FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

O agronegócio e a inflação: uma história para o café da manhã

Por Paulo Henrique Leme
phleme@dae.ufla.br

Em épocas de inflação ninguém liga para os brioches franceses, mas todos nós ficamos de olhos bem abertos para o pão com manteiga e para o cafezinho com leite. Com certeza, o preço da cesta básica do brasileiro é um índice importante para medir os avanços do dragão da inflação. Por sua vez, a mídia reflete estas preocupações, e o instinto jornalístico não falha: vamos à fonte. E vamos bater à porta dos produtores rurais. 

Os exemplos recentes são diversos e passam dos famigerados tomates até o feijão nosso de cada dia, pincelando com aromas de café e de pãozinho. O apelo noticioso varia conforme a disposição da mesa dos brasileiros. Se for ao jornal da manhã, o café com leite e o pãozinho vestem suas máscaras de bandidos de faroeste. E vamos às cenas de vaquinhas felizes. Nada mais oportuno, pois o pai de família acabou de chegar da padaria da esquina e percebeu que mais moedinhas foram usadas para pagar a conta. Se for ao meio dia, os tomates de ouro dão seu ar da graça enquanto a dona de casa prepara o almoço. E a reportagem mostra o produtor contratando seguranças para seus galpões.

Não é crueldade com nosso sofrido agricultor, é notícia. E se é notícia, precisamos refletir sobre ela, pois mais uma vez é a imagem do agro brasileiro quem está pagando a conta. A sociedade não está interessada se no ano passado os tomaticultores tiveram prejuízos enormes devido a uma supersafra, ou se as chuvas fora de época causaram perdas em polos produtores. Porém, se o governo anuncia que irá aumentar o preço mínimo do café para balizar o mercado em franca decadência, a conta começa a não fechar. Se o preço do cafezinho subiu no balcão, porque aumentar?

E os economistas do governo fazem jogo duro com os técnicos do Ministério da Agricultura. Os gráficos da queda do preço do café no mercado internacional e doméstico são claros, porém, os gráficos da cesta básica (da qual o café faz parte) são mais alarmantes e vão impactar no índice inflacionário ao final de mês. E as notícias no jornal da manhã não serão agradáveis.

Neste jogo de quem apaga o incêndio mais rápido pouco se fala das questões estruturais. E mesmo quando se discute o tema, falamos apenas em estradas, ferrovias e portos. Ou então, sobre como os caminhões de soja atrapalham o trânsito nas estradas brasileiras. Sim, o agro brasileiro precisa de logística para escoar suas supersafras, mas precisamos falar de algo tão fundamental quanto.

Um problema crônico hoje é a estrutura de produção dentro das lavouras brasileiras. As ilhas de excelência de soja, milho, algodão, etc., são exceções à regra. Devemos exaltar os profissionais (agricultores e técnicos) que constroem oásis de desenvolvimento em terras inóspitas. Mas não podemos fechar os olhos para uma gigantesca massa de pequenos e médios agricultores e pecuaristas que não possuem acesso à tecnologia e à assistência técnica de qualidade. E não podemos deixar de falar de uma gigantesca ferramenta de apoio que hoje está sucateada: o crédito rural. Os agrônomos e zootecnistas foram excluídos do sistema de crédito dos bancos oficiais. Agora é o gerente quem decide quem pode ou não receber dinheiro para custeio ou investimento, de acordo com seu “perfil” e lógico, movimentação bancária e de “produtos” do banco. As entidades de classe estão mudas.

Estas constatações não são novidade para quem conhece o agro brasileiro. Muitos de nós conhecemos de perto assentamentos de pequenos produtores que não funcionam por não terem condições básicas de conhecimento e tecnologia. Ou de médios produtores que retiram dinheiro de outros negócios para bancar prejuízos no leite e no café. Porém, quando existe suporte e crédito responsável, o “milagre” das ilhas de excelência acontece. Sabemos que não é milagre. É trabalho duro, e com propósito claro.

A política de apagar incêndios não funciona para controlar a inflação. Produtores capitalizados, com suporte técnico adequado não ficam à mercê de bolhas de preços altos. São produtivos de forma constante, investem de forma adequada e não deixam faltar à mesa dos brasileiros produtos da cesta básica. Cafeicultores capitalizados, e com produtividade alta, possuem gestão de riscos e de qualidade. E quando investimos em tecnologia, assistência e crédito responsável, retiramos do mercado os ineficientes que não conseguem retorno da atividade e com baixa produtividade inundam o mercado de tempos em tempos, jogando os preços para baixo e prejudicando os eficientes. Precisamos falar disso.

Isto não é notícia. É dever de casa para refletir. Quando vierem com extintores de incêndio, vamos solicitar apoio para contratar bombeiros e engenheiros para evitar que o fogo apareça. E claro, vamos trabalhar para que o preço da cesta básica vire o mocinho das histórias dos jornais da manhã, tendo a certeza de que nossos produtores conseguem fechar suas contas no fim do mês. O combate à inflação é dever de todos.

Foto abaixo: do Jornal "O Tempo" de hoje, 04/06/2013.



"Após tomate, batata e mamão são os novos vilões da inflação"

Fonte: http://www.otempo.com.br/capa/economia/ap%C3%B3s-tomate-batata-e-mam%C3%A3o-s%C3%A3o-os-novos-vil%C3%B5es-da-infla%C3%A7%C3%A3o-1.657316

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

SAMUEL HENRIQUE FORNARI

SÃO JOSÉ DO RIO PARDO - SÃO PAULO - DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS (CARNES, LÁCTEOS, CAFÉ)

EM 17/06/2013

Parabéns PH, excelente artigo!!!
Cansamos de escrever neste espaço sobre os desmandos deste governo. Agora o movimento dos 0,20 centavos, que nada mais tem a ver com isso, e sim com o povo cansado de um país que não cresce, com inflação, altos impostos sem qualquer contraprestação por parte do estado. O movimento cresceu de um estopim e está se tornando incontrolável!!!! Literalmente a casa caiu!!!!
Como mostra uma das mensagens mais comentadas na internet hoje:" O povo acordou, o povo decidiu, ou para a roubalheira, ou paramos o Brasil!!!!! E agora???
LUIZ CARLOS DE MOURA PIMENTEL

GARANHUNS - PERNAMBUCO

EM 17/06/2013

Excelente. É bom que assim refletimos como nossas políticas de apoio são pobres e desinteressadas.
EDUARDO CESAR SILVA

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 06/06/2013

Parabéns pelo belo texto PH. Esse artigo tinha que chegar ao grande público que desconhece essas questões.

Abraços.
AFONSO CARLOS VICENTE LEME

BRAGANÇA PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 05/06/2013

Caro PH, parabéns pelo texto.Eficiente e realista.É a expressão da mais pura realidade com que o setor agropecuário, o grande responsável pelo sucesso econômico do nosso Brasil, é tratado nas questões do dia dia da mídia, que na maioria das vezes na ansia de querer dar sensacionalismo às notícias coloca o setor agropecuário, quando não, os próprios produtores rurais como vilões pela alta de preços de um determinado produto.Mais uma vez PARABÉNS!!!