FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Ninguém ganha no atual cenário

ESPAÇO ABERTO

EM 06/05/2019

0
0

Por Rodrigo Costa*

O desemprego americano é de apenas 3.8%, quase 10% menor do que o brasileiro – uma tristeza para nosso País. Nossos políticos pouco se importam em estarem destruindo a esperança de profissionais que são formados a cada ano. O congresso retarda reformas importantes, o executivo faz colocações e discursos desencontrados e, para finalizar, o supremo se atém a despender perdulariamente o erário.

Para piorar, o agronegócio, principal motor econômico no Brasil, vai sendo testado com as cotações internacionais dos grãos, do açúcar e do café derretendo. Como “salvação”, ao menos o Real desvaloriza (na verdade, um reflexo direto da delicada situação econômica) para não prejudicar tanto a colocação de nossas matérias-primas lá fora. Produtores e empresários no Brasil são um exemplo de coragem e perseverança.

O mercado do robusta em Londres sofreu nova queda, abrindo espaço para Nova Iorque fazer novas mínimas, já que a arbitragem estreita entre as duas variedades limitaria uma baixa acentuada apenas do arábica.

O contrato “C” nos níveis atuais já machuca grande parte de quem produz café no Brasil, País mais eficiente, mas o robusta ainda pode ceder mais até atingir o suposto custo de produção de US$ 1,200 por tonelada do Vietnã e também o preço-mínimo de R$ 202,19 a saca do Ministério da Agricultura – temas polêmicos e de difícil convergência.

Como já mencionei em alguns comentários, Londres vai ser o termômetro para nos indicar o chão do arábica, ou seja, se assumirmos que o primeiro tem 135 dólares por tonelada para cair, o segundo ainda pode perder outros US$ 6 centavos por libra-peso.

Não custa mencionar que os mercados muitas vezes exageram, para cima e para baixo, motivo que me faz crer que, se o real não enfraquecer, Nova Iorque encontrará um “chão” entre US$ 80 e 85 centavos por libra – tem quem fale em US$ 70 centavos, credo!

A produtividade do conilon que está sendo colhida tem sido reportada como dentro do normal, diferente de uma quebra esperada em função do tempo seco no Espírito Santo e Bahia – é preciso ir acompanhando com a chegada de maior fluxo.

Muitos agentes falam que os produtores das principais origens estão segurando suas vendas, descontentes, claro, com os preços praticados. Aqueles que estão vendidos a descoberto (short) não estão tendo alento, muito pelo contrário, sofrimento que vem se acumulando há alguns anos.

O quadro atual não beneficia ninguém, nem mesmo os torradores. As empresas torrefadoras grandes e médias tem disciplinadas políticas de hedge, que em um mercado de preços baixos contínuos expõe coberturas, obviamente adquiridas a níveis sempre mais altos do que o atual.

Neste cenário abre-se uma brecha para empresas que compram da mão para a boca, pois, por exemplo, estas podem comprar o flat-price a 93 centavos e descontando o diferencial de 6 centavos negativos, ter o custo do café a US$ 87 centavos por libra peso – dando margem para pressionar a competição.

Fora isso há a preocupação em garantir o abastecimento de cafés de qualidade no longo-prazo, pois o desestimulo ao trato põe em risco a lavoura.

Nada disso muda a tendência atual de baixa, pois demora a ser digerido pelo terminal, dado o ciclo mais longo do café e as árvores ainda estarem respondendo ao cultivo exemplar dos últimos anos, quando os preços estavam excelentes.

Há de se ter paciência e disciplina para passar por este período de vacas-magras – fácil falar, sabemos, mas não se pode ignorar a realidade.

Uma das opções, além de controlar os custos na ponta do lápis, é aproveitar que o mercado tem um carrego enorme no terminal e ir garantindo ao menos preços menos desvantajosos para as safras futuras.

Não há bem que dure sempre, nem mal que nunca se acabe.

Uma ótima semana e bons negócios a todos.

*Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consultin

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.