ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Preocupações com oferta diminuem e preços caem, avalia OIC

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 07/04/2017

0
0
Da redação

A Organização Internacional do Café (OIC) acompanhou a queda em todos os preços indicativos de grupos no mês de fevereiro, mas avaliou que no caso dos robustas a queda foi maior. Segundo o Relatório sobre o mercado de café de fevereiro de 2017, com a suspensão de uma quota de importação, a controvérsia sobre a necessidade do Brasil de importar café robusta para aliviar déficits de oferta continuou.

Gráfico 1: Preço indicativo composto diário da OIC


Lá fora, estoques cada vez maiores nos países importadores e perspectivas favoráveis para a safra de 2017/2018, no Brasil principalmente, abrandaram um pouco as preocupações com a oferta. Segundo a OIC, no tocante ao valor das exportações mundiais em 2015/2016, nossa estimativa inicial mostra que ele foi 6% superior ao do ano anterior.

QUEDA NOS PREÇOS
Com a pequena queda dos preços do café, a média mensal do preço indicativo composto da OIC diminuiu 1%, passando de 139,07 centavos de dólar dos EUA por libra-peso em janeiro a 137,68 em fevereiro. O indicativo composto flutuou numa faixa de quase 10 centavos em torno da média, entre um ponto alto de 142,09 centavos em 1º de fevereiro e um ponto baixo de 133,02 no dia 27. O aumento de preços observado em janeiro cessou, em reação a maiores estoques e a perspectivas positivas quanto à próxima safra no Brasil.

Gráfico 2: Preços indicativos diários dos grupos da OIC


A média mensal dos preços dos robustas, entre todos os grupos, registraram a queda mais acentuada (-1,7%), passando de 108,32 a 106,49 centavos de dólar dos EUA por libra-peso. Os preços diários, porém, caíram o mês todo, atingindo um ponto baixo de 103,54 centavos antes de fechar o mês em 105,33 centavos. Isso revela uma inversão da tendência positiva dos preços dos robustas em fevereiro, depois da maior alta de 5 ½ anos em janeiro. Os indicativos dos grupos dos arábicas também caíram um pouco: 0,8% e 1,3% no caso dos Suaves Colombianos e dos Outros Suaves, mas só 0,1% no caso dos Naturais Brasileiros, quase inalterados em relação ao mês anterior. A arbitragem entre as bolsas de Londres e Nova Iorque diminuiu 3,5%, de 52 para 50,18 centavos de dólar dos EUA por libra-peso.

Em fevereiro os preços evoluíram contra o pano de fundo de uma disputa no Brasil quanto a permitir ou não a importação de robusta para mitigar a escassez de oferta resultante de uma safra escassa do conilon, que levou ao aumento de seus preços internos e ao uso consequente de Arábicas de qualidade inferior em vez de Robusta pela indústria do solúvel. Enquanto os processadores do solúvel defendiam a importação de uma quantidade limitada de robusta, os cafeicultores argumentavam que a oferta interna era suficiente e que as importações seriam prejudiciais à produção nacional. Em 22 de fevereiro, o Presidente da República suspendeu a aprovação de uma quota de importação prevista em 1 milhão de sacas, para permitir uma análise mais aprofundada do assunto.

Estima-se que, enquanto isso, o Vietnã – o principal país produtor de robusta – exportou 11,9% mais café nos quatro primeiros meses do ano cafeeiro de 2016/2017 que no mesmo período de 2015/2016. Os estoques certificados das bolsas de Nova Iorque e Londres aumentaram, respectivamente, 3,1% (de 1,45 para 1,49 milhão de sacas) e 2,5% (de 2,73 para 2,80 milhões). As condições meteorológicas no Brasil continuam em grande parte positivas, atenuando um pouco as preocupações com a oferta, apesar de chuvas abaixo da média na principal região produtora de Conilon, centrada no Espírito Santo.

Gráfico3: Arbitragem entreas bolsas de Nova Iorque e Londres




A OIC divulgou, ainda, dados preliminares sobre o valor das exportações de todos os países exportadores no ano cafeeiro de 2015/2016. Segundo o Relatório é possível estimar movimentação de US$ 20,1 bilhões, por um volume de 104,8 milhões de sacas. Esse valor é 5,9% superior ao de 2014/2015, apesar de uma queda de 1,4% no volume total das exportações, refletindo o aumento dos preços durante o ano passado.

Gráfico 5: Volume e valor das exportações mundiais de café (2011/12 -2015/16)

As exportações de todos os países exportadores em janeiro de 2017 totalizaram 9,8 milhões de sacas, elevando o total cumulativo exportado de outubro de 2016 a janeiro de 2017 (ano cafeeiro de 2016/2017) a 39,9 milhões de sacas, ante 36,7 milhões no mesmo período do ano cafeeiro anterior – um aumento de 8,9%. As exportações dos robustas e dos arábicas aumentaram 7,4% e 9,7%, respectivamente, durante o período.
 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.