FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Que tipo de incerteza preferimos?

POR SYLVIA SAES

E BRUNO VARELLA MIRANDA

BRUNO VARELLA MIRANDA

EM 29/07/2010

1
0
Dirigindo por uma rodovia, eis que, no outro sentido, um carro sinaliza com o farol, indicando a existência de fato digno de atenção pelo caminho. A razão para o ato de solidariedade surge cerca de dois quilômetros adiante: a presença de uma viatura da polícia rodoviária. A cena descrita acima, corriqueira no Brasil, ilustra um interessante aspecto de nossa relação com as instituições.

O que são as instituições? Segundo a definição de Douglass North, estas constituem as "regras do jogo", responsáveis por assegurar maior previsibilidade às ações no campo social. Se os humanos sentem a necessidade de construí-las, é porque as instituições diminuem a incerteza em nossas vidas, permitindo que nos concentremos, por exemplo, na acumulação de riquezas.

Conforme North não se cansa de nos lembrar, uma descrição das instituições que se limitasse ao conjunto de regras formais seria incompleta. Evidentemente, nem tudo o que traz previsibilidade à existência humana está descrito na forma de lei. Por isso, os costumes de uma sociedade são tão importantes para a compreensão de suas relações quanto a legislação vigente.

Ao sinalizar a existência de uma viatura na estrada, o indivíduo não faz mais que perpetuar um costume. Este provavelmente nem se dê conta de todas as implicações do ato, realizando-o de forma mecânica. Como ocorre no uso de outras instituições, ali o objetivo é a diminuição da incerteza. Em outras palavras, a figura coercitiva do policial é interpretada como um fator de imprevisibilidade.

Haveria motivos, porém, para esse comportamento? Considerando que as rodovias, as placas de sinalização e a viatura manifestam a ação do Estado, e que este resulta de um acordo entre os cidadãos, chegamos à conclusão de que o costume é questionável. Embora paguemos impostos e votemos para a manutenção de uma estrutura capaz de administrar nossa convivência, possuímos práticas que sabotam a ação estatal.

Pior, identificamos perigos em algo que deriva de nossa vontade expressa. Confiamos mais na capacidade individual de resolver os problemas conforme estes apareçam - a expressão "jeitinho brasileiro" é inconfundível - do que nas respostas dadas pelas instituições formais. Em uma sociedade em que as regras não são valorizadas da forma como deveriam ser, é compreensível a (falta de) postura da maioria de nossos legisladores.

Alguns quilômetros adiante, próximo a um barranco, a multidão se aglomera. Pelas marcas de pneu na rodovia, é provável que um carro tenha perdido o controle e caído. Muitas vezes nos esquecemos desse detalhe, mas a incerteza constitui um aspecto inerente à vida humana. Ao criar regras de convivência, uma sociedade busca diminuir a possibilidade de acontecimento do imprevisível, segundo suas prioridades. Resta questionarmos que tipo de incerteza tem nos inspirado nas práticas cotidianas.

SYLVIA SAES

Professora do Departamento de Administração da USP e coordenadora do Center for Organization Studies (CORS)

BRUNO VARELLA MIRANDA

Professor Assistente do Insper e Doutor em Economia Aplicada pela Universidade de Missouri

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CARLOS EDUARDO COSTA MARIA

ANHEMBI - SÃO PAULO - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 02/08/2010

Bem a incerteza é inerente a condição humana e cada um tem lá sua preferência.O problema mesmo são as "certezas" que têm consequências mais significativas no nosso dia a dia.Só para citar algumas: da impunidade,do descaso governamental,do mercenarismo da justiça e por aí vai.