FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Mais do mesmo

ESPAÇO ABERTO

EM 23/06/2020

4 MIN DE LEITURA

0
0

Por Marcelo Fraga Moreira*

O mercado trabalhou a terceira semana de junho (de 15 a 19) sem grandes novidades, com o contrato julho/2020 com a máxima/mínima de 97,05/92,70 centavos de dólar por libra-peso fechando a semana nos 93,75 centavos de dólar por libra-peso. Fundos voltaram a vender e adicionaram mais 6.664 lotes no lado vendedor aumentando a posição vendida para 24.153 lotes.

Destaque na semana voltou a ser o Real, que chegou a desvalorizar -6,74pct, saindo de 5,04 para 5,38 r$/usd, fechando a semana cotado a 5,3180 r$/usd. Em alguns momentos durante o pregão da sexta-feira (19 de junho), mesmo com o Real desvalorizando no dia -1,74% (quando atingiu a mínima do dia/semana cotado a 5,3817 R$/usd) as cotações em NY chegaram a trabalhar no território positivo, mas no final mercado não aguentou e voltou para as mínimas da semana.

Será o risco da chegada da “segunda onda da Covid-19” onde vamos ter novamente fechamento do comércio na Europa e Estados Unidos? Novas restrições na movimentação da população e eventual redução na demanda de café? Ou apenas efeito de “boas notícias” referente ao avanço da colheita no Brasil?

Colheita indo muito bem, avançando bem, com aproximadamente 35% já realizada. Qualidade vem sendo muito boa, mas o tamanho do grão está um pouco menor que o esperado. Segundo conversa com alguns produtores a quantidade de café com “peneira 17/18” está abaixo do esperado e o mercado já começa a pagar prêmio para café mais graúdo. Preços voltaram a subir com negócios voltando para o patamar dos 490-510 R$/saca. Basicamente efeito câmbio, pois como demonstrado acima, Real desvalorizou -6,74% e café valorizou praticamente o mesmo, saindo de 470-80 r$/sc para 490-510 r$/sc (+6,25%).

Como tivemos muitas vendas antecipadas no final do ano passado, durante o rally de preços em dezembro/2019, os produtores estão cumprindo os contratos já realizados, e compradores ajudando a segurar/sustentar os preços nos 500 r$/saca para conseguir originar e honrar seus compromissos.

O clima segue muito bom contribuindo para o andamento da colheita e para a boa qualidade do café, com algumas chuvas pontuais. Risco de geada está descartado até final do mês de junho, e alguns modelos já começam a prever risco de geada apenas para a primeira semana de julho. Nos demais países produtores o clima também segue positivo com chuvas pontuais ocorrendo na América Central, Vietnam e Indonésia favorecendo as próximas safras.

No cenário macro Europa anunciou novo estímulo de 750 bilhões de dólares, e banco central brasileiro reduziu os juros para o nível mais baixo da história (para 2,25% ao ano podendo reduzir para 2% na próxima reunião de agosto). Essa redução também contribuiu para a desvalorização do Real. Acreditamos que com esse novo patamar de juros no Brasil os produtores capitalizados e novos investidores irão tirar o dinheiro que está aplicado nos bancos e voltar a investir na expansão e melhorias nas lavouras. Isso poderá levar a um novo ciclo virtuoso e aumento da oferta já a partir de 2022/2023!

Também teremos novos desdobramentos na próxima semana da briga comercial entre China e Estados Unidos. Mesmo com a China anunciando uma trégua na quinta-feira informando que voltaria a aumentar as compras de produtos agrícolas americanos o mercado não gostou pois Trump acenou com possibilidade de impor novas tarifas/sanções contra a China.

Julho/2020 o mercado segue com suporte nos 90 centavos de dólar por libra-peso e resistência no 105,50 centavos de dólar por libra-peso.

Com avanço da colheita, e se fundos tiverem mais apetite para aumentar a posição vendida, poderemos ver o mercado negociando abaixo desse suporte no curto prazo. Único fator altista continua sendo uma geada forte, uma quebra de safra, lavouras sendo “destruídas” afetando as próximas safras brasileiras 2021/2022 em diante.

No curto prazo seguimos recomendando compra de Calls (Calls – opções de compra) no setembro/2020 (U-20), mas apenas se os modelos climáticos seguirem indicando risco de geadas para a primeira semana de julho. Vamos apenas acompanhar o mercado na próxima semana, monitorar a Call de 100 centavos de dólar pro libra-peso.

Caso essa opção o setembro/2020 com exercício de 100 (Call de 100 centavos de dólar por libra-peso) venha a negociar abaixo de 2 centavos de dólar por libra-peso talvez seja possível comprar essa opção de compra vendendo uma Put (Put – opção de venda) no dezembro/2020, strike de 82,50-80,00 centavos de dólar por libra-peso a custo zero!

Para safra 2021/2022 seguimos recomendando compra de um Put Spread (proteção contra mercado vir a cair) com preço de exercício de 105 x 90 centavos de dólar por libra-peso no setembro/2021 vendendo Call de 125 centavos de dólar por libra-peso no mesmo vencimento, junto com o hedge cambial para não ficar exposto ao câmbio (Essa operação, desde que o mercado fique acima de 90 centavos de dólar por libra-peso no vencimento da estrutura, e considerando um câmbio futuro para vencimento em setembro/2021 @ 5,50 R$/usd, garante um preço em reais mínimo/máximo entre 580-725 r$/saca considerando um desconto no preço da venda de 25 centavos de dólar por libra-peso).

Boa semana a todos!

*Marcelo Fraga Moreira atua há mais de 30 anos no mercado de commodities agrícolas e escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.