ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Poda em sistema safra zero é a salvação da cafeicultura de montanha

POR JOSÉ BRAZ MATIELLO

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO

EM 18/10/2017

1
0
A poda de esqueletamento em cafeeiros, que leva a zerar a safra baixa, permitindo ter uma safra alta e mais econômica a cada 2 anos, com certeza é a forma mais racional para alcançar maior competitividade e a própria sobrevivência da cafeicultura de montanha.

Foto: Alexia Santi/Agência Ophelia
                                       Foto: Alexia Santi/Agência Ophelia

A cafeicultura de montanha no Brasil é composta por cerca de 700 mil ha de cafezais, cultivados em áreas de topografia acidentada, onde a mecanização normal é impraticável. Com isso, os tratos realizados, em sua maior parte, de forma manual, vêm exigindo o uso de mão-de-obra em grande quantidade, onerando os custos de produção.

Várias práticas alternativas têm procurado facilitar os tratos culturais e a colheita nas
lavouras de café de montanha. A abertura de micro-terraços nas ruas do cafezal e o emprego de derriçadoras motorizadas, de operação manual, são exemplos de evoluções importantes na adaptação do terreno e no maquinário.

Foto: Divulgação
                                                       Foto: Divulgação

A adaptação na lavoura, entretanto, é a prática que consideramos essencial para dar base para toda economia na lavoura. Como o principal fator de uso de mão-de-obra e, consequentemente, na elevação dos custos, é o trabalho com a colheita e, conhecendo que essa operação é mais cara em cafeeiros, a maneira de reduzir custos, como temos visto nas pesquisas e na prática dos cafeicultores, é concentrar a safra a cada 2 anos.

A poda de esqueletamento, ao cortar os ramos laterais, produtivos, evita ou zera a safra baixa e possibilita uma colheita alta, mais barata, a cada 2 anos, de quase a mesma quantidade de café que seria colhido nas duas safras. Ao mesmo tempo, permite economias paralelas aos trabalhos de colheita. Pode-se economizar, no primeiro ano pós-poda, na adubação.

Foto: Divulgação
                                                 Foto: Divulgação

Pode-se fazer uma colheita com maior vigor, podendo até quebrar alguns galhos, pois vai-se corta-los na poda em seguida. Pode-se, ainda, aproveitar a própria poda dos ramos para efetuar a colheita dos frutos desses ramos após a poda. Por isso tudo, os técnicos de AT e os cafeicultores das montanhas precisam adotar mais o
sistema de poda para safra zero, como, aliás, já vem ocorrendo em grande escala nas áreas planas.

É muito evidente que este sistema é ainda mais adequado às lavouras onde não se pode mecanizar. Ali a poda de esqueletamento é, sem duvidas, a “salvação da lavoura”.
 

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOÃO BATISTA VIVARELLI

DIVINOLÂNDIA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 19/10/2017

Bom dia! 



Os artigos do Matieelo sempre são muito bons!!