FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Finda uma era de política cafeeira, com bons resultados

POR JOSÉ BRAZ MATIELLO

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO

EM 26/04/2017

2
0
Por J.B. Matiello, engenheiro agrônomo e J. Edgard P. Paiva, engenheiro agrônomo da Presidente e João Marcelo O. de Aguiar, da Gerente Executivo da Fundação Procafé

O estoque oficial de café no Brasil está esgotado. As últimas sacas estão saindo. Chega ao fim uma era de política cafeeira, onde era exercido, com eficiência, o preço mínimo de garantia ao produtor, que gerava aquisições e estocagem, sempre que necessário.

(+ Com estoque público de café zerado, como os mercados devem reagir?)

Foto: Procafé

As últimas sacas, do estoque oficial de café estão saindo

Através dessa política, praticada pelo ex-IBC, os cafés estocados serviram ao ordenamento da oferta, com reflexos nos preços ao produtor e na geração de divisas ao país. O estoque servia, ainda, para dar segurança ao suprimento de café, aos mercados externo e interno, pois as safras cafeeiras no Brasil obedecem a um ciclo bienal de produção, típico da cafeicultura a pleno sol, sucedendo-se safras altas e baixas. Os problemas climáticos, as geadas frequentes aumentavam o risco de perda de safras.

Foto: Procafé

Foto: Procafé

Os armazéns, antes cheios, estão ficando vazios


O estoque vai acabando, mas os resultados estão ficando. Ficam no aumento do consumo do café, com o mercado brasileiro evoluindo muito desde a política de utilização dos estoques excedentes, no estimulo ao consumo no país. Em 1950 eram consumidos, internamente, apenas cerca de 3 milhões de sacas/ano. Duas décadas após, em 1970, com o subsidio de cafés entregues às indústrias, o volume consumido subiu para cerca de 8 milhões de sacas.

Com estímulos de marketing e de controles de qualidade adicionais, sobre aquela base lançada, o consumo chega hoje a cerca de 20 a 21 milhões de sacas de café/ano, sendo o país o segundo maior consumidor mundial do produto, um mercado significativo e exclusivo para os cafeicultores brasileiros.

Os resultados da política cafeeira, da época do IBC ficam, também, através da nova cafeicultura, implantada mediante o Plano de Renovação de Cafezais. O qual criou a base para a transformação das lavouras de café no Brasil, antes com produtividade de 6 a 8 sacas por ha e com safras de 20 a 22 milhões de sacas/ano, para mais de 23 sacas/ha, atualmente.

Na época, em 1970, se tinha cerca de 2,2 bilhões de pés de café, em cerca de 2,5 milhões de hectares. Hoje, são cerca de 7 bilhões em área semelhante, de 2,3 milhões de hectares, assim com aumento do estande de plantas por área e as safras subiram para, agora, o nível de 45 a 50 milhões de sacas/ano.

Foto: Procafé


Foto: Procafé
Novas lavouras, modernas e produtivas, com variedades melhoradas, com mecanização plena e exploração mais empresarial, surgiram do trabalho de renovação e formam a base para maiores níveis de produtividade e das safras brasileiras de café.

Este aumento e melhoria nas lavouras aconteceram, mesmo tendo de superar os problemas de baixa fertilidade dos solos, devidos à expansão dos cafezais para regiões de cerrado, e, ainda, de suplantar as novas doenças e pragas, decorrentes de desequilíbrios, e ultrapassar os períodos críticos de seca dos últimos anos.

Conta-se, agora, com lavouras modernas e produtivas, com boa qualidade dos cafés produzidos. Em grande parte são cafezais com bom nível de mecanização, do plantio à colheita e preparo, muitos com suporte em irrigação e explorados de forma empresarial. Novas variedades, mais produtivas e resistentes, foram e vem sendo introduzidas. Temos, assim, uma lavoura mais competitiva.

A diversificação das regiões produtoras, que foi promovida pelo zoneamento climático do Plano de Renovação de Cafezais, executado pelo ex-IBC, trouxe benefícios adicionais, ao produtor e ao país, pois reduziu o risco e ampliou a margem de segurança para as safras.

Ainda temos a evoluir. Mas a boa herança, os ganhos obtidos no campo econômico-social e no tecnológico, não deve ser esquecida, deve ser valorizada, para embasar fases futuras da política cafeeira. 

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ALEXANDRE CASTRO CAMBRAIA

OLIVEIRA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 01/05/2017

Ainda bem que os estoques públicos estão vse esgotando...pois os leilões de venda realizados pelo governo este ano só serviram para despencar os preços ainda mais!!!

Gente, produtor rural é burro, trouxa, escravo do mercado e dos 4 ou 5 grandes players que controlam precos e dominam o mercado mundial, todos bilionários ao custo do nosso suor e do nosso trabalho... Produtor rural deveria se chamar Sofredor Rural. Não entendo como a classe pode se conformar com preços na casa dos 490 reais...quando eu mesmo vendi café a 6 anos atrás (2011) por 560 reais... Ora, se os custos como salários, energia, combustível, insumos todos subiram vertiginosamente durante todos esses anos...como fazer para se obter o mesmo resultado?

Por favor me digam qual indústria, comércio, serviço, qual empresa de qualquer área ou setor que sobrevive tendo todos seus custos aumentados...e o preços de seus produtos e/ou serviços reduzido? Qualquer comerciante que tem seu custo aumentado repassa os preços ao consumidor. Nós somos os únicos trouxas do mundo no qual o cliente é que  determina o preço que vai pagar no nosso produto!!!? :(  Não sei sinceramente como a cafeicultura sobrevive assim... Sinceramente cansei de ser Sofredor Rural...resolvi partir pro lado da indústria e torrar e comercializar minha própria produção... Cansado de ver os outros colocarem defeitos no meu café e rebaixarem o preço do meu café, que hoje eu sei, é top de linha...Fui finalista do concurso de cafés especiais da Emater 2016 , o que corrobora tudo o que os compradores alegam na hora da venda...o café está verde, está desigual, café de chão, etc...etc...jogando o preço lá embaixo para na venda/exportação ficarem com todo nosso lucro.

A cafeicultura está insustentável nesse país, a maioria das grandes fazendas de café que conheço são de empresários milionários que de tanto lucrar em negociações escusas com o governo em outras áreas ( como a construção civil) resolveram apostar na cafeicultura e " brincar" de produzir café com investimentos milionários para lavar dinheiro...  Tem muito político, e seus amigos laranjas lavando dinheiro das propinas e negociatas excusas em seus negócios na cafeicultura... Esses não precisam de política de  preços justos e renumeradores...não estão nem aí para o lucro e sustentabilidade de seus negócios....então me expliquem como o mero pobre, humilde e simples pequeno ou medio produtor ( Sofredor) rural pode sobreviver em um mercado assim?




EVERTON

LINHARES - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 26/04/2017

Esse é o Brasil. Onde a oferta é baixa e a procura é grande.

E mesmo assim o café continua baixando.