ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

E o mercado acordou!

ESPAÇO ABERTO

EM 01/03/2021

7 MIN DE LEITURA

0
0

Por Marcelo Fraga Moreira*

A última semana de fevereiro foi a melhor do ano para o preço do café negociado nos estados de São Paulo e Minas Gerais (com o índice CEPA fechando a sexta-feira cotado a 746,50 R$/saca e no mês indicando uma valorização em +13,33%). Tivemos notícias de vários negócios reportados acima dos 800 R$/Saca e cooperativas e tradings entrando no mercado tentando comprar café para entrega futura para setembro/2022 e setembro/2023 entre 800-820 R$/saca e entre 835-850 R$/saca respectivamente. Para o café qualidade tipo “cereja descascado” ainda o pagamento de um prêmio adicional entre 60-70 R$/saca e para produto com “certificado UTZ/RA” mais um prêmio entre 10-15 R$/saca.

Também na semana, finalmente tivemos novos relatórios sendo divulgados sobre a quebra da safra brasileira 2021/2022. O Rabobank atualizou seus números reduzindo de 59 para 56,5 milhões de sacas e reduzindo o superavit mundial de +10 milhões de sacas para um déficit global em -2,6 milhões de sacas.

E, finalmente após uma viagem de 15 dias pelo Brasil a renomada consultora Judith Ganes confirmou o que vários produtores já vem falando aos 4 cantos, há meses: a safra brasileira quebrou (após visitar várias fazendas e regiões e entrevistar dezenas de produtores). Com isso, a projeção para a próxima safra segue sendo entre 47-52 milhões de sacas. E aqui com a nossa observação: “all going well, weather permitting – tudo indo bem, se o clima assim permitir” pois os riscos das geadas ainda nem começaram.

Os fundos seguiram comprando, e nas últimas 2 semanas praticamente dobraram a posição comprada (passando de +22.000 para +41.298 contratos – o que deve ser mais ainda pois esse número reflete a posição da última terça-feira e o mercado seguiu subindo e com bom volume sendo negociado nos últimos 3 dias da semana).

Falando nas cotações em Nova York, a semana foi a melhor do ano com o setembro/2021 atingindo a cotação máxima do ano a 143,80 centavos de dólar por libra peso. Setembro/2021 trabalhou entre a mínima e a máxima entre 130,45-143,80 centavos de dólar por libra-peso e fechando a sexta-feira (26/02) a 141,10 centavos de dólar por libra-peso. Já setembro/2022 trabalhou entre a mínima e a máxima entre 132,90-146,90 centavos de dólar por libra-peso e fechando a sexta-feira com 144,90 centavos de dólar por libra-peso.

O Real seguiu sendo a estrela da semana, fechando na sexta-feira a 5,60 R$/US$ (mesmo após 3 leilões realizados pelo Banco Central para tentar segurar a moeda) e o dólar futuro com vencimento em julho/2022 chegou a ser negociado em até 5,75 r$/US$. O Real seguiu desvalorizando forte em função da conjuntura internacional e, infelizmente, em função do quadro interno brasileiro político/fiscal. Do lado internacional o mercado precisava de um motivo para realizar, e esse motivo apareceu: as bolsas americanas trabalharam em fortes baixas e os juros americanos para 5-10 anos aumentaram consideravelmente (passando de 0,90% ao ano para 1,40% ao ano). Esse movimento da alta das taxas de juros americanos gera o “efeito dominó” onde investidores vendem as posições em ações nos países emergentes, o dólar valoriza perante outras moedas, e os recursos voltam para os Estados Unidos para comprar títulos americanos “mais seguros” e com uma remuneração “mais decente”.

Esse aumento nos juros americanos começou a surgir no mercado desde a semana passada (quando falamos aqui sobre os riscos da “REFLAÇÃO”). O governo americano segue tentando aprovar o novo plano para injetar mais 1,8 trilhões de dólares na economia; a vacinação segue avançando tanto nos Estados Unidos/Canadá e Europa; a vida começa a voltar ao normal; e nas economias ricas, com dinheiro sobrando, a população deverá voltar a circular, frequentar bares, restaurantes, cafeterias. E com isso analistas já estão novamente estimando o aumento dos preços, da demanda por produtos que estavam sendo represados há meses. Com esse cenário temos previsões para o aumento do consumo do café.

E assim, o mercado do café finalmente acordou.

Produtores com café disponível aguardam por melhores preços. Por outro lado, os produtores que já venderam e que já se comprometeram com vendas futuras, e não vão conseguir honrar com seus compromissos em função da seca/da quebra nas suas lavouras, seguem tentando comprar produto no mercado interno para honrar seus compromissos e/ou seguem tentando renegociar o prazo de entrega para a safra 21/22 e 22/23 com seus fornecedores de insumos, cooperativas e tradings. Vamos ter mais gasolina sendo adicionada na fogueira.

No Brasil, o índice que mede a inflação, o IGPM, já aumentou mais de +30% nos últimos 12 meses. Fertilizantes mais de 40%. A inflação no Brasil está fora de controle com preços do combustível, insumos e implementos agrícolas, alimentos subindo praticamente toda semana. Agora, qual será o real custo de produção de uma lavoura de café no Brasil (considerando uma safra normal)? 500/600/700 Reais por saca? Os juros brasileiros deverão aumentar já na próxima reunião do Banco Central, e deveremos terminar o ano com a Selic acima dos 4,00% ao ano. Quem ainda tiver acesso a recursos, linhas de crédito “baratas”, aproveitem.

Seguimos altistas no mercado para o curto/médio prazo. Para setembro/2021 e dezembro/2021 o “céu poderá ser o limite”. Seguimos com nossa recomendação para quem estiver vendido em futuros e/ou opções que zeram suas posições ou se protejam comprando “Calls” fora do dinheiro (que ainda estão “baratas”). Comprem as opções de compra “Calls” de 170/180/200 centavos de dólar por libra peso para setembro/2021. Se protejam! Tanto produtores como cooperativas. Se tivermos geadas em junho/julho-2021 o vencimento setembro/2021 poderá explodir e ultrapassar os 200-300 centavos de dólar por libra peso. Com os fundos comprados e com espaço para comprar ainda mais, imaginem se uma geada, por mais leve que seja, venha a ocorrer. Vamos ver os vendidos correndo para “cobrir/zerar” posição e aí meus caros leitores, a tempestade perfeita estará feita! E lembrem-se: da mesma forma que o mercado poderá disparar 3-5-10.000 pontos poderá devolver tudo em 2-3 dias também.

Para setembro/2022, para os produtores que ainda tem produto para vender, para fixar, seguimos recomendando a compra do “Put-Spread” no setembro/2022 strike +140 x -110 vendendo a “Call Spread” strike -170 x +200 (quem puder aguardar para vender as “Calls” mais para frente sugerimos aguardar).

Essa operação para a próxima safra 2021/2022, e até mesmo 2022/2023, garante um preço mínimo para o produtor ao redor de 835 R$/saca (desde que setembro/2022 feche acima dos 110 centavos de dólar por libra peso) e um preço de venda máximo ao redor dos 1,060 R$/saca (desde que o Set-22 feche acima dos 170 centavos de dólar por libra peso). Caso o set-22 negociar e fechar acima dos 170 centavos de dólar por libra e fechar acima dos 200 centavos de dólar por libra peso, o produtor voltará a ter ganhos, e a “participar” das altas do mercado acima dos 200 centavos de dólar por libra peso. Caso esse cenário venha a acontecer, o produtor poderá “rolar para cima” a sua compra da “Put-Spread” (isso é, vender a “Put-Spread +140/-110 e comprar uma nova “Put-Spread” +180 x -120 por exemplo, e vender uma nova “Call-Spread”, por exemplo 250 x 300.

Essas estruturas para o vencimento setembro/2022 tem pouca liquidez no mercado, então cuidado com os spreads que serão oferecidos pelas corretoras/tradings que oferecem esse tipo de operação/estrutura. Trabalhem as ordens, façam suas contas e evitem as famosas “bocas de jacaré”!

Uma ótima semana a todos!

*Marcelo Fraga Moreira atua há mais de 30 anos no mercado de commodities agrícolas e escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting.

___

** “Call” = opção de Compra

** “Put” = opção de Venda

** “Compra Call-Spread” = compra e venda simultânea de 2 Opções de Compra comprando a Opção com preço de exercício mais baixo vendendo a Opção com preço de exercício mais alto);

** “Venda Call-Spread” = venda e compra simultânea 2 Opções de Compra vendendo a Opção com preço de exercício mais alto e comprando a Opção com preço de exercício mais baixo);

** “Compra Put-Spread” = compra e venda simultânea 2 Opções de Venda comprando a Opção com preço de exercício mais alto e vendendo a Opção com preço de exercício mais baixo);

** “Venda Put-Spread” = venda e compra simultânea 2 Opções de Venda vendendo a Opção com preço de exercício mais alto e comprando a Opção com preço de exercício mais baixo);

** “CFTC” = Commodity Futures Trading Commission – agência independente do governo dos Estados Unidos que regula os mercados de futuros e opções das commodities;

As informações são da Archer Consulting – Assessoria em Mercados de Futuros, Opções e Derivativos Ltda.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint