ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Cafés finos ganham batalha contra ferrugem na Guatemala

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 21/10/2014

2 MIN DE LEITURA

0
0
O café fino é o mais cotado a nível internacional devido à altura em que é feito o cultivo e também é o que recebe o melhor preço. “Por anos, havia tido uma participação nas exportações de 75%, mas na colheita passada, chegou a 79%”, explicou o presidente da Associação Nacional de Café da Guatemala (Anacafé), Nils Leporowski.

Nils explicou que o aumento é algo positivo para o país, apesar dos problemas enfrentados no setor devido às perdas pela ferrugem. No ano cafeeiro de 2013/2014, as exportações chegaram a 3,128 milhões de sacas de 60 quilos, o que representa uma diminuição de 15% comparado com a safra de 2012/2013, quando foram exportadas 3,68 milhões de sacas. Do total exportado na colheita passada, 2,46 milhões de sacas (79%) foram de cafés finos ou estritamente duros, segundo a Anacafé.

Entre os principais destinos para esse tipo de café estão Estados Unidos, para onde foram exportados 43% do total; Canadá, com 10%; Japão, com 14%; e Coreia, com 2%.

“Os cafeicultores implementam melhor as técnicas para produzir café de maior qualidade e, dessa forma, satisfazer a demanda internacional. Notamos que os cafeicultores do Oriente migraram às montanhas para cultivar o grão, devido ao fato de que até um tempo atrás, a praga não tinha chegado a afetar essas áreas como ocorre nas partes baixas”, disse o cafeicultor de Santa Rosa, Daniel Morán. Ele também explicou que, nas partes altas, não somente se produz um melhor café, mas também valorizam o preço pago por ele.

O representante da fazenda Três Generaciones, Carlos Herrera, disse que o mercado internacional paga cerca de US$ 25,8 a mais por quintal (saca de 46 quilos) de café fino comparado com o café tradicional, que no mercado atual tem um preço aproximado de US$ 116,43.

“Os produtores que já têm fazendas nas partes altas também melhoraram as técnicas de cultivo e colheita. Está sendo dada mais atenção à produção, de forma que a quantidade colhida e exportada é maior”, disse Herrera.

Os torrefadores internacionais preferem o café fino devido ao fato de esse ser mais forte e render mais. O café estritamente duro é cultivado a uma altitude de 1.364 metros acima do nível do mar. É um grão compacto e ondulado em sua superfície, com uma fenda bastante fechada e torcida em ziguezague, em geral com uma cor que vai desde verde oliva para verde ótimo, segundo a região. As características para determinar o tipo de café são a intensidade, qualidade, fragrância, no café moído e na infusão.

Devido ao aumento das chuvas nos últimos dias, o setor cafeicultor da Guatemala está preocupado pelo possível aumento da ferrugem do café. “Estamos muito preocupados, porque os produtores não têm dinheiro para fazer a última aplicação de fungicida contra a ferrugem, pela falta de fundos e o aumento da chuva poderia elevar a presença da ferrugem nas plantas”, explicou Leporowski. Até o momento, não se tem reportado aumento nos casos da praga, mas a entidade avalia as zonas.

A reportagem é do https://www.prensalibre.com. / Tradução por Juliana Santin 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint