ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Sistema de poda para safra zero em cafeeiros reduz perdas por estiagens

POR JOSÉ BRAZ MATIELLO

FOLHA PROCAFÉ

EM 14/01/2022

2 MIN DE LEITURA

0
0

Observações em campo mostram que as lavouras de café podadas por esqueletamento no sistema safra zero, e que se encontram, nesta safra, em ciclo de produção, tiveram menores perdas por efeito das estiagens.                          

As lavouras de café das principais regiões produtoras do país vêm sofrendo por estresses hídricos registrados nos dois últimos ciclos, provocados por redução das chuvas e por temperaturas mais altas. Em consequência, tem havido perdas significativas de produtividade. Neste último ano, vem sendo observados problemas de dois tipos, os quais vão representar quebras de safra. O primeiro problema ocorre em cafeeiros que tiveram baixa indução de gemas florais, o que levou à redução na emissão de flores. Nesse caso, embora as lavouras vinham com bom potencial produtivo para a safra de 2022, surpreendentemente emitiram poucas gemas/botões e flores. O segundo foi o mau pegamento da florada, no que se conhece como abortamento dos frutinhos. Nessa situação, plantas que floresceram normalmente apresentaram, em seguida, frutinhos enegrecidos, resultando na ausência ou em poucos frutos por roseta.         

A problemática de redução na floração/frutificação esteve relacionada com o stress hídrico, que provocou a falta de água e de reservas nas plantas, embora, em menor escala, pode ter havido algo de influência do frio mais intenso. Abortamento de chumbinhos pode, também, ocorrer em função de ataque de fungos como a Phoma, mas, em boa parte, o abortamento vem acontecendo em regiões onde, por condições climáticas, a Phoma não é problema.

Por outro lado, as lavouras de café podadas, que vinham de safra zero, sentiram menos o efeito da estiagem em função de terem, com a poda, maior equilíbrio entre a parte aérea e o sistema radicular das plantas, podendo, assim, se suprirem melhor de água. Além disso, por não terem safra no ano anterior, acumularam reservas na ramagem/folhagem nova/abundante. Os ramos dos cafeeiros apresentam frutificação normal, embora não se espere que estas lavouras produzam tão bem como se houvesse o suprimento normal de água, pois, em muitos casos, a falta de chuvas afetou o crescimento da ramagem.

Verifica-se, assim, que o sistema safra zero, além das vantagens de redução de custos nos tratos e na colheita, se mostra uma alternativa para as condições onde se pretende minimizar riscos com déficits hídricos.


Ramos de cafeeiros onde podem ser observados problemas de ausência, mumificação ou presença de poucos frutinhos, por efeito de stress hídrico


Em cafeeiros podados no sistema safra zero, frutificação normal na ramagem

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint