ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Exportação de café deve ganhar força com a entrada da safra 2017/2018

POR EQUIPE CAFÉPOINT

PRODUÇÃO

EM 12/06/2017

1
0
Por Camila Cechinel  

Em maio, as exportações brasileiras de café verde e industrializado somaram 2,4 milhões de sacas, queda de 3,6% em relação ao mesmo mês do ano passado. O volume ficou abaixo do que o segmento é capaz de embarcar, mas o cenário pode mudar com a entrada da safra 2017/2018, segundo o presidente do Conselho dos Exportadores de Café (Cecafé), Nelson Carvalhaes, na última sexta-feira (09). 

Foto: Alexia Santiagencia Ophelia/ Café Editora
                   Foto: Alexia Santiagencia Ophelia/ Café Editora

Segundo o  dirigente, a exportação de 3 milhões de sacas para baixo por mês não é normal para o país, que tem capacidade de embarcar entre 3 milhões e 3,5 milhões de sacas mensalmente. Porém, fatores climáticos ocorridos em 2016 influenciaram no rendimento das lavouras.  Apesar da queda registrada em maio na comparação anual, o resultado foi considerado positivo, uma vez que houve aumento de 9,9% sobre abril. 

"O resultado está dentro do cenário previsto para o período de entressafra. É um indício de que devemos fechar tanto o ano cafeeiro quanto o civil com bom desempenho", disse.  A receita com as exportações alcançou US$ 418,9 milhões, alta de 13% na comparação, refletindo a valorização de 17,2% no preço médio do produto exportado, que ficou em US$ 171,84 por saca, em maio. 
Para Carvalhaes, a entrada da safra 2017/2018, que já está sendo colhida, vai permitir que os embarques melhorem no segundo semestre. "O sentimento do mercado é de que estoques de café se exauriram. E levará tempo para formar novos estoques devido à demanda mundial", disse. 

Do total exportado em maio, 2,2 milhões de sacas foram de café arábica, um aumento de 1,3% em relação ao mesmo mês de 2016. Já as vendas externas do conilon caíram 71,3%, para 19 mil sacas. No acumulado do ano safra 2016/2017, as embarcações também recuaram sobre igual intervalo do ciclo anterior: foram exportados 30,7 milhões de sacas, uma redução de 7,3%. Já entre janeiro e maio deste ano, a redução na comparação com os cinco primeiros meses de 2016 foi de 8,2%, para 12,7 milhões de sacas. 

Diante dos números, a expectativa do Cecafé é que as exportações no ano fiquem estáveis em 34,2 milhões de sacas. Para o ano safra 2016/2017, que está se encerrando, a perspectiva é de decréscimo para entre 33,2 milhões e 33,4 milhões da temporada 2015/2016. 

Expectativa para a safra 2018/2019

Para o ano que vem, as expectativas são as melhores. De acordo com Carvalhaes, "se tudo correr bem com o clima, tudo indica que 2018/2019 será de uma boa safra, possível a atingir recordes de exportação." O último foi em 2015, com 37 milhões de sacas embarcadas. 

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do CaféPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSÉ IOVAN TEIXEIRA (VANDO)

JI-PARANÁ - RONDÔNIA - INDÚSTRIA DE CAFÉ

EM 13/06/2017

Comercializaçao do conilon segue lenta em Rondônia,mas a qualidade do café nesta safra se apresenta bem melhor que das safras anteriores.