FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Projeto Campo Futuro apresenta custos da produção de café em Minas Gerais

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 19/10/2020

2 MIN DE LEITURA

0
1

Durante os dias 15 e 16 de outubro, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) realizou painéis virtuais do Projeto Campo Futuro para levantar os custos de produção de café, soja, milho e sorgo nos municípios mineiros de Manhumirim e Campo Florido.

O objetivo do projeto é reunir informações estratégicas das propriedades modais (típicas) para conhecer a realidade das regiões e auxiliar os produtores na administração de custos, de riscos de preços e gerenciamento da produção.

O painel de café arábica aconteceu na quinta-feira (15) e contou com a participação de produtores de Manhumirim, técnicos do Sistema Faemg/Senar e do Centro de Inteligência em Mercado da Universidade Federal de Lavras (CIM/Ufla).

Dados preliminares do levantamento apontaram uma propriedade modal com área produtiva de cinco hectares, sistema não irrigado e colheita 100% manual. A produtividade média da região é de 35 sacas por hectare.

De acordo com a assessora técnica da CNA, Raquel Miranda, há uma tendência da presença de meeiro nas atividades de mão de obra na região. “Diante desse cenário, a mão de obra teve participação de 53% no Custo Operacional Efetivo (COE) da saca de café. Fertilizantes, defensivos e corretivos correspondem a 29% do COE e não há gasto com mecanização”, explicou. Segundo ela, o produtor de café arábica de Manhumirim tem sido remunerado em curto e médio prazo pela atividade.

Na sexta-feira (16), o projeto levantou informações junto aos produtores de grãos de Campo Florido. Técnicos do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), além de representantes da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg) e do Sindicato dos Produtores Rurais de Campo Florido participaram do encontro on-line.

Os produtores afirmaram que a soja apresentou produtividade de 60 sacas por hectare, dez sacas a mais do que na safra passada. “O bom preço e a boa produtividade garantiram margens positivas aos produtores que, segundo eles, cobriram até o custo total da margem”, disse o assessor técnico da CNA, Fábio Carneiro.

Com relação ao milho 2ª safra, os produtores informaram que o controle da cigarrinha tem sido um grande desafio. Eles têm optado por variedades resistentes ou utilizam até três aplicações de inseticidas para controle da praga.

O levantamento de custos apontou que o curto período de chuvas na região reduziu o potencial produtivo do milho 2ª safra. A expectativa era de 95 sacas por hectare, entretanto, a produção chegou a 70 sacas/hectare, abaixo da média estadual de 105,4 sacas/hectare.

“O resultado preliminar do painel indica que, na safra 2019/2020, os bons preços do milho permitiram aos produtores pagarem os custos operacionais, mas não foram suficientes para cobrir o custo total da lavoura”, explicou o assessor técnico da CNA.

A respeito do sorgo, os produtores disseram que é uma opção de segunda safra, pois consegue produzir bem, mesmo com uma janela de chuvas apertada. “Na região há boa demanda de compra de sorgo para alimentação animal e semente. O painel apontou que o sorgo pagou todos os custos de produção do produtor e foi a melhor opção na segunda safra”, concluiu Fábio Carneiro.

Se você for produtor de café, participe da Pesquisa Cafeeira - Safra 2020/2021 clicando aqui

As informações são do CNA.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint