ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Apesar da baixa oferta, Cepea indica queda no preço do conilon

POR EQUIPE CAFÉPOINT

MERCADO

EM 01/02/2017

3
0
Da redação

Os preços do café robusta, nosso conilon, têm caído no mercado doméstico, mesmo diante da baixa oferta da variedade, reportou o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP). Nessa terça-feira (31/1), o Indicador Cepea/Esalq do robusta tipo 6, peneira 13 acima, fechou a R$ 474,08/saca de 60 kg, queda de 3,45% em relação à terça anterior.

A pressão vem da ausência de compradores no mercado, tanto de indústrias quanto de exportadores. Segundo colaboradores do Cepea, diante dos elevados patamares de preços do robusta, muitos compradores têm buscado o arábica de menor qualidade.

Quanto ao arábica, as negociações seguem limitadas no Brasil, já que o interesse dos compradores se concentra em cafés de maior qualidade superior. Para a exportadora e corretora Escritório Carvalhaes, o arábica Duro Fraco teve mínima de 510 e máxima de 530, enquanto os Riados estiveram entre 500 e 510, nesta terça-feira (31/1).

O Cepea apontou que os vendedores, por sua vez, têm negociado o arábica de maior qualidade apenas em patamares mais altos que os compradores estão dispostos pagar. Nessa terça-feira, 31, o Indicador Cepea/Esalq do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, posto na capital paulista, fechou a R$ 519,75/saca de 60 kg, queda de 1,57% em relação à terça anterior, 24.
 

3

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DIEGO DE OLIVEIRA CARVALHO

SETE LAGOAS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 07/02/2017

Prezado José Robson;

Bom dia! Quando escrevi o meu comentário, quis realmente ser irônico, fazer uma provocação. Tenho acompanhado o assunto todos os dias e li sobre os dois lados da moeda pra não ser injusto. Estou de acordo com as suas palavras. Também sou produtor de café, bem sei das dificuldades ... Aliás, ontem fomos avisados pelo banco que "em razão da insuficiência de disponibilização de limites pelo BNDES, suspenderemos a partir desta, e por tempo indeterminado, o acatamento de novos pedidos de financiamento a linha de crédito com taxas de juros 5,5%a.a. para o ano agrícola 2016/2017." É mole? Veja que também pipocam notícias sobre o generoso repasse de recursos para custeio agrícola, MODERFROTA é isso e aquilo, que este é um país que apoia a agricultura e a pecuária ... Ora, como trabalhar deste jeito? Muito ajuda quem não atrapalha! Como saldar os compromissos assumidos diante da recusa de uma simples e iminente renovação de um financiamento agrícola já decorridos mais de 2/3 do ano agrícola. Nossos "encanetados" precisam mesmo ir ao campo, experimentar produzir ... Quero deixar bem claro neste espaço que também considero um absurdo homérico autorizar a importação de café. Basta! Ano após ano, é o agro que mantém esse país de pé, é o produtor que mantém esse país de pé. É o único setor que registra incrementos nos postos de emprego e na produtividade mesmo diante da crise! Precisamos de mais seriedade, responsabilidade e vivência prática por parte dos nossos representantes!
JOSE ROBSON VESCOVI RAMOS

FUNDÃO - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 04/02/2017

Se aprovado a importação  de conilon, podemos fazer nossas malas vender nossas propriedades e morar na cidades e se inscrever no bolsa familia do governo e ficar olhando pra lua.Estamos morrendo de trabalhar de sol a sol, enfrentando secas, e preços baixos a muito tempo. Vai faltar cafe no mercado, o desanimo para produzir e grande, não vale a pena. So vai produzir cafe em paises de mão de obra escrava para ter baixo custo. E muito facil estar no escritorio ar condicionado com caneta na mão tomando decisões impensaveis.Vem pro campo, vem produzir, e depois voce me diz.
DIEGO DE OLIVEIRA CARVALHO

SETE LAGOAS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 02/02/2017

Interessante! Mesmo diante da fraca demanda pela indústria e a consequente queda dos preços do Conillon, o MAPA discute a viabilidade da importação deste tipo de café direto do Vietnã com a justificativa de que a indústria não pode ser penalizada pela escassez do produto. A decisão está nas mãos do ministro Maggi, que deve tomar uma posição entre hoje e amanhã.



Leiam: https://www.noticiasagricolas.com.br/noticias/cafe/185609-decisao-sobre-importacao-de-cafe-conilon-no-brasil-pode-sair-apos-reuniao-nesta-3-feira.html#.WJNLO2QrJFQ.



Ora, de que lado está a verdade?