FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Upcycling: uma alternativa sustentável aos resíduos da agroindústria do café

ESPAÇO ABERTO

EM 18/06/2020

5 MIN DE LEITURA

1
16

Por Paula Thaís S. Soares1, Yasmin J. D. Sales2; Fernando J. B. Correa2; Mariana T. C. Machado2; Mônica M. Pagani2; Erick A. Esmerino1,2

Em levantamento realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), antes da disseminação da COVID-19, foi estimada para o ano de 2020, uma safra recorde de café no Brasil, com um aumento entre 15,9 % e 29,8 %, em relação ao ano anterior, podendo chegar ao volume de 62 milhões de sacas colhidas.

A aquisição do café como matéria-prima para a indústria, assim como a subsequente geração de resíduos produzidos ao longo do seu beneficiamento, seguem essa mesma tendência de crescimento. A preocupação com os problemas ambientais provocados pelos resíduos tem despertado o interesse no upcycling, expressão que denomina a técnica de reaproveitamento. Diversos estudos vêm ampliando o conhecimento a respeito de possíveis utilizações desse resíduo, gerando subprodutos de alto valor agregado, através da recuperação dos compostos bioativos presentes nos mesmos, tornando-os cada vez mais interessantes para as indústrias de alimentos, fármacos e cosméticos.

Após a colheita, o café passa pelas etapas de preparo, secagem e armazenagem. A secagem, fundamental para um produto de qualidade, pode ser realizada por via seca ou por via úmida. Na via seca, a mais comum no país, nenhuma camada é removida e as cerejas de café são dispostas ao sol para secar até que a umidade seja reduzida para aproximadamente 40%. Em seguida, são transferidas para os secadores até que alcancem 12% de umidade. A secagem por via úmida consiste na passagem, sob pressão, dos grãos por despolpadores, com auxílio da água na separação da casca, resultando em cafés descascados e despolpados que serão, na sequência, levados ao terreiro para a secagem propriamente dita.

Independente da via a ser utilizada, o fruto de café colhido, por possuir alto teor de água e açúcar, deve ser rapidamente submetido à secagem para evitar uma fermentação acelerada. Após essa etapa, aproximadamente 44% do peso da matéria seca restante, permanecem de forma residual como folhas, galhos, frutos verdes, casca, pergaminho, polpa, mucilagem e silverskin.

Dos resíduos gerados, as cascas podem ser reutilizadas como combustível, carvão, adubo orgânico e ração para animais O pergaminho, além dessas mesmas aplicações, pode servir como composto orgânico. A polpa pode ser aproveitada como adubo, condicionador do solo e ração animal, enquanto a mucilagem servirá como fonte de pectina ou meio de cultura. Vale ressaltar que a presença de compostos fitotóxicos e antinutricionais na composição dos resíduos de café pode limitar o uso direto nas aplicações no solo e como ração animal. No entanto, esses mesmos resíduos oferecem inúmeras vantagens, pois são ricos em antioxidantes, cafeína, ácidos clorogênicos, diterpenos, além de polissacarídeos, proteínas e minerais. Eles também apresentam componentes de interesse tecnológico e podem ser empregados como corantes naturais e aromatizantes. Além disso, o crescente número de patentes que reivindicam soluções para sua extração e uso em diversos alimentos, medicamentos e aplicações agrícolas revelam seu potencial futuro promissor para esses fins.

A maioria dos suplementos alimentares a base de café é feita com o grão verde, obtido a partir das sementes do café não torradas, evitando a perda de alguns componentes bioativos importantes, como compostos fenólicos, representados principalmente pelos ácidos clorogênicos. Recentemente, uma grande atenção tem sido dedicada aos subprodutos do café, como o silverskin, que fornece de forma mais econômica, os mesmos compostos bioativos encontrados nos extratos de café verde. Outro exemplo se refere à cafeína, um alcaloide com alta atividade antioxidante que pode ser extraída tanto a partir da cereja do café, como dos diferentes subprodutos obtidos do seu processamento.

Um volume significativo de borra de café que também é considerado como um resíduo da produção é liberado na fabricação de café solúvel. Uma tonelada de café cru gera em torno de 480 kg de borra, o que a torna um resíduo equivalente a aproximadamente 50 % do café torrado na indústria do café solúvel. De acordo com estudos realizados por Martinez-Saez (2017), o silverskin e a borra de café são fontes de compostos antioxidantes, fibras insolúveis, aminoácidos essenciais e açúcares com baixo índice glicêmico. Como são resistentes ao processamento térmico convencionalmente empregado nos alimentos, seguros no processo de digestão e possuem alto potencial de redução do risco de doenças crônicas não transmissíveis como obesidade e diabetes, o emprego de resíduos de café como ingredientes em produtos de panificação, bebidas e outros alimentos sustentáveis ??de alta qualidade sensorial se mostra um mercado promissor.

O setor de cosméticos é outro exemplo de segmento que tem apostado na utilização dos resíduos do setor cafeeiro como o silverskin, a borra, a casca e os grãos com defeito, para o lançamento de linhas elaboradas com ingredientes naturais para cuidados com a pele, com base nas propriedades dos seus compostos bioativos. Marcas conhecidas como Frank Body®, Origins®, 100% Pure®, Caudalie® e The Ordinary® já produzem e comercializam esse tipo de produto.

No meio ambiente, os resíduos de café podem ser usados para a produção de biochar, um produto rico em carbono, obtido através da decomposição térmica de matéria orgânica, que melhora a fertilidade do solo, reduz a emissão de gases de efeito estufa e retém água e nutrientes para as plantas. Além disso, há a possibilidade da utilização das cascas e da borra de café para aplicações energéticas como a produção de biocombustíveis, biodiesel, bioetano, através de processos termoquímicos. Como exemplo, startups provaram que os grãos de café e seus subprodutos podem se tornar recursos valiosos. Uma das pioneiras no uso de resíduos de café como matéria-prima sustentável, a Biobean® do Reino Unido, produz biocombustíveis sustentáveis a partir de grãos de café desde 2013. Paralelamente aos testes de biodiesel, a empresa começou a produzir "Coffee Logs", uma alternativa mais sustentável ao uso de toras de madeira em queimadores e fogões com múltiplos combustíveis. A empresa segue em expansão e está produzindo uma variedade de biocombustíveis sólidos, aromatizantes e fragrâncias naturais para cosméticos, alimentos e bebidas. Recentemente a startup alemã Kaffeeform® desenvolveu xícaras, pires e copos de café a partir da borra de café descartada por cafeterias e colaboradores selecionados, recebendo em 2018 o Red Dot Product Design Award, um dos principais prêmios de design do mundo. Colaborações intersetoriais entre as empresas McDonald’s e Ford Motor Company® que planejam criar novas peças de veículos usando borra de café descartada, também estão em alta.

No Brasil, o upcycling no setor cafeeiro ainda é insipiente, mas se mostra bastante promissor, especialmente por ser tratar do maior mercado produtor e consumidor deste produto. Novos caminhos e oportunidades sustentáveis para toda a cadeia agroindustrial do café têm sido desenvolvidos, através do aperfeiçoamento da produção, redução na geração de resíduos e agregação de valor aos seus subprodutos que apresentam potencial para serem utilizados como matérias-primas secundárias nas indústrias de alimentos, fármacos e cosméticos.

___

1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, Departamento de Alimentos, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

2 Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Tecnologia, Departamento de Tecnologia de Alimentos, Seropédica, Rio de Janeiro

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DANIEL PEREIRA CACERES

SÃO SEBASTIÃO DA GRAMA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 19/06/2020

Já existe biochar do material do café !
CaféPoint AgriPoint