ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Clima e doenças limitam safra 2012/13 de café da América Central

MERCADO

EM 09/05/2012

0
0
A oferta de café de qualidade pode não ser volumosa na temporada 2012/13, pois os cafezais começam a florir em meio a um clima desfavorável e a doenças na Colômbia, no México e na América Central. A produção total de café arábica lavado - cujos preços têm um prêmio em relação ao contratos futuros da ICE Futures US por causa do seu sabor suave e de um processamento mais refinado - deve permanecer estável, segundo traders e organizações da região. De acordo com a Organização Internacional de Café (OIC), tais países produziram juntos quase 26,6 milhões de sacas na temporada 2011/12.

A demanda por café deve continuar crescendo, pois as grandes redes de cafeterias, como Starbucks e Peet´s Coffee & Tea, vendem misturas originais de alguns dos três maiores produtores de café arábica. "O mercado vai começar a voltar até o fim do ano", afirmou Rodrigo Costa, diretor financeiro da corretora Caturra Coffee. Os preços do arábica caíram quase 40% em Nova York neste ano ante as máximas do ano passado, de quase 300 cents/lb. Ontem, o contrato com vencimento em julho fechou a 175,20 cents/lb.

A Colômbia, principal produtor de café arábica lavado, está enfrentando muitas chuvas e a Federação Nacional de Produtores de Café (Fedecafé) afirmou que a produção não deve superar 8 milhões de sacas de 60 kg. A Colômbia costumava produzir mais de 11 milhões de sacas por ano. "Os solos estão segurando muita umidade. Não é um bom presságio para a safra do próximo ano", comentou o gerente da trading de café Ecom na Colômbia, Sam Grigg.

A Guatemala, segundo maior produtor da América Central, enfrenta problemas com o fungo roya, que levou a Associação Guatemalteca de Café (Anacafé) a reduzir sua estimativa de produção para 3,45 milhões de sacas. O presidente da associação, Ricardo Villanueva, disse que o pior ainda está por vir, pois os efeitos doroya são maiores no ciclo que sucedem um surto da doença. Thomas Nottebohm, diretor do grupo de exportadores Adec, acredita que a produção pode ser 5% a 10% menor na próxima temporada. "No melhor dos casos, a produção vai permanecer estável", declarou.

O México deve produzir menos, num ciclo sazonal de baixo rendimento. Embora a floração e o clima sejam favoráveis, segundo o presidente da União Nacional de Produtores de Café, Gabriel Barreda, a safra deve ser até 15% menor do que a atual estimativa, de 4,3 milhões de sacas.

Honduras, que se tornou o maior produtor da América Central, com produtividade maior, afirmou que faltou chuva neste ano. A floração começou em algumas áreas, mas na maioria a produção é incerta. Autoridades esperam, no entanto, que o rendimento seja "pelo menos o mesmo da colheita passada", comentou o gerente técnico do Instituto Hondurenho de Café (Ihcafé). As informações são da Dow Jones.

A reportagem é da Agência Estado, adaptada pela Equipe CaféPoint.

0

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.