FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Gene de café resistente a seca é tema de reunião na Câmara dos Deputados

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 08/05/2013

5 MIN DE LEITURA

0
0
O Centro de Estudos e Debates Estratégicos da Câmara dos Deputados, em Brasília-DF, promoveu reunião para discutir utilização do gene de café resistente a seca em culturas, como açúcar, soja, arroz, trigo, feijão e algodão. Na ocasião, o gerente-geral da Embrapa Café, Gabriel Bartholo, fez exposição sobre andamento dos resultados e estudos para adaptação genética de plantas ao semiárido, o que irá auxiliar na convivência do homem com a seca. O presidente do Centro, Inocêncio Oliveira (PR-PE), pediu para incluir verba específica visando a estimular mais rapidez a essa pesquisa. O objetivo é garantir a produção, mesmo durante a estiagem, de produtos essenciais à mesa do brasileiro e para a riqueza do País, por meio da agregação, às suas respectivas plantas, da característica de tolerância à seca.

Sobre a pesquisa - De acordo com Bartholo, foi a partir do projeto que traçou o genoma do café, desenvolvido pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia e pela Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo – Fapesp, que a pesquisa feita pela Empresa em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ identificou o gene (CAHB12), presente no café arábica e altamente tolerante a seca. Em sequência, os pesquisadores transferiram esse gene para outra planta (Arabidopsis thaliana), que foi submetida a um regime de 40 dias sem água e permaneceu saudável. “As ‘testemunhas’, plantas da mesma espécie que não receberam o gene, morreram em 15 dias. Mais do que isso, as sementes ficaram resistentes até a terceira geração”, explica.

O gene do café está sendo testado em casas de vegetação em plantas de interesse agronômico de culturas comerciais como cana de açúcar, soja, arroz, trigo, feijão e algodão. Depois dessa fase, passarão pelo teste de campo. Segundo o gerente geral, as expectativas da pesquisa são promissoras, beneficiando não só o Semiárido, mas também as demais regiões brasileiras a médio e longo prazos. “Estima-se que em cerca de 6 a 8 anos se obtenha cultivares tolerantes a seca. É um trabalho de parcimônia, com a realização de muitas checagens de benefícios/malefícios, inclusive sob o ponto de vista da saúde humana. Espera-se também que não se altere características agronômicas de interesse nas plantas estudadas e que haja tolerância a seca nas gerações seguintes”. Bartholo também enfatizou a importância de não se ter limitação de recursos, o que ameaçaria a continuação do projeto e até a perda dos dados já obtidos.

Além da expectativa de aumento ou manutenção dos níveis de produção econômica e de desenvolvimento social, os pesquisadores envolvidos no estudo acreditam que, com o cultivo de plantas resistentes a seca, será possível reduzir os impactos ambientais provocados pela atividade, uma vez que abre perspectivas de menor consumo de água.

A descoberta da Embrapa e UFRJ, já registrada no Instituto Nacional de Propriedade Industrial – INPI, agora deverá buscar patente internacional, por meio do Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes (PCT), gerido pela Organização Mundial de Propriedade Intectual – OMPI. “Ainda há um longo caminho pela frente para ter domínio da patente. A Embrapa está se empenhando firmemente nisso”, garante o gerente geral da Embrapa Café.

Deputados presentes - Da Câmara dos Deputados, estavam presentes os deputados Inocêncio Oliveira (PR-PE), presidente do Centro de Estudos e Debates Estratégicos, e Luiz Henrique Cascelli de Azevedo, secretário executivo. Compararecem à reunião também os deputados José Linhares (PP-CE), Waldir Maranhão (PP-MA), Paulo César (PSD-RJ), Amauri Teixeira (PT-BA), Leopoldo Meyer (PSB-PR), Francisco Tenório (PNB-AL), José Humberto (PHS-MG), Alexandre Toledo (PSDB-AL), Marcelo Castro (PMDB-PI), Afonso Florence (PT-BA), Raimundo Gomes (PSDB-CE), João Paulo Lima (PT-PE) e Luciana Santos (PCdoB-PE).

De forma geral, os deputados se mostraram interessados em saber se o prazo de 6 a 8 anos na obtenção das cultivares poderia ser diminuído para que a seca tenha seus efeitos minimizados mais rapidamente. Sobre isso, Bartholo esclareceu que esse tempo pode ou não ser encurtado, dependendo das exigências da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança – CNTBio, e dos progressos e time da pesquisa. Ponderou que, do ponto de vista científico, as pesquisas precisam avançar nos testes para que seja comprovado com segurança que as gerações seguintes tenham longevidade e produtividade igual ou superior à original.

Origem do gene resistente a seca – É consequência do trabalho, realizado em parceria por instituições participantes do Consórcio Pesquisa Café e pela Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo – Fapesp, de mapeamento de 200 mil sequências de DNA, dos quais mais de 30 mil genes foram identificados como responsáveis por diversos mecanismos fisiológicos de crescimento e desenvolvimento do cafeeiro. Desse manancial genético, saiu o gene identificado e testado pelos pesquisadores, denominado CAHB12. A decifração do código genético do café, o genoma café, foi pioneirismo brasileiro e colocou o Brasil na vanguarda das pesquisas em café.

Esse banco de dados, o maior do mundo para o grão, está à disposição das 45 instituições que compõem o Consórcio Pesquisa Café, distribuídas em 14 estados brasileiros. As informações estão guardadas pela Rede de Genomas Agronômicos e Ambientais da Fapesp e pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.

Benefícios do genoma café - O domínio do código genético tem tornado possível o desenvolvimento de variedades mais produtivas, tolerantes a variações climáticas (como seca e geada) e resistentes ao ataque de pragas e doenças, com reflexos diretos no custo de produção, na proteção ambiental e no incremento de 20 a 30% na produtividade das lavouras, em função do menor uso de defensivos agrícolas. Além disso, os dados gerados pela pesquisa aceleram a obtenção de cultivares de melhor qualidade, aroma, sabor e propriedades nutracêuticas do grão, agregando qualidade ao produto e mais satisfação e saúde para o consumidor.

Consórcio Pesquisa Café - Congrega instituições de pesquisa, ensino e extensão localizadas nas principais regiões produtoras do País. Seu modelo de gestão incentiva a interação das instituições e a otimização de recursos humanos, físicos, financeiros e materiais. Foi criado por dez instituições: Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola - EBDA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais - Epamig, Instituto Agronômico - IAC, Instituto Agronômico do Paraná - Iapar, Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural - Incaper, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Mapa, Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro - Pesagro-Rio, Universidade Federal de Lavras - Ufla e Universidade Federal de Viçosa - UFV.

As informações são da Gerência de Transferência de Tecnologia da Embrapa Café.
 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint