Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Fair Trade USA direciona crescimento recorde nas importações de café, retornando US$ 17 milhões extras para as comunidades rurais

postado em 17/04/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A Fair Trade USA, maior certificadora terceirizada de produtos Fair Trade nos Estados Unidos, acaba de publicar seu Almanaque 2011. Novos dados revelam que a organização teve outro ano recorde para o café - mais de 62,6 milhões de quilos de café Fair Trade Certified foram importados aos Estados Unidos, 32% a mais do que em 2010. Esse crescimento nas importações permitiu que as cooperativas de café Fair Trade recebessem um valor sem precedentes de US$ 17 milhões em prêmios de desenvolvimento de comunidades, 61% a mais que em 2010. Esses prêmios são usados para desenvolvimento de projetos escolhidos pela comunidade em áreas como educação, saúde, meio-ambiente, gerenciamento de negócios, melhora na qualidade e produtividade. Desde que o Fair Trade USA começou as operações em 1998, as cooperativas ganharam mais de US$ 225 milhões em renda adicional através de uma combinação de prêmios de desenvolvimento da comunidade e melhores preços.

O crescimento na demanda de mercado é impulsionado pelos atuais parceiros de negócios aumentando seu compromisso com o Fair Trade, novos parceiros de negócios se unindo ao Fair Trade e maior demanda dos consumidores. As campanha de educação dos consumidores do Fair Trade USA reúne marcas, varejistas, ONGs e organizações da comunidade. Por exemplo, durante o Fair Trade Month 2011, a Fair Trade USA e seus parceiros alcançaram quase 30 milhões de consumidores, reforçando a mensagem de que cada compra importa.

"Estamos animados pelos benefícios adicionais que os produtores estão recebendo por causa do recente impulso, tanto nos compromissos da indústria, como na demanda dos consumidores", disse a diretora de influência do Fair Trade USA, Mary Jo Cook. "Como mostram nossos dados de 2011, as comunidades rurais estão recebendo mais benefícios do Fair Trade do que antes e estamos trabalhando diligentemente para estabelecer programas que continuarão fortalecendo as cooperativas agora e no futuro".

Desde 2006, a Fair Trade USA e seus parceiros investiram mais de US$ 7,4 milhões em programas para ajudar os produtores a melhorar a qualidade, aumentar a produtividade, melhorar o acesso a capital e se tornar parceiros mais fortes de negócios. Para dar continuidade a esse impulso, a Fair Trade USA lançou o Co-op Link, uma nova abordagem inovadora para desenvolvimento designado a conectar organizações através da cadeia de fornecimento. A Fair Trade USA pesquisou os produtores para melhor entender suas necessidades mais urgentes, levantou US$ 2 milhões para programas aos produtores apenas em 2011 e trabalhou com ONGs e prestadores locais de serviços para executar programas. No mesmo ano, a Fair Trade USA também ajudou facilitando US$ 3 milhões em empréstimos financeiros comerciais a preços acessíveis às cooperativas.

Os resultados de 2011 incluem:

- Uma parceria com o Banco Mundial e a Avina Foundation capacitando a Fair Trade USA a distribuir um treinamento de controle de riscos de preços para 180 cooperativas no Brasil, Colômbia, Peru, Guatemala, México e Leste Africano.
- Uma parceria de três anos com a W.K. Kellogg Foundation e Progreso capacitando um projeto para promover segurança econômica e meio de vida sustentável aos cafeicultores e criadores de abelhas na região montanhosa de Chiapas, no México.
- Um projeto multi-anual, em parceria com o Rabobank Foundation e Progeso, com o suporte estratégico do Lutheran World Relief, focado em melhorar as práticas de negócios e o acesso a capital e mercados para cooperativas certificadas como Fair Trade em Sumatra, na Indonésia.

Inovando para incluir mais pessoas

No último outono, a Fair Trade USA anunciou que adaptaria os padrões existentes de Fair Trade para os trabalhadores rurais em produtos como chá, bananas, flores, arroz e algodão e começaria aplicando isso ao café. Essas mudanças permitirão que mais pessoas que trabalham na produção de café - trabalhadores de fazendas, colhedores e pequenos produtores rurais independentes não organizados em cooperativas - tenham acesso aos benefícios do Fair Trade. A Fair Trade USA se comprometeu a conduzir 10-20 pilotos nos próximos dois anos, aplicando o que aprendeu ao longo do caminho e estudando os resultados das fazendas individuais e a nível de setor.

A Fair Trade USA também anunciou que a Fazenda Nossa Senhora de Fátima, uma fazenda 100% orgânica do Brasil, se tornou a primeira propriedade rural de café certificada como Fair Trade. Os 110 trabalhadores da fazenda democraticamente elegeram um comitê Fair Trade que votou em investir os dólares premium em exames médicos, serviços de cuidados com os olhos e dentes, junto com acesso a treinamento em computadores e cursos de inglês. Além disso, a fazenda e a união local negociou um aumento de 20% no salário para os trabalhadores de campo, baseado no acesso adicional a mercados e vendas antecipadas através do Fair Trade Certification.

Expandindo oportunidades para envolvimento de vários interessados

Embora a diretoria da Fair Trade USA tenha sempre incluído membros de ONGs, grupos de produtores e organizações de negócios, em 2011, a Fair Trade USA publicamente se comprometeu a adicionar mais produtores parceiros à sua diretoria. A Fair Trade USA fez isso com a adição de Carlos Alberto González, diretor comercial da Divisão de Cooperativas de Café da Federação Colombiana de Cafeicultores (FNC) e Erik Nicholson, vice-presidente nacional da União dos Trabalhadores Rurais da América (UFW). Gonzalez e Nicholson trouxeram décadas de experiência no trabalho com produtores rurais e trabalhadores rurais à equipe. Com o membro da diretoria há longo tempo, Carlos Vargas, líder da cooperativa de café vencedora de prêmios CoopeTarrazu, em Costa Rica, esses novos membros garantiram que os produtores existentes no Fair Trade, bem como produtores e trabalhadores que ainda não estão recebendo os benefícios do Fair Trade, sejam incluídos no controle e na direção estratégica da Fair Trade USA.

Além disso, a Fair Trade USA recentemente criou o Conselho de Inovação de Café, composto por líderes de cooperativas, organizações de trabalhadores rurais, companhias de torrefação e ONGs. O Conselho aconselhou a Fair Trade USA sobre como inovar e melhorar o atual modelo para café Fair Trade Certified para aumentar o impacto positivo a todos os participantes.

"A Co-op Link, o Conselho de Inovação de Café, e o fortalecimento de nossa diretoria terão um papel integral na formação futura do Fair Trade", disse o presidente e diretor executivo da Fair Trade USA, Paul Rice. "Para aproveitar os resultados sem precedentes de 2011, para fazer um avanço significativo na pobreza global e para dobrar o impacto do Fair Trade, precisamos ouvir e aprender com uma ampla variedade de pessoas envolvidas no setor. Precisamos também contunuar fortalecendo essas comunidades rurais que continuam sendo a espinha dorsal do Fair Trade, enquanto cuidadosamente exploramos como podemos incluir mais pessoas nos benefícios desse modelo".

As informações são do Portal www.fairtradeusa.org, traduzidas e adaptadas pela Equipe CaféPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade