FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Me tira deste mercado

RODRIGO CORREA DA COSTA

EM 05/08/2014

3 MIN DE LEITURA

0
0
Ativos de risco caíram durante a semana, com ingredientes negativos como as novas sanções à Rússia; resultados aquém do esperado de empresas listadas nos Estados Unidos e Europa; a suspensão de negociação dos papéis do Banco Espírito Santo – após suas ações desvalorizarem 73% –; e pelo segundo calote da argentina desde 2001 – que ativou o pagamento de US$ 1 bilhão em seguros sobre os títulos do país (os chamados CDSs, ou credit default swap).

Foto: Café Editora
 
Foto: Café Editora

Os investidores nos mercados acionários também resolveram colocar algum lucro no bolso, mesmo com o crescimento do PIB americano de 4% no segundo trimestre de 2014. A leitura fina do número não sugere tanta robustez dada a grande contribuição que veio do incremento de estoques. O aumento modesto do desemprego no país para 6.2%, juntamente com uma menor criação de postos de trabalho, diminuiu a resiliência no mercado, zerando os ganhos do Dow Jones no ano. Apenas para registrar: os principais índices acionários caíram entre 1% e 4% nos últimos cinco dias, sendo que os indicadores asiáticos foram exceções.

Os três principais índices de commodities tomaram um tombo de 2%, e dentre as matérias-primas que compõe o CRB o café foi o único que subiu respeitáveis 7.37%, já que o cacau, o gás natural e a soja todos tiveram alta menor que 0.5%.

O contrato do arábica da ICE fechou o mês de julho com ganhos acumulados no ano de 12.7%, e de sexta passada para esta teve uma alta de US$ 17.46 por saca. Londres subiu menos, US$ 4.80 a saca, reflexo da proximidade da safra e dos diferenciais barateados do Vietnã.

Nova Iorque teve uma correria logo cedo no pregão de quinta-feira, respondendo ao relatório da Terra Forte que apontou uma safra 2014/2015 em 45,78 milhões de sacas, 1.62 milhões de sacas a menos do que sua última previsão. A empresa deu ainda mais credibilidade à sua análise ao não mencionar o tamanho da próxima safra, mas sim em alertar para a situação das lavouras que pode resultar em uma produção ainda menor. Na sequência um diretor da OIC deu uma entrevista dizendo que o déficit mundial deste ciclo pode chegar à 10 milhões de sacas. O resultado foi uma enxurrada de cobertura de posições vendidas, tanto em futuros, como em opções de compra (calls), sendo muitas que vencem dia 8 de agosto.

Traders que estavam vendidos nas calls dos strikes de 195, 200, 205, e 210, sofreram com a conhecida exposição ao gamma, sendo forçados a recomprar suas posições, ou os futuros, para diminuírem suas perdas, pois muitos não acreditavam que em sete sessões o mercado fosse subir tanto.

A natureza do rally foi em grande parte de liquidação de posições, e menos de novos comprados, comprovada no pequeno incremento do número de contratos em abertos. A queda forte na sexta-feira também demonstra a atitude do “get me out of it” (me tira deste mercado), pois tão logo acabaram as recompras dos shorts que levou o contrato de setembro a US$ 207.40 centavos no dia, a cotações desmoronaram e encerraram a apenas 0,75 centavos da mínima, a US$ 192.35.

O fluxo de café físico no Brasil serviu para mostrar ao mercado que os produtores não querem perder a oportunidade de vender café próximo a R$ 500.00 a saca. A desvalorização da moeda brasileira (impacto do default da Argentina) fez Nova Iorque negociar a R$ 470 centavos por libra, nível visto no começo de maio último.

Vale mencionar que o volume de contratos que trocaram de mão na bolsa foi relativamente pequeno se comparado ao dilatado intervalo de preços, mostrando leveza e continuação da volatilidade. O relatório de posicionamento dos traders (COT) apontou que os comerciais tem interesse em comprar futuro próximo de US$ 170 centavos, pouco mais de 20 centavos abaixo do fechamento. Vendedores, ainda segundo o COT, apareceram na venda acima de US$ 180 centavos, e certamente venderam ainda mais entre 190 e 200 centavos – como deve aparecer no relatório da semana seguinte.

Tecnicamente o gráfico sugere uma rejeição da alta (jargão do candlestick que se chama: “shooting star”) e pode trazer mais vendas na segunda-feira, para testar o suporte à 185.50 centavos – média-móvel de 100 dias.

Claro que o movimento trouxe ao noticiário aqueles que dizem que o mercado vai a US$ 400.00 centavos, uma possibilidade que para se tornar provável precisa de uma deterioração muito grande do quadro fundamental.

A performance das últimas duas semanas corroboram para o argumento que usei neste espaço, de que era prematuro devolver o prêmio de incerteza como o mercado vinha fazendo.

As cotações devem encontrar um piso acima de US$ 170 centavos até que se possa avaliar a florada e o estado do cafezal em Novembro e Dezembro.
Boa semana e muito bons negócios a todos.


*Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting 

RODRIGO CORREA DA COSTA

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint