FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

A lei do mais forte?

As consequências da paralisação do Órgão de Apelação da Organização Mundial do Comércio (OMC) para o futuro do comércio agrícola não podem ser subestimadas. Em 11 de dezembro, este deixou de contar com o quórum mínimo para funcionar. Com isso, o sistema internacional perde um dos seus elementos mais originais e efetivos. Os desdobramentos negativos do desfecho deverão ser sentidos principalmente pelos países em desenvolvimento, usuários frequentes do Órgão. De fato, a posição do Brasil no tabuleiro do comércio internacional será afetada com a possível manutenção desse novo status quo.

O desfecho para a crise no Órgão de Apelação, derivado da obstrução do governo dos Estados Unidos, não chega a surpreender. Já há algum tempo a administração de Donald Trump se recusa a apoiar a nomeação de novos juízes para o Órgão. A justificativa é a percepção de que o sistema multilateral do comércio seria exageradamente condescendente com as políticas do governo da China, prejudicando as exportações estadunidenses. Por outro lado, é evidente a intenção da Casa Branca em transformar os debates na arena comercial em uma série de negociações bilaterais – desejo motivado tanto pela desconfiança alimentada por círculos conservadores em relação a qualquer projeto de governança global quanto pelo folclore ao redor das supostas habilidades de Trump.

O Órgão de Apelação representa um dos elementos fundamentais do sistema de solução de controvérsias da OMC. O processo de discussão de uma disputa comercial no sistema multilateral pode ser resumido da seguinte forma. Passado um período de consultas, em que as partes envolvidas buscam resolver a questão por meio dos canais diplomáticos, um painel é estabelecido com o objetivo de avaliar o caso. O resultado desse painel é um relatório com recomendações, que pode ser acatado pelas partes ou levado ao Órgão de Apelação. Uma vez avaliada pelo Órgão de Apelação, a decisão pode ser implementada.

Dessa maneira, os pareceres do sistema de solução de controvérsias da OMC possuem um nível de enforcement incomum para disputas no âmbito internacional. Costuma-se dizer que o Órgão de Apelação dotou a OMC de “dentes” – ou seja, faz com que a discussão das controvérsias comerciais resulte na implementação de reformas concretas nas práticas dos países membros. Embora o julgamento de controvérsias passadas não imponha um rumo automático aos casos do presente, muitos analistas nutriam a esperança de que as atividades do Órgão de Apelação criassem uma jurisprudência capaz de trazer previsibilidade às regras comerciais internacionais.   

Ao permitir a avaliação de disputas comerciais com base em princípios jurídicos, o sistema de solução de controvérsias da OMC forneceu uma oportunidade única aos países em desenvolvimento. Não é uma coincidência que o Brasil tenha participado tão ativamente desse sistema: sempre que a negociação política foi incapaz de corrigir práticas contrárias aos interesses do país adotadas por outros Estados, o Órgão de Apelação ofereceu uma alternativa que mitigava eventuais assimetrias de poder. No interior do órgão de solução de controvérsias, a diplomacia do Brasil obteve uma série de vitórias que, na prática, facilitou a abertura de oportunidades às exportações do país. A simples existência do Órgão fornecia uma ameaça crível que potencializava as demandas brasileiras.  

Paralisado o Órgão de Apelação, qual o cenário para o futuro? No geral, estamos caminhando rumo a um sistema internacional em que o peso das regras e das rotinas estabelecidas dará lugar aos “toma-lá-dá-cá” sobre temas pontuais. O acordo entre China e Estados Unidos, que prevê a compra de US$ 40 bilhões de produtos agrícolas estadunidenses por parte dos chineses até 2021, é parte dessa nova lógica. Resta saber o que sobrará para os países emergentes enquanto os protagonistas do sistema internacional costuram suas tratativas. Não é preciso muita imaginação para supor que, em um cenário em que a assimetria de poder possa ser utilizada livremente para definir os rumos de uma negociação, países como o Brasil entregarão mais do que recebem – isso quando não ficarem de fora da conversa.

De fato, a paralisação do Órgão de Apelação nos obriga a refletir sobre a natureza do funcionamento de instituições como o sistema de solução de controvérsias da OMC. Pois bem: se bem desenhadas, as regras podem proteger as partes mais fracas em uma negociação. Quando o poder relativo se torna o elemento fundamental em uma negociação, aumentam também os custos de um eventual acordo por parte das partes com menor poder de barganha. Nesse sentido, a obstrução do governo estadunidense pode marcar a inauguração de uma espécie de nova era da “lei do mais forte” no comércio internacional.

BRUNO VARELLA MIRANDA

Professor Assistente do Insper e Doutor em Economia Aplicada pela Universidade de Missouri

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.