ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Países produtores de café ganham menos com o grão do que os que importam

PRODUÇÃO

EM 22/11/2017

0
0
Da redação

Países produtores de café ganham menos com o grão do que os que importam a commodity, industrializam, registram patentes e comercializam o produto final. A afirmação é da Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI), que publicou um artigo na última segunda-feira (20), sobre o valor adicionado que o produto ganha graças a tecnologia, patentes e inovação. 

Foto: Alexia Santi/Agência Ophelia
                                      Foto: Alexia Santi/Agência Ophelia

De acordo com dados da OMPI, produtores de café vendem o grão, em média, a US$ 1,25 a libra-peso (unidade de medida usada pela Bolsa de Nova York equivalente a 453 gramas) ao exportador, que repassa a commodity para as indústrias a US$ 1,45. Já as torrefadoras negociam, em média, o produto acabado a US$ 4,11.
Segundo noticiou o jornal O Estado de S.Paulo, em 1965 60% da renda do café ficava para o exportador. No fim dos anos 1970 essa taxa era de 50% e, em 2013, ele ficava com a menor parte, cerca de um terço. Para o diretor executivo da Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), Nathan Herszkowicz, essa é uma regra geral do mercado: "os extremos da cadeia (produtor e indústria) têm remuneração diferente. O grande desafio é fazer os produtores agregarem valor ao grão."

De acordo com a OMPI, cafeicultores podem tirar maior proveito de seus recursos naturais com a produção dos cafés especiais, que vêm ganhando espaço nos países desenvolvidos. Estimativas apontam que, apenas no Brasil, os produtores poderiam aumentar sua renda em US$ 137 milhões com um café de alta qualidade que seria fornecido para empresas de fora, porém, ainda assim, é o vendedor final na Europa, Japão ou EUA que fica com US$ 17,45.O Brasil é o maior produtor e exportador global de café. A maior parte da produção em grão é cultivada nos países do Hemisfério Sul, onde, de acordo com jornal O Estado de S.Paulo, 26 milhões de fazendeiros dependem da cultura para a sua subsistência. Porém, das 35 mil xícaras de café vendidas no mundo a cada segundo, 70% ocorrem nos países do Hemisfério Norte. 

Em relação a torrefação, sete grandes multinacionais controlam 40% do café comercializado no mundo, entre elas a alemã Jacobs Kronung, a americana Maxwell House, a suíça Nestlé e a italiana Luigi Lavazza.

0

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.