FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Adube um meio ambiente melhor

ESPAÇO ABERTO

EM 20/01/2021

6 MIN DE LEITURA

0
0

Por Valter Casarin*

Os adubos são caminho seguro para aumentar a produção das culturas e, assim, colocar mais alimento à mesa. Contudo, há certo preconceito fundado em suspeitas equivocadas sobre eles, principalmente quanto aos efeitos para o meio ambiente.

Podemos afirmar que o fertilizante não possui moléculas tóxicas em sua composição. É uma substância mineral ou orgânica fornecedora de um ou mais nutrientes às plantas. Por sua vez, os nutrientes são essenciais para a vida de qualquer vegetal. Aliás, distintos dos nutrientes contidos em adubos são essenciais a nós.

Assim, nutrindo as plantas, nutrimos as pessoas. Vale lembrar que a maioria dos solos brasileiros é caracterizada por alta acidez e baixos teores de nutrientes. O fertilizante, juntamente com calcário e gesso agrícola, ajuda a resolver essa carência nutricional. É essencial para o produtor rural equilibrar nutricionalmente o solo, criando ambiente favorável para que as plantas possam se desenvolver saudáveis.

Erosão

Embora a precipitação forneça umidade para o crescimento das plantas e o bem-estar humano, é também, sem dúvida, uma das principais causas da degradação do solo, ameaçando seriamente o equilíbrio do planeta.

O solo é uma fina camada de matéria mineral e orgânica que permite a retenção e a circulação da água e do ar na superfície da Terra. Essa fina camada, que varia em espessura de alguns centímetros a alguns metros, sustenta praticamente toda a vida no planeta. O solo é um importante recurso não renovável que, quando sujeito a forte erosão, se perde ao longo de milênios.

A causa da erosão pode ser a água, o vento ou o próprio trabalho do solo.  A erosão provoca o deslocamento da camada superficial do solo para outro lugar, onde se acumula com o tempo. A camada perdida com a erosão é a mais fértil, viva e rica em matéria orgânica. A erosão do solo reduz a produtividade da terra e contribui, principalmente, o assoreamento de rios, o que é responsável pelas enchentes.

O risco de erosão aumenta se o solo não for suficientemente protegido por cobertura vegetal e/ou pela camada de resíduos de colheita da cultura anterior (palha). Resíduos e vegetação protegem o solo do impacto das gotas de chuva e respingos de água. Eles também tendem a reduzir a velocidade do fluxo de água e promover a infiltração da água no solo.

As plantas somente poderão recobrir o solo com rapidez e eficiência quanto maior for a sua velocidade de desenvolvimento. Isso é possível quando a planta encontra no solo as condições adequadas, principalmente a disponibilidade de nutrientes. Em função dos solos tropicais apresentarem baixa fertilidade, ou seja, baixa disponibilidade de nutrientes, é o fertilizante quem contribuirá para o fornecimento de nutrientes fundamentais para o crescimento das plantas.

Da mesma forma, quanto maior o desenvolvimento da planta, maior será a quantidade de resíduos vegetais que ficará sobre o solo. O uso de fertilizante favorece a maior produção de massa vegetal, o que irá criar uma maior massa de resíduo, protegendo o solo com maior eficiência contra o impacto das gotas de chuva e, consequentemente, do processo erosivo do solo.

É evidente a importância do fertilizante no recobrimento vegetal do solo e a maior produção de palha. Esses dois fatores contribuem para reduzir o processo erosivo do solo e conservar as propriedades químicas, físicas e biológicas do solo. Essa preservação ajuda o solo a manter seu potencial produtivo, mas acima de tudo contribui para reduzir o assoreamento de rios e lagos e a conservação da água.

Fertilizante no controle do efeito estufa

O efeito estufa é um processo natural que ocorre na atmosfera e que tem como principal função manter a temperatura do planeta amena e sem grandes variações. O problema é o lançamento cada vez maior de gás carbônico (CO2), que é liberado na queima de combustíveis fósseis, tais como os derivados de petróleo.

As plantas têm a capacidade de fixar o CO2 atmosférico durante o processo da fotossíntese. É exatamente o carbono do CO2, que as plantas fixam durante a fotossíntese, que compõem o nosso corpo. Lembrando que 18,5% do nosso peso corporal é composto por carbono.

A agricultura é um caminho perfeito para reduzir parte do CO2 da atmosfera e armazená-lo no solo. O processo de remoção do CO2 da atmosfera e guardá-lo no solo é conhecido como sequestro de carbono. Uma das formas mais eficazes é através do sistema de plantio direto. Esse sistema usa a rotação de cultura como base do manejo das culturas, a qual permite maior produção de matéria orgânica, material rico em carbono.

Solos de baixa disponibilidade de nutrientes limitam a produção das culturas, prejudicam o bom funcionamento da fotossíntese, produzindo pouco alimento e resíduo vegetal. Em outras palavras, afetam o sequestro de carbono. Uma planta bem alimentada, com disponibilidade de nutrientes, irá ter maior desenvolvimento, maior captação de CO2 da atmosfera.

Sendo assim, é através do estabelecimento adequado da fertilidade do solo, fornecendo os nutrientes que estão faltando no solo que os vegetais produzirão adequadamente. Esta é a função que o fertilizante apresenta para proporcionar ganhos produtivos e, indiretamente, diminuir o efeito negativo das altas concentrações de CO2 na atmosfera.

Fertilizante e a redução do desmatamento

A demanda por alimento no mundo tem crescido a cada ano, isso se deve principalmente pelo crescimento da população mundial. Ao mesmo tempo, as áreas agrícolas disponíveis no planeta têm reduzido. As áreas mais aptas para a agricultura, aquelas com maior fertilidade, já estão praticamente esgotadas, mas vale lembrar que essas áreas têm sido usadas por longos anos, o que já consumiu parte considerável de sua fertilidade.

Para aumentar a produção de alimentos há dois caminhos possíveis: abertura de novas áreas agrícolas ou aumento do rendimento das culturas nas áreas existentes. A primeira opção vai contra a sustentabilidade do planeta, pois haverá a necessidade de derrubar florestas. Assim, a segunda opção é a mais viável.

Para aumentar a produtividade das culturas é necessário pensar que os solos agrícolas já se encontram com baixa disponibilidade de muitos nutrientes, isso é decorrente de vários processos como a exportação de nutrientes pela colheita, erosão, entre outros.

É através do uso de fertilizante que poderemos repor os nutrientes ao solo e, assim, permitir a nutrição adequada para conquistar o aumento de produtividade. Tirar mais alimento de uma mesma área é o que o fertilizante tem feito nas últimas décadas. Entre 1975 e 2017, a produção de grãos, que era de 38 milhões de toneladas, cresceu mais de seis vezes, atingindo 236 milhões, enquanto a área plantada apenas dobrou.

Um fator fundamental que contribuiu para o ganho de produtividade na agricultura brasileira foi a correção e adubação de solos. O consumo de fertilizantes passou de dois milhões de toneladas, em 1975, para 15 milhões de toneladas, em 2016. Se o Brasil estivesse produzindo, atualmente, a mesma produtividade de 1975 haveria necessidade de abrir, ou desmatar, uma área aproximada de 150 milhões de hectares.

Podemos concluir que o uso de fertilizante é responsável pela maior produtividade das culturas, gerando a produção de alimentos, mas também contribuindo para a preservação de florestas, em consequência para a preservação da fauna e da flora dos diversos biomas.

As informações divulgadas pela Nutrientes para a Vida (NPV) são baseadas em dados científicos. A NPV tem como missão melhorar a percepção da população urbana em relação às funções e os benefícios dos fertilizantes. A NPV possui visão, missão e valores análogos aos da coirmã americana, a Nutrients For Life. Sua principal missão é destacar e informar a população a respeito da relevância dos fertilizantes para o aumento da qualidade e segurança da produção alimentar, colaborando com melhores quantidades de nutrientes nos alimentos e, consequentemente, com uma melhor nutrição e saúde humana.

*Valter Casarin é engenheiro agrônomo e coordenador científico da Nutrientes para a Vida.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint