostrou que o Brasil perderá 50% de suas terras de produção de café até 2050, enquanto a África perderá 15% a 20%. “Isso mostra que a África está tendo essa maior vantagem competitiva com relação a outros países produtores”, disse Schilling, o que torna os países produtores de café do continente adequados para investimentos.

As informações são do The Wall Street Journal/ Tradução por Juliana Santin 

0

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.