ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Cafeicultores e técnicos trocam experiências sobre secadores estáticos em visita de campo

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 23/06/2021

3 MIN DE LEITURA

0
1

O Sistema FAEMG/SENAR/INAES, em parceria com o Sindicato dos Produtores Rurais de Boa Esperança, promoveu uma visita de campo à fazenda Campão Comprido por meio do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG Café+Forte). A iniciativa do técnico Guilherme Ferreira Marques tinha como objetivo que produtores e técnicos pudessem aprimorar, na prática, o seu conhecimento sobre secadores estáticos de café.

Na visita, o proprietário da fazenda, Eugenio Monteiro Junior, contou suas experiências com os equipamentos. Há sete anos, ele tinha dois secadores rotativos e estava ficando inviável secar o café no terreiro. Em um ano de bienalidade alta, contou com a ajuda de 24 pessoas. Para fazer o trabalho da maneira correta, ele investiu em lonas. Neste momento, descobriu o secador estático e comprou alguns para a propriedade. Antes dos equipamentos, 80% de sua produção era bebida dura. Hoje, 80% de sua produção é bebida mole.

Eugenio também contou sobre a sua vivência no campo e compartilhou dicas com os produtores: “Os secadores estáticos têm uma tecnologia muito simples. No maquinário, entra um fluxo de vento que faz o mesmo efeito do café no terreiro. O vento passa por toda a massa do café. Se o secador não for dimensionado, o produtor terá problemas com o produto. Existem três coisas que não podem ser feitas em um secador estático: a compactação, ou seja, a maneira de colocar o café dentro da caixa, a falta de vento no café quando ele estiver acima de 20% de umidade e a temperatura alta”.

O produtor Afrânio Reguin, atendido pelo ATeG Café+Forte, já participou de cursos do Sistema FAEMG/SENAR/INAES e, desde então, a sua propriedade tem evoluído muito em produção e gestão. “Mais uma vez, o Sistema FAEMG/SENAR/INAES está ao lado do produtor. Tenho um secador estático na minha propriedade, mas ainda tinha muitas dúvidas sobre o maquinário. Graças ao Sistema, agora, vou conseguir trabalhar corretamente e melhorar minha renda com o equipamento”, comentou.

Para o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Boa Esperança, Henrique Rezende Pacheco, o treinamento ofereceu novas possibilidades para a colheita. “Esta visita guiada foi muito válida. É um intercâmbio de ideias que agrega valores para os cafeicultores. O Sistema FAEMG/SENAR/INAES proporcionou um conhecimento diferenciado. Na prática, adquirimos experiências e dicas de pós-colheita”, destacou.

O mobilizador do Sindicato dos Produtores Rurais de Varginha e do Sindicato dos Produtores Rurais de Monsenhor Paulo, Diego Carvalho Cauvilla, acredita na tecnologia e nas visitas de campo. “Este encontro foi fundamental para mostrar novas tecnologias para os produtores. Depois deste treinamento, muitos terão uma melhoria na qualidade e no custo de suas produções. Visitar um empreendimento que é referência é essencial para o crescimento das pessoas que trabalham no campo”, disse.

O gerente regional do Sistema FAEMG/SENAR/INAES em Lavras, Rodrigo Ferreira, destacou que para muitas pessoas, o processo com secadores estáticos ainda é recente. Alguns produtores já possuem o maquinário, mas, quando aplicarem estas técnicas e aprimorarem o uso, terão melhores resultados em suas produções.

“O trabalho em grupo e o espírito colaborativo fazem parte das qualidades que buscamos durante a seleção de produtores para o ATeG. Este tipo de ação, permite difundir tecnologias viáveis. Caberá a cada produtor, agora, fazer o ajuste à sua realidade e implantação de mais uma adequação tecnológica na propriedade, visando à qualidade do café e, consequentemente, à maior rentabilidade”, explicou Rodrigo.

Dentro da programação, o grupo também visitou o Sítio São Sebastião, em Santana da Vargem. A propriedade possui cafés das variedades mundo novo, catuaí 144, arara, catucaí 24/137 e topázio. As lavouras recebem o mesmo manejo e tratamento. Assim, os produtores viram, na prática, as diferenças nas produções.

“Muitos produtores têm dúvidas e receio de plantarem novas variedades. Com esta visita, conseguimos mostrar para eles que é possível e rentável apostar em novas diversidades. O ideal é o produtor ter maturação precoce, média e tardia, assim, ele consegue escalonar a colheita, colher café por mais tempo e ter um produto de qualidade”, destacou o técnico Guilherme.

As informações são da Assessoria de Comunicação Senar Minas – Regional Varginha (Por Karoline Sabino)

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint