carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Blogs > Espaço Aberto

Educampo Café estuda os custos de produção na cafeicultura mineira

postado em 04/12/2017

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Por Glauce de Fernandes e Lourenço

Distribuída na maioria dos municípios do estado de Minas Gerais, a cultura do café criou, em 2017, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), mais de 10 mil postos de trabalhos durante a colheita de café, sendo o principal gerador de riqueza agropecuária na região (VBP de café foi de R$ 11,6 bilhões).

Foto: Amanda Wilson/ WBC
                                       Foto: Amanda Wilson/ WBC

Com uma área implantada de aproximadamente 977,7 mil hectares de café e produzindo cerca de 24,4 milhões de sacas (Conab – 3ª estimativa safra 2017), o estado de Minas Gerais ocupa o primeiro lugar na produção nacional de café, ressaltando a importância dessa cultura como fonte de renda para agricultores que têm o café com sua principal atividade agrícola.

As antigas propriedades rurais de café, que hoje devem ser encaradas como empresas agropecuárias, enfrentam os mesmos problemas que os demais setores
(indústria, comércio e serviços), exigindo do produtor rural uma nova visão em relação à administração e à gestão dos seus negócios.

Buscando subsidiar o segmento cafeeiro com informações que contemplem a totalidade da economia cafeeira, o Sebrae Minas, há aproximadamente duas décadas, vem utilizando uma metodologia para mensuração dos custos de produção, através do projeto Educampo. Tal empenho resultou na construção e contínuo aprimoramento de um método que é capaz de evidenciar os principais pontos de estrangulamentos sobre os quais o produtor deve focar com vistas a incrementar a competitividade de seu negócio.

Os produtores do Educampo são instruídos a identificar a real situação de sua empresa e os principais desafios a serem vencidos para garantir a sustentabilidade da atividade cafeeira na sua propriedade, através do planejamento, do gerenciamento e da centralização de custos trabalhados pelo projeto.  Atualmente, o
projeto possui 107 indicadores técnicos/econômicos que podem ser disponibilizados para os 410 produtores rurais participantes do projeto.

A apuração do custo de produção é uma importante ferramenta de planejamento e
gestão de uma propriedade, permitindo mensurar o sucesso da empresa em seu esforço econômico. A condição ideal para qualquer processo produtivo é aquela em que, dado o preço do mercado, este permite cobrir os custos de produção e de comercialização.

Para o produtor torna-se imprescindível verificar se, no curto prazo, as receitas auferidas em determinada safra são suficientes para cobrir os custos operacionais de produção. Por outro lado, também é importante que o produtor verifique, no longo prazo, se as receitas são capazes de cobrir os investimentos decorrentes da imobilização do capital fixo, bem como os custos operacionais durante um determinado horizonte temporal.

Os indicadores técnicos/econômicos usados como base para o cálculo de custos do
Educampo Café são fundamentais para a implementação do planejamento do orçamento e para que os produtores possam tomar decisões assertivas de adotar técnicas de produção e gestão capazes de assegurar a consolidação de seus negócios.

Ao analisar os indicadores do Educampo Café (análise da mesma amostra de 234 fazendas e dados corrigidos pelo IGP-DI 06/2017) nota-se que, mesmo com uma produtividade alta de 38,80 sacas de café beneficiado por hectare, os produtores do Educampo Café obtiveram um custo médio de desembolso de R$ 9.818,76 por hectare (biênio 14/16), sendo que este valor foi de 2,8% maior do que o do biênio 13/15.

Este desembolso é todo o custo variável necessário para produção do ano (administração, gestão, assistência, adubação solo e folha, controle de pragas e doenças, controle de daninhas, colheita, pós colheita, podas, tratos culturais e comercialização).

Ao detalhar as atividades que compõem o custo variável e que possuem maior participação na composição do custo de produção, observa-se que os principais pontos de estrangulamento são adubação via solo, colheita, controle de pragas e doenças e administração, as quais devem ser trabalhadas com atenção. Estas atividades comprometem aproximadamente 73% do custo operacional efetivo. A redução dos gastos com colheita (redução de 32,1%) e adubação via solo (redução de 12,5%) foram os que mais impactaram na redução do custo médio, considerando o período analisado entre os biênios 11/13 e 14/16.

Por outro lado, houve aumento dos gastos com irrigação (aumento de 14,6%) e controle de pragas e doenças (aumento de 10,2%), sendo necessário uma maior intervenção dos consultores técnicos junto aos produtores de forma a melhorar o resultado econômico dessas atividades.

A evolução na atividade de colheita nos últimos biênios ocorreu pela melhoria da eficiência operacional de colheita, tanto com regulagem das máquinas, manejos de colheita inovadores, quanto com a renovação do parque cafeeiro realizada de forma sistematizada para melhorar a eficiência operacional dos maquinários.

Os produtores atendidos pelo Educampo Café, tanto no Sul de Minas, quanto na Zona da Mata, ainda fazem a colheita manual ou semimecanizada nas suas áreas de montanha, fato esse que reflete nos custos da atividade colheita (Custo com colheita no Sul de Minas: R$3.212,21 e na Zona da Mata – R$ 3.956,97. Ambos custos referentes ao biênio 14/16).

O desafio de mecanizar a colheita, nessas duas regiões, poderia minimizar a diferença do custo desta atividade em comparação com a região do Cerrado Mineiro (Custo com colheita, no biênio 14/16, igual a R$ 1.151,80). Além da redução dos custos de produção, os produtores pertencentes ao Educampo Café devem também avaliar a relação existente entre custo e receita, pois esta relação
mede a capacidade da empresa de gerar lucro (Biênio 14/16: R$ 194,66 por saca,
aumento de 40,15% em relação ao biênio anterior), para que um resultado econômico satisfatório seja atingido.

Estes produtores ao realizarem a gestão eficiente do seu empreendimento estão conseguindo, a cada biênio, distanciar mais o seu custo total da sua receita bruta, tornando sua atividade mais lucrativa e minimizando os riscos de produção de café. O interesse em conhecer os custos de produção de café das principais regiões produtoras do país é crescente, quer seja por parte dos produtores/cooperativas que buscam indicações sobre sua competitividade em relação aos demais produtores/cooperativas e regiões produtoras, quer seja por parte dos órgãos governamentais que buscam informações que possam subsidiar a implementação de políticas públicas.

O conhecimento dos custos apresenta-se vital para se saber se um produto é rentável foi diante do preço definido, ou, se não for rentável, se há a possibilidade de redução de seus custos de produção. No caso do Educampo Café, a TRCC (taxa de retorno do capital com terra) foi igual a 20,69% (biênio 14/16). Os produtores assistidos pelo projeto, através da consultoria gerencial do projeto, aumentaram sua eficiência no uso de insumos e bens necessários para a produção de café em 39,7% em relação ao biênio 13/15, o tem tornado a sua atividade cafeeira cada vez mais viável e atrativa.

O Sebrae Minas, através do Educampo Café, percebendo a importância da apuração desses custos de produção e para evitar qualquer possibilidade de perdas
econômicas para os seus produtores, ao longo desses 20 anos de história, tem mantido como meta a busca contínua de resultados admiráveis, junto aos seus clientes. Estes resultados vêm sendo alcançados a partir da implantação de inovações técnicas e gerenciais, transformando o produtor e sua propriedade, de forma a torná-los cada vez mais eficientes e competitivos. 

Glauce de Fernandes e Lourenço é coordenadora do Projeto Educampo Café - Analista de Agronegócios

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade