FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Trincha ajuda no aproveitamento da matéria orgânica na lavoura de café

POR JOSÉ BRAZ MATIELLO

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO

EM 24/08/2016

1
0
Por José Braz Matiello, engenheiro agrônomo da Fundação Procafé e Celio Landi Pereira, engenheiro agrônomo da Fazenda Santa Helena

A lavoura de café se comporta como uma mata ou floresta, num ambiente de cobertura permanente do solo e com dinâmica de reciclagem constante, da folhagem e ramos finos dos cafeeiros, que caem ao chão. Também a cobertura com ervas daninhas nas ruas e o seu controle, em seguida, produz material orgânico. Este deve ser aproveitado, afinal esse material vegetal foi produzido a custa de extração de nutrientes na área, do solo ou dos adubos aplicados. Sua reciclagem fornece nutrientes na forma de lenta liberação, portanto, melhor aproveitados pelos cafeeiros.
No aproveitamento desses resíduos orgânicos, seja oriundo dos cafeeiros, seja do mato, entra um implemento que tem seu uso crescente na cultura cafeeira. Trata-se da trincha, um equipamento composto por um rotor munido de martelos e acionado pela TDF do trator, que faz um efeito de triturador dos restos vegetais.

A trincha, em muitos casos, substitui com um serviço melhor a roçadeira, podendo, caso necessário, passar mais rente ao solo.

Um uso especial para a trincha, com um bom trabalho, tem sido no pós-poda, pra limpar a área e facilitar as operações de tratos posteriores na lavoura, livrando as ruas de galhos ou outras porções de cafeeiros podadas. Ao mesmo tempo triturando essas partes dos cafeeiros, mesmo lenhosas, acelera a sua decomposição, pois quanto menores forem os resíduos, maior vai ser sua área de exposição aos micro-organismos, que vão decompor estes materiais orgânicos.

Nas podas de esqueletamento, recepa ou decote, a passagem da trincha, uma ou duas vezes, vai depender da grossura do material cortado dos cafeeiros e depositado nas ruas da lavoura. Caso seja muito grosso, deve-se fazer uma primeira passada, com a trincha mais alta do solo e, depois, uma segunda, mais baixa, pra terminar o serviço.

Um inconveniente da trincha tem sido o desgaste das laminas/martelos. Isso vem sendo contornado, atualmente, pelo uso de materiais metálicos que sofrem menor desgaste, e, ainda, pelo recondicionamento desses componentes nas próprias fazendas.

Na Fazenda Santa Helena, em Areado (MG), material pós-poda antes da passagem da trincha/ Foto: Procafé
Na Fazenda Santa Helena, em Areado (MG), material pós-poda antes da passagem da trincha

Na mesma área, depois da passagem da trincha, com resíduos triturados, facilitando as operações de trato em seguida e a decomposição do material orgânico / Foto: Procafé
Na mesma área, depois da passagem da trincha, com resíduos triturados, facilitando as operações de trato em seguida e a decomposição do material orgânico.
 

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

NATANAEL PELOSO

CAMPO DO MEIO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 08/10/2016

Excelente Nota dez.