FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Produtores de café do Quênia adotam processamento doméstico para buscar melhores preços

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 09/06/2020

2 MIN DE LEITURA

0
0

Alguns pequenos cafeicultores do Quênia começaram a processar café para proteger a qualidade, com o objetivo de obter uma fatia do lucrativo mercado de exportação de especiais, em que os grãos de café de qualidade alcançam um preço mais alto.

Dados da Nairobi Coffee Exchange mostram que o café de alta qualidade, conhecido como grau AA, alcançou até 45.326 xelins (cerca de 427 dólares) por saca de 50 kg, em comparação com o preço de 199 dólares buscado pela maioria do café, durante o leilão que terminou em 24 de maio.

Samuel Muchiri, agricultor no Condado de Kirinyaga, no Quênia central, está entre os pequenos agricultores que adotaram mudanças no processamento a fim de manter a qualidade e, portanto, obter um preço melhor. "Café de alta qualidade vale mais. Por isso, decidi fazer o processamento doméstico para garantir a alta qualidade", afirmou.

Quando o café é processado em casa, é levado para um moinho onde também é moído separadamente e depois classificado como pronto para leilão na capital Nairóbi ou exportação direta.

Tradicionalmente, no Quênia, o café colhido verde é levado para uma fábrica de processamento comum de propriedade de agricultores, onde diferentes graus são misturados. Embora a classificação ocorra posteriormente quando o café é moído, o pagamento final geralmente é uma média do preço obtido por todas as notas, o que significa que os agricultores que precisam cuidar do café para obter uma nota melhor não são recompensados.

De acordo com Muchiri, o processamento do café em casa permitiu que ele ganhasse pelo menos o dobro e, às vezes, o triplo do dinheiro ganho por outros agricultores que vendem através das sociedades cooperativas. "Meu café vai para o mercado como cultivado organicamente e, portanto, café especial, que busca um prêmio", disse ele.

Gichuki Wambari, do condado de Nyeri, também no centro do Quênia, disse que investiu cerca de mil dólares em máquinas para processar seu café. "O pagamento do café processado em casa é melhor do que processar e vender coletivamente", aponta. Segundo ele, apesar de ainda não estabelecer um mercado estável para o café que processa e depois terceiriza os serviços de moagem, ele está obtendo melhores retornos.

O processamento doméstico faz parte das reformas formais e informais em andamento no setor cafeeiro. O presidente Uhuru Kenyatta nomeou um comitê para aconselhar e orientar reformas na indústria em 2016. O relatório final do comitê estará pronto em julho.

O ministério da agricultura do Quênia também tem buscado novos mercados de café na China e no Oriente Médio para reduzir a dependência do mercado europeu tradicional.

As informações são da agência Xinhua / Tradução Juliana Santin

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.