FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Os fundos do café

ESPAÇO ABERTO

EM 09/09/2020

3 MIN DE LEITURA

0
0

Por Marcelo Fraga Moreira*

Na última semana, o Real desvalorizou 3,42%, saindo de R$/US$ 5,4960 para R$/US$  5,2480, e fechando a sexta-feira (4) a R$/US$  5,3080. Os fundos seguiram comprando mais de 12.000 lotes e agora estão comprados em +34.000 lotes (apesar dos indicadores mostrando o mercado “sobre comprado”, se sustentando acima da média móvel dos 200 dias a 125,00 centavos de dólar por libra-peso e tentando romper a média móvel dos 50 dias de 135,00 centavos de dólar por libra-peso).

Nesse período, o mercado de café negociou entre a mínima de 125,25 centavos de dólar por libra-peso na segunda-feira (31) e na máxima 135,45 centavos de dólar por libra-peso na sexta feira, encerrando com 134,00 centavos de dólar por libra-peso. Uma amplitude de 1.020 pontos entre a mínima e a máxima. Na semana, o Real desvalorizou 3,42% e o café em US$ valorizou 6,50%. Será que vamos ver o dezembro/2020 nos 150 centavos de dólar por libra-peso?

Fazendo uma rápida retrospectiva, desde dia 15 de julho de 2020 até agora, o café saiu da mínima de 98,95 centavos de dólar por libra-peso para a máxima de 135,45 centavos de dólar por libra-peso na última sexta-feira. Uma alta de 3.650 pontos em 37 pregões, ou 36,88%. Do outro lado, o Real saiu de 5,29 R$/US$, chegando a negociar nos 5,6727 R$/US$ (com os rumores da demissão do Ministro Paulo Guedes no dia 20 de agosto), fechando nos 5,3080 R$/US$, praticamente no “zero a zero”.

Justificativa para esse movimento na semana? Ao nosso ver, apenas o dólar desvalorizando no médio prazo. Desde a semana passada, quando o Banco Central americano indicou que deverá manter os juros americanos baixos por um prazo mais longo que o esperado, alguns bancos continuam apostando que o dólar poderá seguir em uma baixa de mais 10-15% contra as principais moedas (inclusive contra o Real). Dessa forma, acreditamos que o Real poderá vir a testar os 5,00 R$/US$ e o Euro voltar a fortalecer chegando a valer 1,25-1,30 dólar.

Acreditamos que os fundos poderão levar as cotações a novas altas nas próximas semanas, buscando as máximas do mercado alcançadas em 17 dezembro de 2019 quando o Dezembro/2020 chegou a negociar 148,75 centavos de dólar por libra-peso (apenas lembrando que em outubro de 2007 o Real estava próximo dos 1,70 R$/US$; o contrato dezembro/2007 a 122,00 centavos de dólar por libra-peso e os fundos chegaram a estar comprados em +45.500 lotes).

Não vemos pressão vendedora de origem contra o vencimento dezembro/2020, uma vez que, principalmente o Brasil, já fixou muito contra esse vencimento. Assim, acreditamos que para o mercado subir mais 1.500-2.000 pontos não será difícil. Essa alta poderá levar o setembro/2021 a negociar novamente acima dos 150 centavos de dólar por libra-peso e acreditamos que será uma excelente oportunidade para novas fixações para safra 2021/2022 e 2022/2023 em R$/saca. Se o Real seguir se fortalecendo, negociando nos 5,00 R$/US$, o produtor seguirá tendo oportunidades para fixar acima dos 700 R$/saca para as próximas safras garantindo excelente retorno sobre seus ativos.

O mercado interno segue firme com negócios spot sendo realizados entre 600-700 R$/saca dependendo da localização, qualidade e disponibilidade do café. O clima segue positivo nas outras partes do mundo ajudando no desenvolvimento das lavouras, sem grande risco de quebra por enquanto na América Central e Colômbia.

Seguimos recomendando aos produtores/cooperativas que monitorem com atenção os próximos dias/semanas e que aproveitem as oportunidades para seguir fixando em escala de alta as próximas safras 2021/2022 e 2022/2023. Como vimos ano passado, da mesma forma que os fundos levantam o mercado 3-5.000 pontos, quando decidem “virar a mão” de “comprados para vendidos” o mercado realiza rápido e forte.

Para os que estiverem com risco de chamada de margem no curto prazo, seguimos indicando a compra de Call-Spread 135-150 centavos de dólar por libra-peso no dezembro/2020.

Para safra 2021/2022, no setembro/2021, seguir na compra de Put-Spread em escala de alta de 135 x 105 centavos de dólar por libra-peso vendendo a Call de 150 centavos de dólar por libra-peso próximo do “custo zero” (ou deixar em aberto a venda da Call para só vende-la quando o mercado estiver próximo dos novos highs). E, junto com a compra do Put-Spread, não esquecer de fixar o R$ futuro.

Como sempre, atenção com as operações alavancadas, com os acumuladores, com as estruturas que “aparecem/desaparecem/dobram” tanto para PRODUTO quanto para CÂMBIO, pois nessas horas costumam surgir as “operações com probabilidades mínimas de acontecer”.

Uma excelente semana a todos!

** “Put-Spread” = compra e venda simultânea da opção de Venda com preço de exercício mais alto vendendo a opção com preço de exercício mais baixo);

*** “Call” = opção de Compra

*Marcelo Fraga Moreira atua há mais de 30 anos atuando no mercado de commodities agrícolas e escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint