FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Variedades e podas podem minimizar efeitos de stress hídrico em cafeeiros

POR JOSÉ BRAZ MATIELLO

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO

EM 05/08/2019

0
0

As observações de campo mostram que em regiões cafeeiras mais sujeitas a stress hídrico, a adoção de variedades adequadas e o uso de podas auxiliam na redução dos efeitos da falta de água.

Quanto às variedades de café em cultivo no Brasil, a conilon, pertencente à espécie Coffea canephora, logicamente é a que se mostra mais resistente à seca. Nas cultivares arábica, dentre as tradicionais se destaca a Catuaí, pelo seu porte baixo e copa compacta, com mais tolerância a stress hídrico. Nas cultivares novas são bem resistentes à seca a cultivar Siriema, os Catucaís, Azulão (36/6 cv 366), Beija-Flor (36/6 cv 365) e o Japy (19/8), além dos Acauãs em geral. Destaca-se, ainda, que estas cultivares são também resistentes à ferrugem.

Quanto ao uso de podas, o efeito benéfico desta prática ocorre pela redução da parte aérea das plantas de café, resultando em melhor equilíbrio com seu sistema radicular. Assim, podas como decote, esqueletamento e mesmo recepa melhoram muito o estado hídrico das plantas. Também, a renovação da ramagem lateral pela poda, substituindo porções velhas e muito finas dos ramos, por outras novas e mais curtas e grossas, melhora toda circulação de água/nutrientes nos cafeeiros podados.

Na região de Bonito (BA), na Chapada Diamantina, onde ocorrem déficits hídricos frequentes, os talhões de cafeeiros formados com as cultivares Japy e Beija-Flor tem se comportado sempre com melhor enfolhamento e boa produtividade, quando comparados com os demais. Também nessa região, que exemplifica o que pode ocorrer nos diferentes ambientes cafeeiros com déficits hídricos prejudiciais, a aplicação de decotes sucessivos a cada 2-3 anos, reduzindo a altura das plantas, tem resultado em cafeeiros sempre mais enfolhados, vigorosos e produtivos, com frutos bem granados e com maior garantia de safra, apesar dos déficits.

O manejo de cafeeiros com copa mais reduzida significa, deste modo, uma boa alternativa, juntamente com a utilização de variedades mais tolerantes ao stress hídrico, para o manejo de cafezais em zonas com deficiências no regime de chuvas.


Contraste entre cafeeiros altos, sem poda (a direita) e com decote (a esquerda) - Bonito (BA), maio/19


Detalhe de cafeeiros decotados, com redução de copa, em bom estado vegetativo - Bonito, Chapada Diamantina (BA), maio/19


Detalhe de cafeeiros da cultivar Japy em bom estado vegetativo, mesmo em período sem chuvas - Bonito (BA), maio/19

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.