FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Palha de café deve ser aplicada e não amontoada

POR JOSÉ BRAZ MATIELLO

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO

EM 15/12/2016

9
1
Por J.B. Matiello – engenheiro agrônomo da Fundação Procafé e Hugo Siqueira - engenheiro agrônomo da FAERJ/Senar-RJ

Palha de café amontoada, seja próximo à instalação de beneficiamento, seja junto a carreadores na lavoura, é uma forma errada de manejo dessa importante fonte de adubação para os cafezais. Ela, o quanto antes possível, deve ser aplicada junto aos cafeeiros para ser bem aproveitada.

Nas propriedades cafeeiras a palha de café é o principal adubo orgânico produzido. Sendo o mais econômico para retornar à lavoura como fonte nutricional, com liberação lenta de nutrientes e, ainda, melhorando física e biologicamente o solo. Já dentro da propriedade, ela não exige gastos maiores com transporte. Sua quantidade é relativamente elevada, correspondendo ao mesmo peso do café (grãos) produzido. Cada 100 sacas de café comercializadas deixam na propriedade cerca de 6000 kg de palha.

Foto: Procafé

Foto: Procafé
Palha de café amontoada, no carreador (primeira foto) deve ser logo aplicada, sendo que, em terrenos montanhosos, pode ser distribuída em cobertura, do lado de cima da linha de cafeeiros (segundo foto)

A palha de café comum de frutos em coco secos, a mais produzida, contém cerca de 1,5 % de N, 0,15% de P e 3,0 % de K, além de cálcio, magnésio, enxofre e micronutrientes. Seu retorno pra lavoura representa cerca de 35% dos nutrientes retirados pela produção, com economia na adubação química suplementar e com a vantagem, conforme já dito, da liberação lenta dos nutrientes.

O melhor manejo da palha é aquele onde, assim que o café vai sendo beneficiado, a palha vai para a lavoura e lá é distribuída, rapidamente, junto aos cafeeiros. Quando isso não for possível, o monte de palha deve ser protegido, com algum tipo de cobertura, para não tomar chuva, pois a água lava e retira boa parte do potássio existente na palha. Quando molhada, também ela começa a fermentar e pode atingir elevadas temperaturas, podendo até pegar fogo.

Da mesma forma, quando vai para o campo, sendo depositada, em montes, junto aos carreadores, ela deve ser imediatamente distribuída, pois ali, também, pode perder os nutrientes, e o chorume dela saído, um líquido de cor escura, chega a matar plantas de café que ficam próximas aos montes.

Na lavoura a palha deve ser aplicada em cobertura, não precisando de enterrio, como muitos pensam. Sobre o solo ela vai sendo decomposta lentamente, servindo como fonte nutricional e, ainda, como cobertura morta, preservando umidade no solo. A dose empregada vai depender da disponibilidade de palha e da necessidade do solo, conforme análise. A regra ideal é usar menores doses em mais áreas, pela vantagem do seu efeito orgânico e provedor de nutrientes letamente disponíveis. O uso da palha deve, sempre, considerar o equilíbrio entre o potássio e cálcio e magnésio no solo, visto que essa matéria orgânica possui alto teor de K.

Durante a formação do cafezal e na fase de produção, a palha de café deve ser distribuída na linha, mais debaixo da saia do cafeeiro, em camadas finas, sem formar montes, nos quais poderiam se desenvolver larvas de moscas, prejudiciais a animais bovinos. Nas áreas montanhosas, colocar na parte superior do declive. Para as áreas mecanizadas, existem carretas distribuidoras de palhas, que facilitam todo o trabalho, antes considerado difícil. A aplicação deve ser feita, de preferência, após a colheita e antes da esparramação. A quantidade de nutrientes aplicada através da adubação orgânica deve ser descontada da adubação química. No quadro aqui incluído pode-se ver a vantagem produtiva adicional da lavoura em experimento quando com doses crescentes de palha de café, de 2,5 até 20 t/ha, sendo que o aumento foi vantajoso até 5-10 t/ha.

Quadro – Produção de café, na média de três safras, em ensaio de substituição da adubação química por diferentes doses de palha de café- Araxá (MG), 2012
Quadro: Fundação Procafé
Fonte – Fernandes, Santinato, Ticle e Santinato – In - Coffee Science, V.8, n.3, p.324-326,2013

9

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DENIS WILLIAM COIMBRA

EM 02/07/2019

Eu espalho a palha também no meio da ruas do cafezal
GERALDO BARBOSA

OURO PRETO - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 23/10/2017

Guilherme Maluf,

Estou iniciando projeto de plantio de café orgânico em Minas Gerais, você gostaria de participar? Se sim, me escreva no:  gnservicos@yahoo.com.br
GILDASIO MENDES LIMA

RONDÔNIA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 29/05/2017

Professor Juarez, bom dia! Gostaria de saber se foi desenvolvido algum projeto de fornalha para secadores de 10t abaixo nível de agricultor familiar que pudesse adaptar a secadores de café de fluxo concorrente, utilizável para eliminar umidade residual após a secagem inicial em terreiros de concreto. Combustível lenha seca em toletes de 0,10m de diâmetro? Alguma tese defendida?
GILDASIO MENDES LIMA

RONDÔNIA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 30/12/2016

Sempre aprendemos que a palha deveria ser curtida, pois o chorume sendo tóxico, prejudica o ambiente das culturas. É uma abstração ou existem ensaios que geram indicadores comparativos?
GUILHERME MALUF

DIVINÓPOLIS - TOCANTINS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 22/12/2016

O correto é fazer uma compostagem com a casca antes de ser fornecida como adubação.

Não deve ser amontoada e nem esparramada sem esse processo. O processo elimina todos os patógenos e estabiliza o material orgânico, favorecendo a melhoria da parte física, química e biológica do solo.

Esparramar in natura, propicia o aumento de plantas daninhas (principalmente corda de viola), micro-organismos maléficos e devido a  maior quantidade de Carbono em relação ao Nitrogênio, vai haver um balanço negativo de Nitrogênio no sistema, ou seja, tira Nitrogênio do solo para se decompor.

Uma alternativa que em recomendo para os produtores que dou assistência é a compostagem ou esparramar no meio da rua, favorecendo a decomposição no meio da rua e fornecendo os nutrientes para as plantas daninhas (principalmente a braquiária) e as mesma por conseguinte roçadas para debaixo da saia do café.
ADELBER VILHENA BRAGA

CAMPESTRE - MINAS GERAIS

EM 16/12/2016

Eu acredito no contrário do comentário anterior. Acho que a palha em quantidade razoável abafa o mato próximo ao cafeeiro e impede a germinação de sementes.
DANIELA ANDRADE

DIVINÓPOLIS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 15/12/2016

Grande problema que vejo na aplicação de palha é o aumento de incidência de plantas daninhas, devido à sementes contidas na palha.. Alguma recomendação quanto à isso?
ANTONIO COSTA REIS

ITAMOGI - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 15/12/2016

EU MISTUREI " BATI" A PALHA COM ESTERCO DE GALINHA E ESPARRAMEI COM A LANÇADEIRA. É CORRETO ??
AMOS CURTIS FERREIRA

MANHUMIRIM - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 15/12/2016

muito bom o esclarecimento