carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Notícias > Produção

Café perde Luiz Hafers, entusiasta da cultura e ex-presidente da SRB

Por Equipe CaféPoint (CaféPoint)
postado em 05/08/2016

4 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Da redação

Luiz Marcos Suplicy Hafers deixou importantes marcas na história do café no Brasil. O santista faleceu nesta quinta-feira (4/8) e será velado nesta sexta-feira (5/8), na cidade de São Paulo, onde morava atualmente. A trajetória de Hafers na cultura aponta para a de um entusiasta. Ele foi presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB) de 1996 a 2002, nasceu em Santos e era de uma família tradicional por fazer negócios envolvendo café desde 1840, período considerado a "era de ouro" da cultura. Sua primeira fazenda foi comprada em 1962, quando tinha 26 anos, no município de Ribeirão Claro, Norte Pioneiro do Paraná.


  Luiz Marcos Suplicy Hafers deixou importantes marcas na história do café no Brasil // Foto: Manoel Marques / Café Editora
Luiz Marcos Suplicy Hafers deixou importantes marcas na história do café no Brasil // Foto: Manoel Marques / Café Editora


O cafeicultor foi presidente da APAC - Associação Paranaense de Cafeicultores e fundador da instituição gestora do Museu do Café e do Museu da Imigração, em Santos (SP). O velório ocorrerá amanhã, dia 5 de Agosto, a partir das 7hrs, no Funeral Home, localizado a Rua São Carlos do Pinhal, 376, na Bela Vista, em São Paulo. A partir das 14hrs, o corpo será levado ao Crematório da Vila Alpina, na Vila Prudente, região Leste da capital paulista.

Norte Pioneiro
Hafers criava gado no oeste baiano, onde atuava desde 1989 e participou de grandes reflorestamentos nos anos 70. Mas foi no café que ele se tornou pioneiro no sistema de plantio adensado e referência na região produtora do Norte Pioneiro do Paraná.

Ainda em 2007, a jornalista e diretora de Conteúdo da Café Editora, Mariana Proença, foi até a propriedade de Hafers. Para rememorar a trajetória do cafeicultor, resgatamos a entrevista feita em sua Fazenda Jamaica, no Norte Pioneiro do Paraná:


NOS ALTOS DE RIBEIRÃO CLARO, A JAMAICA

Fomos ao Norte do Paraná conhecer a propriedade de Luiz Suplicy Hafers, que chega à 46ª safra reunindo tradição familiar e modernidade

 
Por Mariana Proença, para a Revista Espresso


Logo na chegada da cidade os altos e baixos do terreno de Ribeirão Claro dão a pista de que ali se produz café. Encravado em uma região montanhosa do Norte do Paraná e fazendo divisa com São Paulo, o pequeno município foi palco de importantes momentos da história do cultivo da planta. Próximo à entrada da cidade avista-se a ponte Alves Lima sobre o Rio Paranapanema. Construída em 1918 com o intuito de escoar rapidamente a produção de café, tornou-se ponto turístico e patrimônio histórico.

 
Fazenda Jamaica // Foto: Manoel Marques / Café Editora
Fazenda Jamaica // Foto: Manoel Marques / Café Editora

O caminho do café era longo. Depois de passar pela ponte, chegava à Estrada de Ferro Sorocabana e, dali, seguia para o Porto de Santos, distante mais de 400 quilômetros. Na década de 1920, Ribeirão Claro chegou a ter 25 mil habitantes, contra os cerca de 8 mil atuais. Fundada em 1908, reunia povoados formados em sua maioria por italianos. Típico município do interior, abriga uma praça, uma igreja e ainda preserva algumas ruas de pedra, casas de colonos e comércios bem regionais.

UM SÉCULO NO PARANÁ
Não muito longe do portal de Ribeirão Claro trabalhadores indicam o caminho por uma estreita estrada de terra em direção à Fazenda Jamaica. Conhecida na região, a propriedade, antes usada na engorda de porco para a fabricação de banha, começou a produzir café no início do século XX. Logo na entrada, um grande jardim verde dá destaque à sede, no centro do terreno. A casa data do final do século XIX, quando ainda não tinha água encanada nem luz elétrica. Uma pequena capela, ao fundo, denota ao local um ar bucólico.

Norte Pioneiro do Paraná // Foto: Manoel Marques / Café Editora
Norte Pioneiro do Paraná // Foto: Manoel Marques / Café Editora



Ao chegar à casa, somos recebidos por Luiz Suplicy Hafers, que adquiriu a fazenda em 1962. “Quando comprei, já tinha este nome. Eu suspeito de que, na época, algumas sementes devam ter vindo da Jamaica.” O interesse da família de Hafers pela região começou com o avô, Luiz Suplicy, em 1908, data de fundação de Ribeirão Claro. Suplicy adquiriu a Fazenda Monte Bello – hoje pertencente a um primo de Hafers –, que na década de 1910 produzia uma média de 5 mil sacas ao ano. Atualmente, toda a grande estrutura da Monte Bello, montada com secadores, terreiro e até uma escola, não é mais usada, mas guarda as histórias do lugar.

TRADIÇÃO NÃO ATRAPALHA AVANÇOS
Conversar com Hafers é viajar no tempo e nas histórias do café. Aos 71 anos, o cafeicultor está na 46ª safra. A família, de geração longa, como ele gosta de lembrar (“minha avó viveu até os 108 anos”), é tradicional produtora de café. Mas apesar das antigas construções, as ideias soam novas. Na conversa surgem histórias de muitas realizações, modernas iniciativas e ainda mudanças que ele testa para melhorar a quantidade e a qualidade do café produzido na Fazenda Jamaica.

Norte Pioneiro do Paraná // Foto: Manoel Marques / Café Editora
Norte Pioneiro do Paraná // Foto: Manoel Marques / Café Editora


“A modernidade não pode ser atrapalhada pela tradição. Quando alguém diz ‘meu avô fazia’, esquece. Ele foi um colosso, mas no tempo dele. Você tem que respeitar, mas não ser prisioneiro.” Para colocar em prática essa filosofia, o cafeicultor conta com funcionários antigos, como o descendente de italianos Geraldo Salvador, atual administrador da propriedade e nascido lá. Ao todo, 18 famílias vivem no local e mais de cem funcionários trabalham no período da colheita. “O café exige muita mão-de-obra, algo em torno de 40% a 50% dos gastos de uma propriedade média, como a minha”, explica Hafers.

A REPRESA QUE ABRAÇA AS PLANTAÇÕES
Pioneiro no café adensado na região, ele mostra os cafezais já carregados com os frutos que em maio estarão prontos para a colheita. Para avistar todos os 140 hectares de plantação é necessário percorrer de carro as pequenas estradas. O proprietário conhece cada talhão – divisões da plantação –, alguns levam nomes ou lembram histórias. A diferença entre o sistema adensado e o tradicional é perceptível à medida que vamos subindo as montanhas, pois alguns cafezais são mais e outros menos espaçados. Aos poucos Geraldo vai abrindo todas as porteiras e adentramos a enorme área.

A região guarda uma bela surpresa. Em meio aos cafezais, quanto mais se sobe o morro, mais se avista uma enorme represa, a Xavantes, que abraça as plantações. Alguns barcos e lanchas circulam pelo local, muito usado pelos paranaenses como lugar de veraneio. Do alto é possível ver as árvores da Fazenda Jamaica, outro projeto que Hafers desenvolve e acredita que colabore para um melhor desempenho do cafezal: a agrofloresta. Para cada hectare plantam-se 25 árvores. “É uma sombra móvel”, explica. A arborização é feita no meio das plantações e no calor intenso torna-se também lugar de refúgio para os trabalhadores.

A conversa estende-se até a sede. Da varanda, repleta de compridos caramanchões, avistam-se o terreiro, o lavador e o descascador, tudo pronto para a próxima safra, que o proprietário acredita que venha carregada de novos frutos e a um preço maior para o produtor. Hafers lembra da safra recorde, em 1998, quando a fazenda produziu 8.800 sacas de café arábica. Hoje, a realidade é outra e ele chega a ter pouco menos da metade: 4.200. Mas não desanima. Gosta de afirmar que o objetivo de todos deveria ser deixar o mundo melhor do que encontrou: “Acredito que estou fazendo a minha parte”. 

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Equipe CaféPoint    São Paulo - São Paulo

Mídia especializada/imprensa

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

fabio Scatolin

Curitiba - Paraná - Pesquisa/ensino
postado em 07/08/2016

Um grande brasileiro e um grande especialista da cafecultura brasileira. Como poucos, entendia a complexidade da economia mundial e suas relaçoes com a economia cafeeira.  Poucos brasileiros tinha a capacidade de entender  a complexidade da formação de preços do cafe e a dificuldade encontrada pelos produtores com o custo de produçao.
Sem papas na lingua sempre expos seu ponto de vista fazendo duras criticas muito bem embasadas aos bancos e ao custo financeiro .
A cafeicultura brasileira fica um pouco mais pobre em liderança sem sua presença.

joao maria madeira

Curitiba - Paraná - aposentado
postado em 25/07/2017

Fiquei encantado com a reportagem da Fazenda Jamaica porque em 1962 eu morava nela e não tinha conhecimento com os patrões porque a administração vinha da Fazenda Monte Belo. Eu me mudei em julho de 1963 e o administrador era Antonio Faganello A Vida. Morei também na Fazenda Corderinho, da qual tenho muitas saudades. Estudei na Fazenda Laranjal, na Escola Municipal Anita Garibaldi, tempo bom! Tinha meus pais e todos os meus irmãos vivos. Que saudade! Vim embora para Curitiba por motivos de saúde da minha falecida mãe. Foi muito difícil. Nós éramos em 7 irmãos. Eu, o mais velho, sem estudo, sem serviço. No começo não foi fácil, mas com muita fé em Deus e trabalho estamos aí.  Em novembro completo 49 anos de casado, tenho 4 filhos (1 homem e 3 mulheres) e 11 netos. Qualquer pergunta, me escrevam! 

joao maria madeira

Curitiba - Paraná - aposentado
postado em 25/07/2017

Gostaria de acrescentar que quando fui morar lá o proprietário era o conhecido fazendeiro Manoel Português. Tenho 70 anos  e algumas histórias das Fazendas Cordeirinho, Fazenda Montes Claro e Jamaica. 

Equipe CaféPoint

São Paulo - São Paulo - Mídia especializada/imprensa
CaféPoint - postado em 26/07/2017

João,
Ficamos emocionados com a sua história. Obrigada por dividir com a gente um pouquinho da suas experiências. É uma delícia quando recebemos esses relatos.
Beijo grande!

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade