ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Plano ABC: crescimento em Minas

ESPAÇO ABERTO

EM 26/03/2012

0
0
Por Aline de Freitas Veloso - Analista de Agronegócios da FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais)



Vem ganhando espaço em Minas Gerais o Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas. O chamado Plano ABC foi instituído no Brasil com o comprometimento do governo federal com metas internacionais de redução das emissões de GEEs (gases do efeito estufa) desde o Rio-92 e a necessidade de aumento da produção agropecuária. Este plano está alinhado com a Política Nacional de Mudança do Clima, que estabeleceu como compromisso nacional voluntário ações de mitigação dos GEEs, de modo a reduzir entre 36,1% e 38,9% as emissões projetadas até 2020.

O principal objetivo do Plano ABC é aliar a produção de alimentos e de bioenergia à redução das emissões dos gases de efeito estufa oriundos das atividades agropecuárias. Pretende-se também reduzir o desmatamento, aumentar a produção agropecuária em bases sustentáveis, ampliar as áreas de florestas cultivadas e estimular a recuperação de terras.

Nesse sentido, desde o Plano Safra 2010/2011 estão sendo disponibilizados recursos de crédito rural, visando incentivar processos tecnológicos para a agricultura sustentável em todo o país.

Esse programa de financiamento da agricultura de baixo carbono (Programa ABC) tem por objetivos o fomento à recuperação de áreas e de pastagens degradadas, implantação e ampliação de sistemas de ILPF (integração lavoura-pecuária-floresta) e agroflorestais, sistema de plantio direto, fixação biológica de nitrogênio FBN, implantação e manutenção de florestas comerciais, tratamento de dejetos e implantação de agricultura orgânica.

No ano-safra 2010/2011, o Programa ABC disponibilizou aos produtores rurais e suas cooperativas, com recursos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), o montante de R$ 2 bilhões. Já no Plano Safra 2011/2012 estão sendo liberados R$ 3,5 bilhões.

A taxa de juros é de 5,5% ao ano e o limite de financiamento, de R$ 1 milhão por beneficiário. O prazo para pagamento varia entre cinco e 15 anos, garantindo ao produtor maior capacidade de quitação do empréstimo, de acordo com o seu projeto.

As propostas precisam atender aos objetivos do Programa e devem ser acompanhadas de documentação e projeto técnico específico. Mais informações sobre essas especificidades podem ser encontradas no Guia de Financiamento da Agricultura de Baixo Carbono, lançado recentemente pela CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil).

Em Minas, segundo informações do Banco do Brasil e da Central Crediminas, instituições financeiras que estão disponibilizando os recursos do Programa no estado, foram liberados R$ 31,9 milhões em 2011 e R$ 19,6 milhões até fevereiro de 2012.

A região do Triângulo/Alto Paranaíba foi a que apresentou maior número de contratos aprovados no âmbito do Programa nesses dois anos de vigência. Para essa região foram disponibilizados R$ 16,4 milhões e R$ 7,9 milhões, em 2011 e 2012, respectivamente.

São poucas as áreas disponíveis em Minas para o desenvolvimento de fronteiras agrícolas. Além disso, é necessária a preservação da vegetação nativa existente em forma de APP (Área de Preservação Permanente) e Reserva Legal, prevista por lei. A expansão das áreas urbanas e de exploração mineral também vem confirmar que é necessário o aumento de produtividade das áreas onde há produção agrícola e pecuária, para que o estado continue entre os mais produtivos do país e que o produtor obtenha renda de sua propriedade.

Assim, há grande expectativa de que os recursos do Programa sejam disponibilizados para recuperação de áreas degradadas e produção florestal em todo o estado, possibilitando o aumento da produtividade das diversas culturas desenvolvidas e recuperação das áreas agricultáveis não disponíveis para produção no momento.

É evidente que o Plano ABC é um instrumento de grande importância na busca do cumprimento dos objetivos e envolve diretamente as diversas instituições ligadas ao desenvolvimento rural do Brasil e de Minas. Todavia, o foco deve ser sempre o produtor rural. A simples existência do financiamento não basta. É necessária uma grande mobilização de instituições e técnicos habilitados para a elaboração dos projetos, que são mais complexos do que os de outras linhas de crédito.

Outro ponto fundamental diz respeito à assistência técnica: além de conhecer a tecnologia a ser adotada, o produtor precisa ter acesso a esses mecanismos. Dessa forma, faz-se necessária uma ampla divulgação de pesquisas científicas que permitam preservar o meio ambiente e aumentar a produção de alimentos.

É importante compatibilizar o desenvolvimento com a proteção do sistema climático e a redução das emissões de GEEs. Porém, mais importante ainda é dar condições para que o produtor rural possa se desenvolver, aumentando a produtividade a partir da inserção de tecnologias modernas e o correto acompanhamento de sua produção.

Dessa forma, a agropecuária mineira ficará cada vez mais competitiva, inclusive diante das barreiras ambientais impostas no comércio internacional. Além disso, a adoção das práticas agrícolas sustentáveis previstas no Plano ABC, desde que devidamente estimuladas e acompanhadas, criará oportunidades de negócios diferenciados dentro da lógica do mercado de créditos de carbono e da chamada economia verde. A inclusão desses produtores nesse mercado é outro ponto a ser discutido.

Não há mais como insistir em mecanismos de comando e controle que criminalizam e oprimem o setor que detém a maior possibilidade de redução de emissões de gases de efeito estufa. A saída de mestre para que o Brasil consiga cumprir os compromissos assumidos no que tange às mudanças climáticas passa necessariamente pelo estímulo ao produtor rural, que, mais uma vez, será o protagonista do desenvolvimento do país - sustentavelmente.

Participe da Enquete do CaféPoint: Você já aderiu ao Programa Agricultura de Baixo Carbono?

0

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.