FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

O café precisa de um mecanismo para estabilizar os preços

POR EQUIPE CAFÉPOINT

ESPAÇO ABERTO

EM 30/10/2019

0
0

Por Vivek Verma, chefe das operações de café da Olam International

As commodities sempre foram propensas a volatilidade por conta de mudanças nos fundamentos da oferta e demanda. Mas o que estamos vendo hoje no café é uma interação complexa de fatores que ameaçam a sustentabilidade da indústria, os agricultores cujos meios de subsistência dependem dela e a diversidade de cafés de que desfrutamos.

As oscilações de preço condenam os pequenos agricultores que compõem a maior parte dos milhões de produtores do mundo à miséria, ao abandono de fazendas e, potencialmente, à imigração ilegal. Isso, por si só, deve ser suficiente para alertar a consciência coletiva - mas também está ameaçando a grande variedade de origens de café disponíveis para torrefadores e consumidores.

Embora não sem complexidades, o estabelecimento de um mecanismo internacional de estabilização de preços poderia remediar flutuações extremas de preços e fornecer a estabilidade necessária aos rendimentos dos pequenos produtores.

Os extremos de preço prejudiciais são conduzidos por três fatores principais. Em primeiro lugar, a crescente especulação nos mercados de commodities, especialmente por fundos quantitativos que podem ampliar e estender os períodos gastos em extremos. Em uma fase de tendência descendente, os altos retornos financeiros atraem ainda mais capital nas apostas de baixa.

Em segundo lugar, estamos vendo um mercado cada vez mais duopolista, com o Brasil e o Vietnã que representam mais de 55% do café do mundo.

O impacto das mudanças climáticas já é sentido nas regiões cafeeiras. Por exemplo, estima-se que mais da metade da área cafeeira da América Central se torne inadequada para o crescimento até 2050. O número de eventos climáticos extremos no mundo está aumentando e esses eventos prejudiciais, como já vistos no Brasil e no Vietnã, têm um impacto exponencial nos preços.

Com os preços do café apontando a menor queda em 15 anos, uma proposta vigente é estabelecer limites regulatórios para o total de posições especulativas. A ideia não tem mérito, mas devemos aceitar que os especuladores forneçam liquidez essencial às trocas e seria difícil para qualquer órgão regulador impor um limite agregado a qualquer categoria de participantes.

Forçar a indústria a declarar publicamente os volumes que compra de cada origem e quanto é de origem sustentável reduziria a natureza da produção de café, ajudaria os produtores de nichos de origem e levaria a indústria à sustentabilidade; mas os pequenos prêmios de preço do café sustentável e certificado não atenuam os problemas decorrentes da volatilidade dos valores.

 

 

 

Outra proposta é que as grandes empresas de café subsidiem os agricultores que lutam com preços baixos. De fato, alguns louváveis ??já iniciaram pagamentos adicionais para agricultores em suas cadeias de suprimentos. Mas, na melhor das hipóteses, isso fornece um pequeno alívio para um pequeno número de produtores e, em um setor altamente competitivo, contraria as expectativas dos acionistas.

Um mecanismo internacional de estabilização de preços ajudaria a reduzir grandes flutuações de preços. O fracasso de tais mecanismos geralmente ocorre porque a preços baixos subsidiam a produção e, portanto, atrasam o declínio na oferta que leva a preços mais altos. Isso estende o ciclo de preços baixos até que finalmente o fundo fique sem dinheiro.

Existem duas chaves para evitar esse cenário. Em primeiro lugar, o fundo deve ser executado com princípios projetados para se alinhar com os princípios econômicos de demanda e oferta. Portanto, a preços extremamente baixos, o fundo subsidiaria os agricultores para retirar a capacidade de produção de curto prazo, podando, derrubando ou replantando novas variedades. Na faixa intermediária, seria amplamente inativo, exceto por investimentos de baixo risco. A preços extremamente altos, recuperaria seus subsídios e custos através de um sistema de taxas. Em segundo lugar, o fundo deve ser administrado como uma empresa viável e independente.

O sucesso do mecanismo é sustentado pela demanda crescente e contínua. De fato, na Olam estimamos que o mundo precise produzir mais 40 milhões (60 kg) de café nos próximos 10 anos.

Será necessária a participação de várias partes interessadas: indústria, fundos de desenvolvimento, bancos comerciais e governos dos países produtores. As discussões iniciais reconhecem os méritos dessa abordagem e uma força-tarefa criada pela Organização Internacional do Café irá explorar ainda mais isso, juntamente com outras soluções, para combater a volatilidade dos preços e a sustentabilidade a longo prazo.

Além de tirar milhões de agricultores da miséria causada por preços baixos, o fundo teria benefícios a longo prazo. As iniciativas de replantio subsidiadas levariam a variedades mais adaptáveis ??às mudanças climáticas, as perspectivas de renda mais previsíveis encorajariam os agricultores da próxima geração e a estabilidade de preços seria boa tanto para consumo quanto para investimento na indústria.

Obviamente, poderíamos optar por não fazer nada, aceitar preços de alta e ver milhões de agricultores perdendo seus meios de subsistência enquanto perdemos a incrível diversidade de cafés de que desfrutamos atualmente.

*Artigo de Vivek Verma, chefe das operações de café da Olam International. Tradução Juliana Santin

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.