FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Real fraco assusta os operadores de café

ESPAÇO ABERTO

EM 20/05/2019

0
0

Por Rodrigo Costa*

A capacidade de Jair Bolsonaro de se meter em confusões com declarações que não lhe ajudam a aglutinar o imprescindível apoio para aprovar reformas essenciais ao Brasil impressiona e levanta preocupações sobre as chances de executar a agenda liberal prometida em campanha, a qual Paulo Guedes tem comandado com embates difíceis.

O presidente, ao falar e tuitar demais, fornece munições para seus adversários, os quais estão mais preocupados no poder do que fazer algo sustentável a longo prazo para a economia do País e para a população.

Olhando para o mercado de café, o receio é a conjuntura permitir a reconstrução de um quadro de dar arrepios, como, por exemplo, o de 2001/2002, quando uma maxidesvalorização do Real e a proximidade de uma safra brasileira recorde – acima de 52 milhões – levou Nova Iorque e Londres para mínimas históricas, US$ 41.50 centavos por libra-peso e US$ 345 por tonelada, respectivamente.

Não estou dizendo que veremos níveis tão baixos, na verdade neste momento acredito que o chão do mercado fique entre US$ 80 e 85 centavos por libra-peso no arábica e US$ 1100 a 1200 por tonelada no robusta. Entretanto, se o Real entrar em uma espiral de desvalorização descontrolada, podemos ter de revisar estes níveis.

A melhora no fluxo de negócios, principalmente no Brasil, ajudou o contrato “C” a voltar a cair, também empurrado pela queda acentuada de Londres.

Com a colheita avançando por aqui, assim como na Colômbia e no Peru, a necessidade de vendas incrementa e o dólar americano firmando coloca um teto provisório nos mercados futuros, dando aos fundos mais confiança em renovar suas apostas de baixa.

Chuvas no cinturão de café brasileiro podem prejudicar a qualidade, caso se prolonguem muito nesta época, entretanto, agora a demanda por dinheiro para pagar o item mais custoso da produção está pesando mais.

Em meio à firmeza do basis, os agentes que precisam cobrir suas vendas e suas necessidades naturais de compras têm sido forçados a pagar diferenciais historicamente caros, após terem cansado de aguardar uma janela de enfraquecimento na reposição/exportação que não aconteceu.

O congresso colombiano aprovou uma contribuição de US$ 6 centavos por libra-peso sobre a exportação de café do país e subiu os requisitos de umidade para importações do produto, medidas que tentam amenizar a crise sofrida pelos seus produtores.

Em sua segunda estimativa para a safra 2019/2020, a Conab aponta uma produção total de 50,92 milhões de sacas, sendo 36,98 milhões de arábica e 13,9 milhões de conilon – grande parte do mercado trabalha com uma expectativa para o conilon entre 18 e 20 milhões de sacas.

Tecnicamente, o contrato de julho da ICE precisa respeitar 87,60 para evitar que os especuladores pressionem as cotações para os US$ 84,00 centavos por libra que vimos pela última vez em 15 de novembro de 2004 – ano cuja mínima foi 66,00 no dia 5 de janeiro.

Um fechamento acima de 92,25 pode trazer alguma recompra dos fundos, mas para tanto talvez precisemos ver o Banco Central entrando para diminuir a volatilidade e a depreciação do Real.

Uma ótima semana e bons negócios a todos.

*Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.