Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Notícias > Mercado

Projeto organiza banco de germoplasma de café

postado em 28/11/2007

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Desde maio de 2004, um projeto desenvolvido sob a coordenação de Antônio Alves Pereira, pesquisador da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), organiza amplo Banco Ativo de Germoplasma de Café, instalado na Fazenda Experimental de Patrocínio, na região do Alto Paranaíba (MG).

O banco de germoplasma é um reservatório de variabilidade genética natural, potencial e indispensável para os programas de melhoramento das espécies cultivadas. Constitui uma coleção ex situ de recursos genéticos do gênero Coffea coletados em instituições públicas, empresas privadas e em lavouras particulares nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Espírito Santo. Os cafeeiros amostrados apresentavam idades variadas, merecendo destaque especial para as seleções de bourbon, onde houve coleta de sementes em cafeeiros com idades superiores a 150 anos.

O banco conta com 1.327 acessos e apresenta uma grande variabilidade genética constituída de fontes de resistência à ferrugem, aos nematóides, ao bicho mineiro, à antracnose e a muitas outras pragas e doenças do cafeeiro. Ainda há acessos com diferentes portes e arquiteturas de plantas, que poderão ser úteis para o desenvolvimento de cultivares com características adequadas aos tipos de colheita mecânica e manual.

Entre acessos portadores de características de qualidade de bebida destacam-se os de bourbon vermelho e bourbon amarelo, de blue mountain, de típica, introduções etíopes, de caturra vermelho e caturra amarelo e de híbridos dessas seleções com fontes de resistência do híbrido de Timor e de introduções indianas. A exploração da variabilidade para a qualidade de bebida superior permitirá a obtenção de cultivares para produção de cafés com fragrâncias diferenciadas.

De acordo com o coordenador do projeto, o acervo gênico em Minas Gerais representa uma importante matéria-prima para os programas de melhoramento cafeeiro, possibilitando a obtenção de cultivares portadores de características genéticas capazes de garantir a permanente competitividade e sustentabilidade da cafeicultura mineira e brasileira.

As informações são da Embrapa Café.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade