FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Nova York cai, mas poderia ter sido pior

ESPAÇO ABERTO

EM 25/03/2019

0
0

Por Rodrigo Costa

O banco central americano manteve os juros inalterados em 2.375% como se esperava, mas indicou que não incrementará mais o custo do dinheiro em 2019, diferente do que estava precificado.

Dados indicativos da atividade industrial na Alemanha e nos Estados Unidos também decepcionaram na sexta-feira (22), empurrando o mercado acionário para baixo e causando fuga para títulos de dívida de 10 anos das principais economias.

No Brasil, a prisão de Michel Temer e os desencontros políticos de Bolsonaro, seus filhos e de seus séquitos preocupam e colocam em xeque o apoio ao presidente para fazer as reformas necessárias ao País, levando o Real para cima de R$ 3,90 – também influenciado pela turbulência externa.

Para o café, continuamos vendo mais do mesmo: movimentos de queda, novas mínimas, interesse de compra de comerciais, mais fundos, pelo incrível que pareça, conseguindo reduzir levemente suas apostas de baixa – nada animador.

O fluxo de negócios melhora pontualmente, seja com uma breve manutenção de NY e enfraquecimento do Real, ou em tímidas altas que não encontram sustentação.

Diferenciais só encarecem, como é de se imaginar, e a proximidade do mês de abril, quando o Brasil então começará a colher a safra do conilon, por ora não causa uma perda mais acentuada do contrato de Londres.

As origens têm feito o que podem para achar alguma solução para a época de vacas magras, como, por exemplo, o Vietnã sinalizando a intenção de processar a maior parte do café produzido no país para gerar valor agregado, ou a Colômbia liberando mais recursos aos seus produtores.

No Brasil, o aumento do preço mínimo do arábica para R$ 362,53 e do conilon para R$ 210,13, valores referencias para políticas de financiamento, traz à luz também números a serem comparados com o café negociado nas principais praças, sugerindo maior espaço de queda para o último do que para o primeiro.

No destino tivemos a divulgação dos estoques no Japão em janeiro (2.66 milhões de sacas), levemente acima dos 2.6 milhões de dezembro e abaixo dos 3.01 milhões de janeiro de 2018.

Os estoques certificados da bolsa de Nova Iorque encontram-se agora no mais alto nível desde julho de 2014. Isto, juntamente com os juros baixos, com a estrutura do mercado (spread) larga e a sensação de disponibilidade confortável, são fatores que pouco ajudam o terminal a subir.

Como nem tudo é má notícia, se considerarmos a desvalorização do Real na semana, NY até que segurou relativamente bem, e ainda que a figura técnica esteja longe de causar uma mudança de tendência, alguma cobertura de especuladores pode ocorrer no curto prazo.

Uma ótima semana e bons negócios a todos.

***Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting. As informações são da Fonte: Archer Consulting – Assessoria em Mercados de Futuros, Opções e Derivativos Ltd

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.