ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Irrigação por aspersão em malha em cafezais

POR ANDRÉ LUÍS T. FERNANDES

E LUIS CESAR DIAS DRUMOND

IRRIGAÇÃO

EM 07/06/2006

37
0

O sistema de aspersão convencional utiliza dispositivos mecânicos, denominados aspersores, que distribuem a água sob a forma de chuva artificial sobre as plantas. A formação de gotas é conseguida pela passagem do fluxo de água sob pressão por meio dos aspersores que possuem modelos e características variáveis. A pressão necessária para o fracionamento da água é obtida com a utilização de conjuntos motobombas ou com diferença de nível considerável, entre a captação e a área a ser irrigada.

A irrigação por aspersão começou a ser utilizada na agricultura por volta de 1900, com adaptação de pequenos conjuntos fixos instalados em jardins, hortas e viveiros de mudas. O que incentivou o desenvolvimento da irrigação por aspersão foi a necessidade de irrigar áreas que não era possível a utilização da irrigação por superfície, como, por exemplo, terrenos de encosta, áreas mais elevadas, terrenos com declividade mais acentuada e superfície menos uniforme.

Houve grande desenvolvimento deste método de irrigação no início do século XX, com o avanço das indústrias de fabricação de tubulações, que passaram a ser fabricadas com materiais plásticos, ferro, alumínio. O surgimento dos primeiros aspersores rotativos aconteceu entre 1914 e 1922, nos Estados Unidos e na Europa. Passaram então, a ser o grande incentivador da irrigação por aspersão.

Os sistemas de irrigação por aspersão podem ser classificados de acordo com o tipo de tubulação usada, o modo de instalação no campo, os tipos de engates entre as tubulações, a movimentação das linhas laterais no campo e o manejo da irrigação. Desta forma podemos classificá-los da seguinte forma:

  • Sistemas fixos;
  • Sistemas com movimentação manual (convencional e em malha);
  • Sistemas de montagem direta;
  • Sistemas mecanizados.

Um dos sistemas que vêm chamando bastante a atenção ultimamente é o sistema de aspersão em malha, por suas vantagens em relação aos demais tipos de irrigação.

Um dos sistemas que vêm chamando bastante a atenção ultimamente é o sistema de aspersão em malha, por suas vantagens em relação aos demais tipos de irrigação.

FUNCIONAMENTO

No sistema de aspersão em malha, as linhas laterais, de derivação e principal são enterradas, necessitando apenas da mudança dos aspersores. Com isso, a mão-de-obra é sensivelmente reduzida em comparação com o sistema de aspersão convencional, que necessita de mudança tanto dos aspersores quanto das linhas laterais (Figura 1).

Na prática, em projetos de irrigação em malha, tem-se observado que um homem opera um sistema de 75 a 100 hectares, quando se utilizam aspersores de baixo e médio alcance. Nestes projetos os aspersores instalados são espaçados desde 12 x 12 m até 24 x 24 m.

Em áreas maiores, tem-se empregado mini-canhões e canhões, que são instalados em espaçamentos que variam desde 30 x 30 m até 42 x 42 m. Nesse caso, é comum um homem operar sistemas de 150 a 200 hectares.

Figura 1 - Comparação sistema de irrigação em malha (A) e convencional (B)
Na maioria dos casos, funciona apenas um aspersor por malha (Figura 2), mas é possível projetar sistemas com mais de um aspersor funcionando.

Figura 2 - Funcionamento de 1 aspersor por malha (mais comum)

A montagem deste sistema no campo é relativamente simples. Os tubos de PVC, que compõem as malhas, ficam enterrados cerca de 30 cm (Figura 3). 

Figura 3 - Esquema do acondicionamento das malhas no solo.

Se for necessária uma aração, esta deve ser feita, antes da montagem. Quando há necessidade de transitar máquinas sobre a tubulação enterrada, esta parte da tubulação deverá ficar cerca de 80 cm de profundidade. Nos pontos onde serão instalados os tubos de subida dos aspersores, assentam-se as estacas de madeira ou outro material, que darão suporte aos mesmos.

A altura dos aspersores acima da superfície do solo irá depender da cultura a ser irrigada. No caso de pastagem, ficarão a cerca de 40 cm em relação ao nível do solo. No caso do café, por se tratar de uma cultura de porte mais elevado, deve-se prever um prolongamento no tubo e o uso de tripé, de acordo com o crescimento das plantas. Sendo comum mudarmos a estaca ou utilizarmos a própria planta como apoio do tubo. As variações e possíveis adaptações são efetuadas de acordo com a conveniência de cada projeto.

Depois de efetuada a montagem das malhas, testa-se o sistema para verificar qualquer tipo vazamento. Somente após esse teste, valetas que acondicionam os tubos serão fechadas. É claro que para realizar o teste, o conjunto moto bomba tem que estar montado e pronto para funcionar.

Os pontos nos quais não estão acoplados os aspersores estão fechados com cap roscáveis (tampão com rosca que ficará sobre o adaptador).

Em cada malha funcionará um ou dois aspersores, dependendo do projeto. A malha é composta dos pontos que estão interligados e é conveniente pintarmos cada malha de uma determinada cor.  Assim, a base do aspersor ou do regulador de pressão deverá ser pintado da mesma cor da malha que irá irrigar. A variação de cores para identificação das malhas constitui-se numa boa maneira para treinamento do funcionário. Ele saberá que um aspersor pintado de verde, por exemplo, não poderá estar na malha azul. Somente circulará pela malha verde. É forma mais fácil para treinar a mão-de-obra que irá manejar o sistema.

O tempo de funcionamento do aspersor por posição irá depender da evapotranspiração, da capacidade de retenção de água no solo, do estágio de desenvolvimento da cultura, entre outros.

Após completar esta irrigação, deve-se desligar a bomba e trocar os aspersores para a outra posição. Com isto estarão sendo irrigadas pelo menos duas posições por dia por aspersor (uma de dia e outra de noite).

Um detalhe importante se refere ao modo de ligar e desligar o sistema de bombeamento. Antes de ligar a bomba, que é normalmente centrífuga, o registro de gaveta que deverá ser instalado na tubulação de recalque (saída da bomba) tem que estar fechado. Liga-se a bomba e abre-se o registro. Antes de desligar a bomba é necessário fechar o registro novamente. Bombas centrífugas devem ser ligadas e desligadas com o registro do recalque fechado.

Vantagens

1.A utilização de tubos de PVC de baixo diâmetro, que constituem as linhas laterais que, ao contrário da aspersão convencional, são interligadas em malha;
2.Baixo consumo de energia, em torno de 0,60 a 1,30 CV / ha;
3.Adaptação a qualquer tipo de terreno;
4.Possibilidade de divisão da área em várias subáreas;
5.Facilidade de operação e manutenção;
6.Possibilidade de fertirrigação;
7.Possibilidade de aplicação de dejetos;
8.Baixo custo de instalação (R$ 1500,00 a 2500,00/ha) e manutenção.

Limitações

1.Impossibilidade de automação;
2.Maior dependência de mão-de-obra, quando comparado aos sistemas automatizados (Pivô Central);
3.Necessidade de abertura de valetas para acondicionamento das tubulações dispostas em malha.

Conclusões

A irrigação por aspersão em malha insere-se dentro dos conceitos da nova cultura irrigada, pois se trata de um sistema simples e efetivo. Esta técnica possui custos altamente competitivos, de fácil implantação, baixo consumo de energia, quando comparado a outros sistemas de irrigação. A utilização desse sistema tomou novos rumos com a irrigação de pastagens e vem ampliando-se para outras áreas, como a cafeicultura.

Publicações


Com as duas publicações, pretende-se contribuir para a difusão e expansão desse sistema de irrigação, fornecendo um conhecimento sistematizado sobre o tema.

ANDRÉ LUÍS T. FERNANDES

LUIS CESAR DIAS DRUMOND

37

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ANDRÉ LUÍS TEIXEIRA FERNANDES

UBERABA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 10/07/2017

Rafael, posso enviar as publicações por email.

Favor enviar para andre.fernandes@uniube.br

Obrigado.

André Fernandes
RAFAEL MAFFESSONI

BAIXA GRANDE DO RIBEIRO - PIAUÍ - MÉDICO VETERINÁRIO

EM 08/07/2017

Boa dia,

Como faz pra adquirir as publicações? E existe alguma empresa ou engenheiro que faz o projeto completo??
FRANCISCO PEREIRA DE AZEVEDO

AQUIDABÃ - SERGIPE

EM 07/06/2017

Gostaria de adquirir o livro: "Utilização de aspersão em malha na cafeicultura familiar". - franciscopazevedo2@bol.com.br

Grato,

Francisco.


ANDRÉ LUÍS TEIXEIRA FERNANDES

UBERABA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 03/11/2015

Ok, vou enviar por email.
RIVELINO

SÃO JOÃO DEL REI - MINAS GERAIS

EM 02/11/2015

Gostaria de adquirir os livros favor enviar-me as orientações.

rivelinoavila@hotmail.com
RIVELINO

SÃO JOÃO DEL REI - MINAS GERAIS

EM 02/11/2015

Olá,

Gostaria de saber se vc pode me indicar algum profissional em MG capaz de elaborar e implantar um sistema de irrigação conforme descrito neste artigo.

Sou criador de gado de leite e após algumas pesquisas observei que este sistema é também utilizado na pecuária de leite.

Pretendo implantar um sistema em mais ou menos 3 hectares.

Att;

Rivelino.
ANDRÉ LUÍS TEIXEIRA FERNANDES

UBERABA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 06/10/2015

Caro Marcos, vou enviar a forma como adquirir por email.

Obrigado.

André Fernandes
MARCUS VINICIUS AMATO

POTIRENDABA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE CAFÉ

EM 19/09/2015

gostaria de saber como adquirir o livro UTILIZACAO DE ASPERSAO EM MALHA NA CAFEICULTURA FAMILIAR .. GRATO

MARCUS V. AMATO ,,

vinicios.amato@terra.com.br
KEDMA DE LIMA PEREIRA

EM 09/03/2015

Olá me chamo Kedma e gostaria de obter seu livro segue meu email. lima.kedma@gmail.com
RONALDO CAMARGO

NOVA XAVANTINA - MATO GROSSO

EM 19/10/2014

preciso saber urgente que potencia do motor devo usar quantos cv em uma area de duas hc  planas.sem declive e que canos  .posso sair com o cano de 50 e as linhas de malhas por 25 . quantos aspesores pode ficar ligados
RONALDO CAMARGO

NOVA XAVANTINA - MATO GROSSO

EM 19/10/2014

favor me enviar as dicas para comprar o livro de irrigaçao em malhas pois vou montar uma em  minha propriedade  e nao tenho conhecimento sobre   a mesma  com o livro eu poderei me informar mas   meu htmail    trunifort@hotmail.com
RAULISON ANANIAS NERY DA SILVA

SOBRADINHO - BAHIA - COMÉRCIO DE CAFÉ (B2B)

EM 26/08/2014

Raulison Rhuan Nery. SOBRADINHO- BA.

      GOSTARIA DE  TIRAR DUVIDAS , SOBRE ESPAÇAMENTOS ADEQUADO,    ENTRE RUAS E BICOS,   SE TEM UM QUANTIDADE DE  BICOS  EQUIVALENTES PARA""  cada motor cv e vazão """,     no caso de mini canhão e canhão.Obrigado . tenho interesse nas edições,  raulisonnery@live.com
JASMINA

MONTE DO CARMO - TOCANTINS

EM 12/06/2013

Gostaria de adquirir seu livro jasmina@brturbo.com.br. passe-me seus dados para pagamento. Grata jasmins
ANDRÉ LUÍS TEIXEIRA FERNANDES

UBERABA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 08/08/2011

Caro Alexsandro, dependendo da uniformidade do seu sistema, é possível fazer sim a aplicação, principalmente de fertilizantes. O ideal é utilizar fontes mais solúveis, como o cloreto de potássio branco, a uréia e o MAP purificado.

Para defensivos, o cuidado deve ser maior. Existem alguns inseticidas e fungicidas registrados para a aplicação via água de irrigação, de várias empresas.

At.

Prof. André Fernandes

ALEXSANDRO PIVETTA

SANTA TEREZA - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 05/08/2011

eu gostei muito do tipo de irrigação de malha com asperssores pequenos e bem dividos em espaçamentos de 12 mts por 14 tem boa uniformidade pouca perca de água em relação a asperssores canhão enfim... Gostaria de saber se tem como usar a irrigação para polvarização de defensivos e fertilizantes ? e se é viável?

desde já agradeço.

atenciosamente

Alexsandro
ANDRÉ LUÍS TEIXEIRA FERNANDES

UBERABA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 17/01/2011

"Prezado GABRIEL ARCANJO DE SOUZA", para adquirir as publicações de aspersão em malha citadas no artigo, pode enviar e-mail solicitando (andre.fernandes@uniube.br).
At.
Prof. André Fernandes

GABRIEL ARCANJO DE SOUZA

JOÃO MONLEVADE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 14/01/2011


Pretendo adquirir as duas publicações sobre a irrigação por aspersão em malha. Como devo proceder?


Gabriel Arcanjo de Souza
ANDRÉ LUÍS TEIXEIRA FERNANDES

UBERABA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 03/11/2009

"Prezado Virgilio Ferraz Ribeiro Júnior"

Temos uma publicação que pode trazer estas e muitas outras respostas: "Utilização da aspersão em malha na cafeicultura familiar".

Se houver interesse na aquisição, favor me enviar um e-mail.

Prof. André Fernandes - Uniube/Fazu
VIRGILIO FERRAZ RIBEIRO JUNIOR

MORRO DO CHAPÉU - BAHIA - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 02/11/2009

Amigos,

Tenho u0m sistema de aspersão montado em minha fazenda, e tenho algumas dúvidas, tais como:

Como saber se o emissor está trabalhando com a pressão correta e quantos emissores posso ligar ao mesmo tempo com a minha vazão?

Com qual das publicações posso tirar essas dúvidas e como posso comprar?

Grato,
JOSÉ AFONSO LAURENTINO JÚNIOR

ITABUNA - BAHIA - ESTUDANTE

EM 28/05/2008

Agradeço a resposta pela pergunta que fiz.
Este meio de comunicação, com vocês pesquisadores, é sem dúvida formidável. Para qual e-mail posso enviar o pedido dos livros?
Encerro com mais agradecimentos.