FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Moinhos de vento

BRUNO VARELLA MIRANDA

EM 29/05/2020

4 MIN DE LEITURA

0
0

É difícil de entender a obsessão do atual governo do Brasil com a China. A recente divulgação do áudio da reunião ministerial de 22 de abril apenas adiciona mais elementos para uma tendência já conhecida. Nem mesmo razões ideológicas podem justificar tamanha insistência em criticar o país asiático. Diga-se de passagem, a mediocridade no nível do debate entre os integrantes do núcleo duro da administração de Jair Bolsonaro enfraquece a hipótese de que o atual Executivo seja inspirado por uma ideologia bem acabada. No máximo, é inspirado por uma coleção de slogans. Ao que parece, a seguinte frase resume a filosofia econômica da atual administração: deixa cada um se f**** do jeito que quiser...

Voltando ao tema central desse texto, as repetidas polêmicas criadas por integrantes do governo Bolsonaro só fazem sentido se analisadas segundo a lógica maniqueísta das redes sociais. Razões para o desconcerto abundam. Em primeiro lugar, a China é um grande comprador de produtos agrícolas brasileiros. Surpreende que um governo que se diz liberal e evoca constantemente a aderência às boas práticas do setor privado maltrate um cliente publicamente. Se a atual administração possui alguma intenção séria de apoiar o crescimento das exportações brasileiras de produtos agrícolas, terá que mudar a maneira como administra as relações com o governo chinês.

A má vontade com um parceiro tão importante não faz muito sentido nem mesmo se assumirmos – erroneamente – que o Brasil possui maior poder de barganha nessa relação. Há quem diga que é o caso, dado que os chineses dependem da importação de alimentos para garantir a segurança alimentar de sua população. O problema por trás de tal raciocínio é a desconsideração dos desdobramentos estratégicos de um eventual conflito diplomático entre Brasil e China no médio prazo. Se o governo de Beijing não pode confiar em um parceiro como o Brasil para a importação de alimentos, é provável que aumente a predisposição chinesa a estabelecer acordos com os Estados Unidos que envolvam algum tipo de concessão no terreno agrícola.

Por sinal, o progressivo encolhimento do papel da Organização Mundial do Comércio na determinação das regras para o fluxo de bens e serviços ao redor do mundo implicará um maior peso para acordos avulsos. Em um conflito entre grandes potências, o governo brasileiro parece optar pelo alinhamento automático com o país que não apenas compete conosco naquilo que fazemos de forma mais eficiente como também adota o lema “os Estados Unidos em primeiro lugar”. Confiar na estabilidade de um alinhamento baseado em tais premissas demonstra um deslumbramento nocivo para os interesses do Brasil. Nunca é demais repetir, um alinhamento automático com a China tampouco seria benéfico para nosso país.

Fundamentalmente, as críticas gratuitas ao governo chinês sugerem que o Brasil não sabe muito bem o que espera da relação. Afinal, a animosidade tem como alvo um país que protagonizará as relações internacionais ao longo do século XXI. Achar que o Brasil terá um lugar privilegiado nas discussões para o redesenho da ordem internacional devido ao seu alinhamento incondicional com os Estados Unidos – algo sugerido pelo ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo – é exagerar no otimismo. Quando chegar a hora de reestruturar a governança global, estarão sentados à mesa os protagonistas da nova ordem – entre os quais certamente a China – e os países que se mostrarem relevantes para construir pontes entre os antagonistas. Muito se fala sobre a Guerra Fria, mas é importante lembrar que a ordem internacional que nasce em 1945 é resultado direto das negociações entre Estados Unidos e União Soviética. Na hora do “vamos ver”, predomina o realismo.  

Finalmente, não custa lembrar que o rancor demonstrado em reuniões e postagens nas redes sociais é seletivo. Críticas à transferência de centenas de milhares de fábricas ao território chinês nem sempre reconhecem que os principais beneficiados por tais mudanças foram os acionistas das empresas que tomaram a decisão. Falta explicar como o “liberalismo” econômico à moda Trump pode ser aliado a abordagens que escolham quais países merecem e quais países não merecem a atração de investimentos. O próprio Donald Trump, tão incomodado com o desenho atual das cadeias globais de valor, é o primeiro a celebrar os ganhos do índice Dow Jones – alavancados, entre outros fatores, por estratégias baseadas na produção de bens e serviços em países em desenvolvimento. Será necessário impor barreiras à exportação de produtos chineses devido ao desrespeito às regras trabalhistas, de direitos humanos ou ambientais? Muitos analistas dirão que sim. Se essa for a decisão, porém, talvez sejamos afetados por tais restrições tanto quanto outros países em desenvolvimento.   

Em resumo, se a China é “esse cara que a gente tem que aguentar”, que exista boa vontade para a construção de uma lógica mais madura para justificar as potencialidades e limites da relação. Para tanto, porém, será preciso elevar o nível do debate. Estará a atual administração à altura do desafio? Até o momento, as evidências não inspiram otimismo.

BRUNO VARELLA MIRANDA

Professor Assistente do Insper e Doutor em Economia Aplicada pela Universidade de Missouri

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.