carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Notícias > Internacional

México quer colocar mais café no mundo

postado em 23/02/2017

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O México procura recuperar a liderança global que teve o café mexicano. A tarefa não é simples, já que a produção tem sido afetada por vários anos por baixa produtividade das plantações de café e pela ferrugem.

A Secretaria de Agricultura do país (Sagarpa) lançou em 2015 um programa para combater esta praga, que inclui a renovação durante esta administração de 60.000 hectares de plantações de café em 200 milhões de plantas resistentes à ferrugem nos 13 estados produtores de café e entrega de pacotes tecnológicos, incluindo insumos, como nutrientes e fungicidas; e assistência técnica especializada.

O café emprega mais de três milhões de mexicanos, incluindo atividades de plantio e colheita, e representa o sexto maior item de exportação do México, que luta pela liderança global com Brasil, Colômbia, Vietnã, Etiópia, Guatemala, Honduras, Uganda e Indonésia.

No México, o café surgiu no final do século XVIII, quando foi exportado de Cuba através da costa de Veracruz. Desde então, de acordo com informações do México Desconhecido, as fazendas de café passaram por três períodos: desde a sua formação até que foram retomadas em 1942 pelo Estado; em seguida, entre 1942 e 1950, quando estavam sob a tutela do governo; e dos anos cinquenta até o presente, um momento em que as propriedades foram devolvidas aos indivíduos.

Em 2014, os produtores de café no México sofreram um de seus ciclos mais sombrios, porque a ferrugem devastou a safra, reduzindo árvores a esqueletos. Desde então, muitos produtores da Costa Leste mexicana mudaram da variedade arábica para robusta, apesar do seu valor mais baixo, em parte porque resiste melhor ao ataque do fungo. O café arábica, no entanto, ainda representa a maior parte de café do mundo, mas a sua produção diminuiu nos últimos ciclos, de acordo com uma pesquisa da Reuters.

Um exemplo é a Nestlé, dona da maior fábrica do mundo de café instantâneo na periferia da Cidade do México, cujos especialistas estimam que, até 2020, o México pode ter uma nova etapa de esplendor com a variedade robusta.

As informações são do http://www.altonivel.com.mx / Tradução por Juliana Santin 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade