ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Recomendação de gesso agrícola para a cultura do café

POR ANDRÉ GUARÇONI M.

SOLOS E NUTRIÇÃO

EM 11/09/2006

37
0
A maioria dos solos utilizados para o plantio do café no Brasil apresenta baixos teores de cálcio trocável e elevados teores de alumínio, especialmente em camadas mais profundas. Dessa forma, as raízes do cafeeiro tendem a ficar concentradas na superfície do solo, o que torna as plantas extremamente suscetíveis a veranicos, além de reduzir a absorção de nutrientes que estão distribuídos em um maior volume de solo. Mas porque as raízes se concentram na superfície?

O efeito do calcário, em geral, não é observado em camadas mais profundas do solo, uma vez que o ânion acompanhante carbonato (CO32-) imprime reduzida mobilidade ao cálcio no perfil do solo. É por isso que, ao se recomendar a calagem em cobertura, deve-se fazer a correção para 7 cm de profundidade, para que não ocorra uma supercalegem. Assim, grande parte do cálcio fica restrita às camadas superficiais do solo.

O cálcio, por sua vez, é um elemento essencial para o crescimento vegetal, apresentando mobilidade intermediária no solo e pouquíssima, ou nenhuma, mobilidade nas plantas. Dessa forma, o cálcio enviado das raízes para as folhas do café não é retranslocado para as raízes novamente, como acontece com o fósforo. Pode-se, então, fazer uma afirmativa de fácil entendimento: "as raízes do cafeeiro crescem em busca de cálcio, e, onde não houver cálcio, praticamente não haverá raízes de café".

Além disso, o alumínio (Al3+) presente em camadas inferiores, não corrigidas pelo calcário, é tóxico para as plantas em concentrações elevadas. Portanto, haverá pouco crescimento radicular nessas camadas, devido aos baixos teores de cálcio e à possível toxidez de alumínio.

Para contornar esse problema, que muitas vezes não fica explícito, mas que reduz a produção das lavouras, deve-se utilizar o gesso. O gesso agrícola é composto basicamente por sulfato de cálcio (CaSO4.2H2O), contendo, aproximadamente, 32,6 % de CaO e 18,7 % de S, sendo fonte, além de cálcio, de enxofre. É um sal neutro e dissocia-se, quando em solução, em Ca2+ e SO4-2. Logo, não apresenta receptores de prótons (OH- e HCO3- ), ou seja, não é capaz, a princípio, de neutralizar a acidez do solo, muito menos de elevar a CTC. Dessa forma, é considerado como um condicionador do solo, não um corretivo.

O ânion acompanhante sulfato (SO42-) imprime elevada mobilidade ao cálcio, permitindo que este nutriente chegue a camadas mais profundas do solo. Além disso, o sulfato, oriundo do gesso, se liga ao alumínio do solo, formando o sulfato de alumínio (AlSO4+), que é uma forma menos tóxica para as plantas. O gesso promove, também, outras formas de redução da toxidez de alumínio, como a "auto-calagem" ou a formação de AlF2+, mas essas ocorrem com menor intensidade do que a formação de AlSO4+.

Por fornecer enxofre e cálcio, dar mobilidade ao cálcio até camadas mais profundas do solo e reduzir a toxidez de alumínio em sub-superfície, o gesso é um insumo fundamental para a cultura do café, pois favorece o crescimento e o desenvolvimento radicular. Com isso, as plantas ficam menos sensíveis a períodos de veranico e são capazes de absorver nutrientes presentes em um maior volume de solo.


Aplicação de gesso

O gesso é um importante insumo para a cafeicultura, mas tem seu emprego limitado a situações particulares bem definidas. O uso indiscriminado de gesso nas lavouras pode causar problemas em vez de benefícios e prejuízos em vez de lucros.

A utilização do gesso é prescrita para as três situações de sub-solo listadas a seguir. Se apenas uma delas for satisfeita, deve-se aplicar o gesso.

- Teor de cálcio menor ou igual a 0,4 cmolc/dm3.

- Teor de alumínio maior que 0,5 cmolc/dm3.

- Saturação por alumínio (m) maior que 30 %.

Essas são situações a serem determinadas no sub-solo, por meio de análises químicas. Portanto, a amostragem de solo, para esse caso, deve ser realizada na camada de 20 - 40 cm de profundidade, ou mais profundas, não na de 0 - 20 cm. Para verificar a necessidade de aplicação de gesso, os resultados analíticos da camada de 0 - 20 cm não querem dizer muita coisa. Essa decisão só pode ser tomada a partir dos resultados analíticos da camada de 20 - 40 cm.

Concluindo-se pela aplicação do gesso, segundo as três regras citadas, o cálculo da quantidade a ser utilizada é muito simples e baseado no cálculo para a necessidade de calagem (já discutido em artigo anterior). Divide-se em necessidade de gessagem (NG) e quantidade de gesso a ser aplicada (QG).

NG = 0,30 x NC, onde:

NG = Necessidade de gesso, em t/ha.

NC = Necessidade de calcário, em t/ha (calculada para a camada que se deseja corrigir com gesso, não para a camada de 0 - 20 cm. Essa NC é utilizada apenas para o cálculo da NG, não sendo aplicada ao solo).

QG = NG x (SC/100) x (PF/20), onde:

QG = Quantidade de gesso a ser aplicada para corrigir determinada camada de solo, em t/ha.

NG = Necessidade de gesso, em t/ha.

SC = Superfície coberta pelo gesso, em %. (para área total utiliza-se SC = 100 %; para aplicação em faixas utiliza-se SC = 75 %).

PF = Espessura da camada onde o gesso deverá agir, em cm. (para a camada de 20 a 40 cm utiliza-se PF = 20 cm; para a camada de 30 a 60 cm utiliza-se PF = 30 cm).

O gesso pode ser aplicado junto com o calcário, mas é preferível que seja usado após a aplicação deste. Aplica-se a quantidade de calcário calculada para a camada de 0-20 cm e a quantidade de gesso calculada para a camada sub-superficial. O gesso pode ser aplicado em cobertura, sem necessidade de incorporação, pois é muito móvel no solo. Se não houver necessidade de calagem para a camada superficial, pode-se aplicar apenas o gesso, mas esta condição deve ser revista anualmente.

A aplicação de gesso, mal calculada e sem o prévio conhecimento se há necessidade de calagem para a camada superficial, é prejudicial ao equilíbrio químico do solo e à nutrição balanceada do cafeeiro. No entanto, quando bem prescrita e calculada, a aplicação de gesso é fundamental para que sejam alcançadas elevadas produtividades na cafeicultura.

ANDRÉ GUARÇONI M.

D.Sc. em Solos e Nutrição de Plantas pela Universidade Federal de Viçosa-MG. Pesquisador do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper)

37

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FERNANDO FABIANO

CONCEIÇÃO DA APARECIDA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 16/08/2017

Doutor André,



Seus artigos são muito bons, pois nos esclarecem muito a respeito de fertilidade. A minha dúvida surge quando o senhor cita que em aplicações em área total se usa um SC de 100% e, para aplicações em faixas, usa-se 75%.



Em espaçamentos mecanizados, onde a aplicação é feita em faixas, independente do número de plantas por hectare, eu posso colocar a SC em 75%? Isso também vale para o cálculo de calagem? Fazendo esse ajuste eu corro algum risco de aplicar mais do que o necessário na faixa?



Obrigado pela resposta da uréia em fertirrigação, me ajudou muito!!!



Um grande abraço!
ESTEVAO

GUAÇUÍ - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 11/04/2017

com aplicaçao de gesso consigo diminuir a bienualidade do cafe arabica?
PEDRO DIAS MOREIRA

DIVINO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 19/11/2016

Muitos de nós já sabemos até mesmo por algumas experiências que o uso do gesso é interessante, porém, esbarramos num problema que é o transporte desse produto devido a distância, ao que me parece a fonte mais próxima é Santos SP. Daí a dificuldade.Gostaria de saber se já existe no mercado o "gesso seco",pois, o que limita o transporte da fonte é que é úmido e fica oneroso seu transporte .
ROBSON AVILA

SÃO JOÃO DEL REI - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 17/08/2016

Bom dia! Gostaria de saber a respeito do gesso LIQUIDO.  veracidade das características do produto.
KLERISTON GOMES DE ABREU

GOIÂNIA - GOIÁS - ESTUDANTE

EM 13/02/2016

boa tarde!!



meu nome e kleriston



Super dosagem do gesso em cafeeiro, o que pode acontecer?
ELIONEI FREITAS

BREJETUBA - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 21/04/2015

CARO DOUTOR ANDRE



ESTOU A TEMPOS A PROCURA DE UMA CONSULTORIA TÉCNICA NO SEGUIMENTO DO GESSO , SOU DE BREJETUBA,QUERIA SABER SOBRE DIFERENCAS DE GESSO,SE O MESMO USADO NA CONTRUCAO CIVIL   ONDE  ENCONTRAR E SOBRE COMO JOGAR NO SOLO, VC DA CONSULTORIA NA INCAPER AINDA, DESDE JA AGRADECO
JOAO BATISTA

MONSENHOR PAULO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 08/11/2014

o tecnico me recomendou jogar 1t gesso (joguei) em 1500 pes cafe mas a analise foi feita 0a20 Acho que vou ter problemas,acho que o tecnico so queria vender o gesso oque devo fazer desde ja agradeço sua atençao espero sua opiniao
EDWIN JIMENEZ

INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 03/09/2013

Rosa de Faria



Obrigado pelo seu comentario. Se voce me manda seu correio, eu mando mais informacao.



Atentamente,
ROSA ANGELA DE FARIA

EM 02/09/2013

faço o curso técnico em cafeicultura, suas informações são muito importantes para nós, em nossas tarefas. Obrigada;
GERMANO TIRADENTES ANANIAS

CAMPOS ALTOS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 26/02/2013

Parabéns,  bom dia dr. André  Guarçoni , o que vc me orienta na adubação quimica no café jogar o cloreto de potassio  separado?
SIDNEY ANDERSON DOS SANTOS

VALPARAÍSO DE GOIÁS - GOIÁS - ESTUDANTE

EM 04/02/2013

Caro Dr. André,



Belo artigo sobre gesso agrícola... Tenho uma dúvida, caso possa esclarecer ficarei muito grato. O gesso agrícola tem prazo de validade ou é indeterminada? Em uma embalagem que comprei ano passado vem escrito "prazo de validade de 6 meses após a data de fabricação".  Achei um pouco estranho pois boa parte destes insumos são de validade indeterminada! Sou totalmente leigo!... Desculpa a minha ignorância.



Grato pela atenção.



Um forte abraço.



Sidney Anderson
CASSIO DE FARIA VENTURINI

SANTA TEREZA - ESPÍRITO SANTO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 15/01/2013

Olá  Dº Guarçoni, fugindo um pouco do foco, o que você me orienta sobre o uso do calcário líquido, pois a maioria dos produtores dizem que é bom, mas na verdade não tem conhecimento nenhum do produto.


Desde já agradeço pela atenção!



Att:. Cassio Venturini
ANDRÉ GUARÇONI M.

VENDA NOVA DO IMIGRANTE - ESPÍRITO SANTO - PESQUISA/ENSINO

EM 10/01/2013

Prezado(a) Maquecelia Vilela,

Parabéns por produzir 100 sc/ha de café conilon. Sabemos que isso não é fácil, especialmente conseguindo o maior retorno possível por área.

O tempo irá provar nossa fé.

Sucesso.

André Guarçoni M.

MAQUECELIA VILELA

VITÓRIA - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 09/01/2013

utilizo em minhas lavouras altas dose de gesso agricola e nao acredito em desbalanco de nutrientes, pois quimicamente isso ocorre mas o que paga a conta é a produçao de minha lavoura de conilon. Tenho 120 ha com media de 100sacas  e  gostaria de conhecer algumas lavouras que o uso de doses altas de gesso agricola  provocou danos e baixas eficiencias de produçao. O mais importante nao e a analise analitica e sim  o resultado economico das lavouras.


CASSIO DE FARIA VENTURINI

SANTA TEREZA - ESPÍRITO SANTO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 09/01/2013

Agradeço  muito pela sua explicação, muito bom mesmo..

Também não concordo muito com a restrição de 3 t/ha.

Valeu mesmo, abraços e sucesso tb!

Att Cassio de Faria Venturini
ANDRÉ GUARÇONI M.

VENDA NOVA DO IMIGRANTE - ESPÍRITO SANTO - PESQUISA/ENSINO

EM 08/01/2013

Prezado Cássio de Faria Venturini,



Você deve calcular a quantidade de gesso relativa ao resultado da necessidade de calagem para a camada de 20-40 cm de profundidade, independente da magnitude do valor. No seu exemplo, você deve calcular sobre as 4,2 t/ha.



Existem duas razões para isso. A primeira razão está ligada ao fato de que a necessidade de calcário (NC) calculada não será efetivamente aplicada ao solo, servido apenas como um passo intermediário no cálculo da necessidade de gesso (NG). A segunda razão consiste na controvérsia existente quanto à recomendação de se aplicar no máximo 3 t/ha de calcário. Não há fundamentação teórica ou prática para que se mantenha essa recomendação. Obviamente, devemos supor que os cálculos seriam bem feitos, considerando as reduções na quantidade de calcário a ser aplicada, ou seja, a redução que se faz na quantidade se o calcário for aplicado em cobertura e/ou em faixas. Se o cálculo da NC e das reduções for bem feito, não vejo problema em se adicionar ao solo 4,2 t/ha em uma única aplicação.



Essa recomendação (máximo 3 t/ha) assume caráter ainda mais grave se formos pensar numa aplicação de calcário em área total, com incorporação. Ora, se a NC calculada é de 6 t/ha de calcário, a ser aplicado na área total de um hectare e incorporado até 20 cm de profundidade, a limitação da dose a 3 t/ha não faria qualquer sentido ou promoveria qualquer efeito.



Sucesso.



André Guarçoni M.

CASSIO DE FARIA VENTURINI

SANTA TEREZA - ESPÍRITO SANTO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 07/01/2013

Caro colega, se calcularmos a quantidade de gesso agrícola para a camada de 20 - 40 cm, devemos calcular a quantidade de calcária a ser aplicado para ter a dose ideal. Mas se por exemplo, a quantidade de calcário for igual a 4,2 t/ha, devo fazer o cálculo dos 30% em cima deste valor, ou em relação a 3 t/ha, já que a recomendação é de não ultrapassar essa dose de aplicação por ha.

desde já agradeço pela atenção!
GINOAZZOLINI NETO

LONDRINA - PARANÁ - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 13/11/2012

A Laborsolo de Londrina me fez uma recomendação de gesso e calcáreo. Não falou nada de supersimples, mas fiquei interessado no resultado. Minha lavoura foi esqueletada e apresentou necessidade de correção. No dizer do professor, após a análise de solo é preciso saber o que temos de bom que a planta não está absorvendo. E isto só é possível com a correção do solo.
ANDRÉ GUARÇONI M.

VENDA NOVA DO IMIGRANTE - ESPÍRITO SANTO - PESQUISA/ENSINO

EM 13/11/2012

Prezado Josias,

Aparentemente há necessidade, pois se o teor de alumínio for maior que 0,5 cmolc/dm3 deve-se aplicar o gesso. Mas lembre-se, estes resultados devem ser relativos a amostras coletadas na profundidade de 20-40 cm ou mais.

Sucesso.

André Guarçoni M.

ANDRÉ GUARÇONI M.

VENDA NOVA DO IMIGRANTE - ESPÍRITO SANTO - PESQUISA/ENSINO

EM 13/11/2012

Prezado Gleson Santos Luz,

Aplicar o gesso junto com o super simples não é muito adequado, pois o excesso de cálcio pode reduzir o aproveitamento do fósforo pela planta. Nesse caso, seria melhor aplicar o gesso junto com o calcário, esperar de 20 a 30 dias, de acordo com o regime de chuvas, e fazer a aplicação do super simples.

Sucesso.

André Guarçoni M.