FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Importância da locação do cafezal para eficiência na colheita

EDUCAPOINT

EM 06/12/2019

4 MIN DE LEITURA

0
1
A escolha do terreno e localização do cafezal tem efeito na produtividade e qualidade do grão colhido. Após a escolha da área e avaliação das condições agronômicas presentes no local, é necessário planejar a locação do cafezal de acordo com as características locais.

A locação do cafezal é a distribuição planejada das ruas de café, carreadores e terraços. Os carreadores têm o objetivo de facilitar os tratos, a colheita e o transporte.

A locação do cafezal compreende três coisas básicas.

1) Locação dos carreadores, que podem ser em nível e pendentes;
2) Locação de niveladas básicas auxiliares, que orientará toda a marcação da linha de plantio do café. Essas niveladas básicas são sempre marcadas contra o desnível do terreno;
3) Locação de cordões, terraços, caixas de retenção, prática indicada para o controle da erosão. Hoje em dia, essas práticas são menos utilizadas dependendo da inclinação do local, trabalhando-se mais com proteção vegetativa.

Em áreas inclinadas ou declivosas, o café deve ser plantado contra o declive do terreno, ficando aproximadamente em nível. Já em áreas de chapada, quase planas, deve-se priorizar a marcação do café de forma que facilite o trânsito maquinário, com ruas mais longas, mesmo que haja algum desnível, pois isso reduzirá o tempo de manobra das máquinas.

Em regiões mais quentes e secas, que também são de chapada, mais planas, é indicado colocar as linhas em direção ao caminhamento do sol. Isso significa que as linhas de café devem estar aproximadamente no sentido leste/oeste, para que o sol caminhe sempre sobre a copa do café no sentido da linha, para que não atinja apenas um lado ou outro da planta. O motivo disso é porque o sol da tarde prejudica o café, podendo causar escaldadura, secagem de ramos e perda de produção.

Confira abaixo resultados de produção em uma região de chapada, da Bahia, em diferentes alinhamentos de plantio do café:



Nas áreas de irrigação com pivô, o plantio não deve ser feito nem em nível e nem alinhado de acordo com o sol, mas sim, em plantio circular para ter economia de água e de maquinário.




Como o pivô é giratório, o plantio dessa forma permite que o café seja sempre molhado em cima da linha. Com isso, faz-se uma irrigação localizada com um sistema de molhação localizada (LEPA). Pode-se aproveitar a LEPA para fazer adubação, aplicação de fungicida, inseticida de solo, entre outros.

Essa marcação é feita pela própria sinalizacao da LEPA. Por isso, deve-se fixar a LEPA para evitar deslocamento pelo vento.

Confira na foto abaixo o risco feito pela LEPA:







Na locação em áreas pequenas, utiliza-se teodolito, nível ótico, estação total para grandes áreas, nível borracha ou pé de galinha.

Lembrando que a marcação de lavoura deve ser feita por pessoas treinadas na fazenda ou por serviços especializados contratados.

Em áreas montanhosas, os carreadores devem preferencialmente ser marcados antes para facilitar o transporte de material. Em áreas mecanizadas, faz-se a marcação prévia com niveladas básicas a cada 20 ou 30 metros, no sentido do declive, numeradas a partir da parte superior do terreno.

Os carreadores em nível devem ficar distanciados em 40 a 60 metros, com largura de 6 a 7 metros, com caída ligeira (5%) para seu interior, permitindo maior retenção de água.







Já em áreas maiores e planas, os carreadores devem ficar mais distanciados (100 a 120 metros), no sentido perpendicular ou ligeiramente oblíquos, desencontrados para evitar enxurradas de água em curso contínuo. Com isso, cada talhão fica com 1 a 2 hectares. Embora possa-se perder um pouco da área de café, isso facilita o trânsito no cafezal durante muitos anos.

Em áreas planas ou levemente onduladas, não há a necessidade de qualquer tipo de equipamento, bastando deixar um espaço livre (6-7 metros) onde coincidem os carreadores nível ou pendentes.





Em áreas onduladas ou declivosas, os carreadores devem ficar mais próximos (40-50 metros). Nos últimos anos, com a possibilidade de introduzir máquinas colhedoras mesmo em áreas mais declivosas, tem sido feito um pouco de desnível na linha (até 15%).

Se você quiser conhecer em detalhes quais são esses fatores e como analisá-los de forma eficiente, confira o conteúdo completo do curso on-line Plantio do café: práticas para formação do cafezal produtivo. O curso, ministrado pelo o engenheiro agrônomo e pesquisador da Fundação Procafé, José Braz Matiello, é dividido em duas partes:

Plantio do café: práticas para formação do cafezal produtivo - Parte 1

Plantio do café: práticas para formação do cafezal produtivo - Parte 2

 

Você pode fazer a aquisição de cada uma das partes do curso individualmente clicando nos links acima.

 

 
Mas também pode escolher a assinatura e ter acesso a todos os cursos da plataforma, que hoje já conta com cerca de 165 cursos! Clique aqui para saber informações sobre os planos de assinatura!
 
Mais informações:
 
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817-4082

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint