carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Notícias > Produção

100 propriedades cafeeiras de MG devem receber o selo de certificação UTZ

postado em 06/11/2017

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Da redação

Em Minas Gerais, a parceria firmada entre o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e a organização holandesa UTZ tem despertado cada vez mais o interesse dos produtores. Até o final de 2017 cerca de 100 propriedades cafeeiras do estado devem receber o selo de certificação UTZ, um dos mais reconhecidos mundialmente, que atesta que a fazenda atende parâmetros sociais, garante o trabalho remunerado, respeita o meio ambiente e adota boas práticas de fabricação.

Foto: Café Editora
                                                 Foto: Café Editora

Segundo a certificadora holandesa, para obter o selo os cafeicultores mineiros precisam adaptar as propriedades para atendimento de 28 normas obrigatórias em cinco áreas: lavoura, rastreabilidade, responsabilidade ambiental e social, capacitação e gestão da propriedade. De acordo com o diretor geral do IMA, Marcílio de Sousa Magalhães, a UTZ reconhece que a certificação do Sistema de Agricultura de Minas Gerais, feita pela Emater e pelo Instituto Mineiro de Agropecuária, tem as mesmas características e qualidades da certificação deles. 

"Houve uma equivalência, de forma que, hoje, as propriedades da agricultura familiar certificadas pelo IMA podem receber o selo da UTZ sem novas auditorias ou custos. As fazendas de maior porte que possuem a certificação estadual também podem requerer o selo e a taxa cobrada custa cerca de 20% do valor praticado fora da parceria. É uma certificação internacional que abre mercados”, explica Magalhães. 

O ganho da certificação está na gestão da propriedade, na agregação de valor no ponto de vista ambiental e da responsabilidade social. Em Minas Gerais, mais de 50 propriedades têm o selo UTZ: "temos 1,2 mil propriedades certificadas pelo IMA que podem solicitar a certificação UTZ. O número de unidades com os dois selos tende a aumentar porque os produtores não conheciam a certificação da UTZ", disse o diretor. 

O café vem aumentando o status de alimento gourmet, sendo assim, a certificação agrega valor ao produto, fazendo com que o cafeicultor invista cada vez mais em melhorias na lavoura: "estamos recebendo diversas missões internacionais. Os compradores vêm em busca de cafés de qualidade e certificados que garantam as boas práticas de produção, o uso correto de produtos químicos, a não utilização de mão de obra escrava e a adoção de práticas que não agridam o meio ambiente", finaliza Magalhães.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade